Revelado o Mistério Cristão

Sources Chretiennes revela autor e datação da Carta a Diogneto

ROMA, segunda-feira, 9 de janeiro, 2012 (ZENIT.org) .- Há um escrito apologético que explica o que é o cristianismo melhor do que qualquer texto moderno. Chama-se “carta à Diogneto”, mas um profundo mistério envolve este pequeno escrito, que ainda hoje, data, autor, origem e o caráter mesmo estão ainda sujeitos a vivas discussões.

Para explicar o “mistério cristão”, o desconhecido autor escreve, a um destinatário chamado Diogneto: “Os cristãos nem por razão, nem por linguagem, nem por costumes se distinguem dos outros homens. De fato, não habitam cidades próprias, nem usam um jargão que se diferencia, nem conduzem um gênero de vida especial. A sua doutrina não está na descoberta do pensamento de homens vários, nem eles aderem a uma corrente filosófica humana, como fazem os outros. Vivendo em cidades gregas e bárbaras, como correspondeu a cada um, e seguindo os costumes do lugar no vestido, na comida e no resto, testemunham um método de vida social admirável e sem dúvida paradoxal”.

E ainda: “Casam-se como todos e geram filhos, mas não jogam fora os bebês. Colocam em comum a mesa, mas não a cama. Estão na carne, mas não vivem segundo a carne. Habitam na terra, mas tem a sua cidadania no céu. Obedecem às leis estabelecidas, e com a sua vida superam as leis. Amam a todos, e por todos são perseguidos. Não são conhecidos, e são condenados. São mortos, e retornam a vida. São pobres, e fazem a muitos ricos; Não têm nada, e abandonam tudo. São desprezados, e nos desprezos têm glória. São ultrajados e proclamados justos. São injuriados e abençoam; são maltratados e honram. Fazendo o bem são punidos como malfeitores; condenados se alegram como se recebessem a vida…”

Verdades que mostram a admiração que os cristãos geravam entre os pagãos do tempo, mas também conceitos que são de grandíssima relevância, especialmente no contexto de um projeto de uma “Nova Evangelização”.

Após a “editio princeps” (primeira edição impressa) do 1592 a “Carta a Diogneto” foi republicada totalmente ou em parte, pelo menos, 65 vezes, a sua bibliografia ultrapassa a cifra de 250 publicações.

A sua história é incrível e lendária.
Por volta de 1436 um jovem clérigo chamado Thomas d’Arezzo, que estava em Constantinopla para estudar o grego, descobriu o manuscrito em uma peixaria no meio de uma pilha de papel de embrulho.

O clérigo em questão partiu depois de missão junto aos muçulmanos e entregou o manuscrito a um teólogo dominicano, o futuro Cardeal Giovanni Stojkovic de Ragusa.
Este último levou-o consigo ao Concílio de Basileia e passou-o para o humanista Giovanni Reuchlin.

Entre 1560 e 1580 o manuscrito foi encontrado na abadia de Marmoutier na Alsácia, e entre 1793 e 1795 foi transferido para a biblioteca municipal de Estrasburgo.

No 24 de Agosto de 1870, durante a Guerra Franco-Prussiana, o fogo da artilharia prussiana incendiou a biblioteca, no qual também se destruiu o manuscrito da carta. Apesar da perda da original, o texto da carta é certo porque no século XVI fizeram-se ao menos três cópias. A primeira feita provavelmente em 1579 por Bernard Haus por conta de Martin Crusius, foi redescoberta três séculos mais tarde da C. I. Neumann e se encontra ainda hoje na Biblioteca universitária de Tubingen.

A segunda foi realizada em 1586 por Henri Estienne pela editio princeps da obra, que foi publicado em 1592: cheia de anotações de leitura e de propostas de correções, essa se encontra hoje em Leida.

A terceira, feita por J. J. Beurer entre 1586 e 1592, perdeu-se, mas o autor tinha comunicado, com suas próprias anotações, a Estienne e a Friedrich Sylburg, e este último publicou uma edição própria em 1593. Os dois estudiosos marcaram nas suas edições uma parte das notas de Beurer. Para desvendar o mistério, contar a história, procurar as fontes, identificar o autor e o destinatário, as edições francesas de autoridade, “Sources Chrétiennes”, publicaram o livro “Para Diogneto”, com introdução, edição crítica e comentários do especialista em história do cristianismo primitivo, Henri-Irénée Marrou.

O livro em questão foi traduzido e publicado na Itália pela Editora San Clemente e pelas Edições Studio Domenicano. A tradução foi feita por Maria Benedetta Artioli.

Segundo o autor, “a carta a Diogneto” poderia ter sido escrita em Alexandria, num período entre os anos 90 e 200, e o seu destinatário deveria ter sido o Procurador Equestre Claudio Diogneto que no 197 estava em função do Grande Sacerdote do Egito.

Para Henri-Irénée Marrou o texto apresenta “uma incontestável afinidade global e pontos de contato parciais mas numerosos como o conjunto da literatura apologética dos anos 120-210, muito semelhante aos fragmentos da ‘Pregação de Pedro’ e Aristide”.

Durante anos este texto tem sido atribuído a São Justino, mas agora está certo que o filósofo e mártir Justino não tem nada a ver. O autor é provavelmente um contemporâneo de Hipólito de Roma e de Clemente de Alexandria e segundo o livro de Sources Chrétiennes, seria Panteno, mestre de Clemente.

De Panteno Clemente escreve “o último que conheci, mas o primeiro em potência. O descobri no Egito, onde ele estava escondido… Era uma verdadeira abelha siciliana, colhia as flores no prado dos profetas e dos apóstolos e gerava na alma dos seus ouvintes um mel puro … “

Na conclusão Marrou explica que não surpreende o interesse ao cristianismo de um administrador romano, num período de conversões nos quais a mesma imperatriz mãe Julia Mamaea (ou Giulia Mamea) apelava ao ensinamento de Origenes.

***
Por Antonio Gaspari
Tradução TS

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.