Reflexão: Evangelho de Domingo (01/09/13)

humildadeO Evangelho deste domingo nos faz o mesmo convite que o Papa Francisco tem  feito desde que assumiu o seu pontificado: a prática da humildade.

Devemos estar atentos às nossas ações, e lutar contra o pecado da soberba que vive a nos rondar. A soberba encabeça a lista dos pecados capitais; e, sem dúvida é o pior de todos. É o que levou os anjos maus  a se rebelarem contra Deus, e levou  Adão e Eva à desobediência mortal para toda a humanidade.

Alguém disse que o orgulho é tão enraizado em nós, por causa do pecado original, que “só morre meia hora depois do dono”.

Por outro lado, por ser o oposto da soberba, a humildade é grande virtude, a que mais caracterizou o próprio Jesus, “manso e humilde de coração” (Mt 11,29), e também marcou a vida de Maria, “a serva do Senhor” (Lc 1, 38), José, e todos os santos da Igreja.

São Vicente de Paulo ensinava seus filhos  que o demônio não pode nada contra uma alma humilde, uma vez que sendo ele soberbo, não sabe se defender contra a humildade. Por isso, com esta arma ele foi vencido por Jesus, Maria, José, São Miguel e os santos.

A soberba consiste na pessoa sentir-se como se fosse a “fonte” dos seus próprios bens materiais e espirituais. Acha-se cheia de si mesma, pensa, tristemente, que é a própria autora daquilo que tem ou que faz de bom, e se esquece de que tudo vem de Deus e é dom do alto, como disse São Tiago:

“Toda dádiva boa e todo dom perfeito vêm de cima: descem do Pai  das luzes” (Tg 1,17).

O soberbo se esquece que é uma simples criatura, que saiu do nada pelo amor e chamado de Deus, e que, portanto, Dele depende em tudo. Como disse Santa Catarina de Sena, ele “rouba a glória de Deus”, pois quer para si as homenagens e os aplausos que pertencem só a Deus, já que Ele é o autor de toda graça.

Mais uma vez os cristãos são chamados a deixarem a soberba de lado para “nadar contra a correnteza” do mundo, que prega que os melhores são aqueles que ocupam os cargos mais “nobres”, os que têm mais dinheiro, mais fama, mais influência; e ir ao encontro dos irmãos que parecem ser “esquecidos” pela sociedade,  como os mais pobres, os enfermos, os idosos, os indefesos; amando e ajudando sem esperar nada em troca. Pois a nossa recompensa será o céu!

Não se esquecendo de que somos peregrinos nesta pátria, e que estamos a caminho da pátria celeste, devemos marchar rumo ao céu fazendo boas obras e ajudando na construção do Reino de Deus, que também é nosso.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.