Quem foi o Papa João Paulo II?

JP2-Scan-1O Papa João Paulo II (Karol Józef Wojtyla), polonês, foi eleito Papa a 16 de Outubro de 1978, num momento muito difícil em que o mundo enfrentava a perigosa guerra fria entre os EUA e a União Soviética. Todos temiam uma guerra nuclear que poderia acabar com o Planeta.

João Paulo II obteve o doutorado  em Teologia (1948), em Roma, com uma tese sobre o conceito da fé nas obras de São João da Cruz. Foi professor de Teologia Moral e Ética no Seminário Maior de Cracóvia e na Faculdade de Teologia de Lublin. Em 4 de Julho de 1958, o Papa Pio XII nomeou-o Bispo Auxiliar de Cracóvia. Em Janeiro de 1964 foi nomeado Arcebispo de Cracóvia pelo Papa Paulo VI, que o criou Cardeal a 26 de Junho de 1967. Participou no Concilio Vaticano II (1962-65), dando um contributo importante na elaboração da Constituição “Gaudium et Spes”. Foi eleito Papa em 16 de Outubro de 1978. Foi o primeiro papa não italiano depois de muitos anos. A grande surpresa foi ter vindo de um país da Cortina de Ferro comunista.

João Paulo II realizou 146 visitas pastorais na Itália e visitou 317 paróquias romanas. Fez 104 viagens apostólicas pelo mundo, escreveu 14 Encíclicas, 15 Exortações Apostólicas, 11 Constituições Apostólicas e 45 Cartas Apostólicas. Deixou 5 livros;  celebrou 147 ritos de Beatificação – nos quais proclamou 1338 Beatos – e 51 Canonizações, com um total de 482 Santos. Realizou 9 Consistórios, nos quais criou 231 Cardeais (mais um 1 in pectore). Convocou 15 Assembleias do Sínodo dos Bispos: 6 gerais ordinárias (1980, 1983, 1987, 1990, 1994 e 2001), 1 assembleia-geral extraordinária (1985) e 8 assembleias especiais (1980, 1991, 1994, 1995, 1997, 1998 e 1999). Promulgou o novo Código de Direito Canônico Latino e das Igrejas Orientais, em 1983; o novo Catecismo da Igreja Católica, em 1992; proclamou o Ano da Redenção, o Ano Mariano e o Ano da Eucaristia, culminando no Grande Jubileu do Ano 2000. Inaugurou a celebração das Jornadas Mundiais da Juventude. Em suas Audiências Gerais das Quartas-feiras (cerca de 1160) participaram mais de 17 milhões e 600 mil peregrinos, sem contar as outras Audiências especiais e as cerimônias religiosas (mais de 8 milhões de peregrinos apenas no decorrer do Grande Jubileu do Ano 2000). Realizou 38 Visitas Oficiais e as restantes 78 Audiências ou Encontros com Chefes de Estado, como também as 246 Audiências e Encontros com Primeiros-ministros.

Com 25 anos de pontificado, João Paulo II foi o terceiro papa de pontificado mais longo na história da Igreja. Foi um gigante que deixou saudade em todo o mundo, marcando com sua presença amiga e corajosa todos os povos por onde passou. Esteve no Brasil por três vezes e foi muito amado pelo povo brasileiro.

Em 13 de Maio de 1981, na Praça de São Pedro, o Papa sofreu um grave atentado. Não morreu por verdadeiro milagre. Ele disse depois que “uma mão puxou o gatilho, mas outra mão (de Nossa Senhora de Fátima) o protegeu”. No ano seguinte, no mesmo 13 de maio, foi a Fátima e colocou o projétil da arma que o atingiu, na coroa de Nossa Senhora de Fátima.  Segundo o inquérito da polícia de Roma, foi um atentado da KGB russa que o queria matar. Sem dúvida o Papa João Paulo II foi o principal agente na queda do comunismo em 1989, com a queda do “Muro da Vergonha” (Berlim), libertando inúmeros países (Hungria, Polônia, Checoslováquia, Bulgária, Romênia, etc.) do jugo escravizante comunista de Moscou. No Jubileu do ano 2000 revelou, integralmente, em Fátima, o famoso Terceiro Segredo de Fátima. Em termos simbólicos ficou claro que se tratava da ação do comunismo contra a Igreja no século XX, passando pelo atentado que ele sofreu.

João Paulo II, auxiliado pelo cardeal Joseph Ratzinger, seu sucessor como Bento XVI, deu combate à perigosa e herética teologia da libertação (de cunho marxista), que despreza o espiritual e só dá ênfase ao social e político como meios de libertação do povo. Cria um falso cristianismo.

Morreu em Roma, sábado 2 de Abril de 2005, e será canonizado no dia da festa da Divina Misericórdia, que ele instituiu. Seu sucessor natural foi o Papa Bento XVI que o serviu durante 24 anos como Prefeito da Congregação da Fé.

Prof. Felipe Aquino

*Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.
Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.