Quarta-feira de Cinzas: Deve-se responder quando o sacerdote impõe a cinza?

Na Missa que se celebra na Quarta-feira de Cinzas, que marca o início da Quaresma, o sacerdote e os ministros que o assistem pronunciam uma fórmula quando impõem as cinzas na testa dos fiéis.

Talvez alguém se perguntou se deve responder algo. A seguir, confira a explicação.

Em recente publicação em seu blog pessoal, o Pe. Samuel Bonilla, conhecido como “Padre Sam”, indicou que dentro da Igreja Católica “normalmente cada fórmula tem uma resposta”, por exemplo, assinalou que ao receber a comunhão, o sacerdote diz “o Corpo de Cristo” e o fiel que o recebe diz “Amém”.

“Mas no caso da cinza, ao começar a Quaresma, deve-se responder algo quando o sacerdote ou o ministro nos impõe a cinza?”, perguntou o Pe. Sam.

Leia também: Por que uma Quarta-feira de Cinzas?

11 coisas que todo católico deve saber sobre a Quarta-feira de Cinzas

Qual o sentido da celebração das Cinzas?

História da Quarta-feira de Cinzas

Quarta-feira de Cinzas: O que é?

O sacerdote hondurenho explicou que depois de revisar as instruções do rito da Missa de Quarta-feira de Cinzas no Missal Romano, encontrou o seguinte:

“Em seguida, o sacerdote impõe as cinzas a todos os presentes que se aproximam dele, dizendo a cada um: ‘Arrependei-vos e acreditai no Evangelho’ (Mc 1,15) ou ‘Lembra-te, homem, que és pó da terra e à terra hás-de voltar’ (Gen 3,19)”.

Assista também: Qual o significado da celebração das cinzas?

Nesse documento, explicou o Pe. Sam, “não indica nenhuma resposta. O que nos leva a concluir que não se responde nada, porque se houvesse resposta, seria especificada”.

“Portanto, quando o sacerdote ou ministro impõem a cinza na testa ou na cabeça, o fiel deve retirar-se em silêncio, meditando a frase/convite que lhe foi feita”, concluiu.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticias/quarta-feira-de-cinzas-deve-se-responder-quando-o-sacerdote-impoe-a-cinza-81602/

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.