Quando orar não é fácil

Entrevista com o Pe. Ignacio Larrañaga

MADRI, terça-feira, 5 de abril de 2011 (ZENIT.org) – O Pe. Ignacio Larrañaga iniciou, em 1974, o apostolado do “Encontro de experiência de Deus”, que levou a 33 países e 3 continentes, ao longo de mais de 30 anos. Em 1984, fundou a “Oficina de oração e vida”, serviço eclesial aprovado pela Santa Sé e estendido por mais de 40 países.

Agora, ele publicou “Dios adentro” (Libros libres), um manual para aprender a orar. Com um estilo próximo e acessível, Larrañaga mergulha na arte da oração de forma prática: através de suas páginas, o leitor caminha, pouco a pouco, dos primeiros passos até a contemplação, vai superando seus problemas e inundando-se de paz. Com este livro, O Pe. Larrañaga quer oferecer uma ajuda eficaz para quem quer iniciar-se no trato com Deus.

ZENIT: Em “Dios adentro”, o senhor fala da “fé adulta”. Também na fé existe um processo de maturidade?

Pe. Larrañaga: Claro, o da superação de uma fé racional ou muito focada na busca da segurança; uma fé capaz de assumir todos os tipos de riscos e medos. É essa fé que permitiu a Abraão caminhar na presença do Senhor, que se torna a inspiração, o centro e o sentido da sua vida.

ZENIT: O senhor diz que o mais desconcertante para o homem é o silêncio de Deus. A oração é a melhor maneira de “sintonizar” com Ele?

Pe. Larrañaga: A oração é o caminho para estabelecer uma corrente afetiva com um Tu, de modo que duas presenças já conhecidas e amadas se tornam mutuamente presentes e se estabelece aquela corrente de dar e receber amor e ser amados no silêncio do coração, na fé, no amor.

É preciso recordar que a oração é um dom de Deus, o primeiro dom de Deus; mas é também uma arte, porque é a convergência entre a graça e a natureza. E, como a arte, está sujeita às normas de aprendizagem e outras leis psicológicas. Orar bem, por isso, exige método e disciplina.

Rezar um Pai-Nosso ou uma Salve Rainha é fácil. Mas quando se trata de concentrar as energias mentais em um Tu, no silêncio do coração, na fé, no amor… orar não é fácil. Você tem que acalmar os nervos, soltar a tensão, silenciar os clamores interiores e, na última solidão do ser, acolher o mistério do infinito de Deus e… adorar! Isso não é fácil.

ZENIT: “Aquele que se sente amado por Deus não conhece o medo”, diz “Dios adentro”. Em nossa sociedade cheia de medos, rezar liberta? Falar com Deus e experimentá-lo pode anular definitivamente os nossos temores?

Pe. Larrañaga: Viver em profundidade a presença amorosa e poderosa do Pai, experimentar sua ternura em toda a densidade, viver abandonado e cheio de confiança em suas mãos… tudo isso desterra inexoravelmente e para sempre os medos e temores do coração. E em seu lugar chega a paz.

Mas, para rezar, é preciso perseverar na paciência, na fé pura e desnuda. Permanecer sozinho, com atenção amorosa e calma em Deus, em serenidade e quietude. E Deus fará o resto.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.