Qual será a minha vocação e a minha profissão?

setas decisoesDeus nos criou para uma missão neste mundo; e para isso nos dotou de talentos adequados para cumpri-la. Quando realizamos o desejo de Deus, então, somos felizes porque nos sentimos realizados e úteis. Então, é fundamental descobrir a nossa vocação.

Quando você realiza sua vocação, dá sentido a sua vida. Cada pessoa é chamada (vocação vem do latim ‘vocare’ = chamar) por Deus a ter uma vida realizada e plena.

Tomar consciência de que a vocação é um chamado de Deus à vida deve nos alertar de como viver bem esta vida que nos foi dada não só como um presente, mas também como missão.

Vocação é diferente de profissão, embora possa haver uma interface entre ambas. A sua profissão é definida por suas aptidões, já a vocação define um “estado de vida”; é algo mais profundo dentro de você; é algo “existencial”, compreende toda a sua pessoa, toda a sua realidade psicológica, mental e espiritual.

Há jovens que têm dúvida em discernir sobre a sua vocação, especialmente se vão se casar ou serem consagrados e celibatários. Essa é uma questão fundamental. Quem tem um desejo muito forte de se casar, ter filhos, constituir uma família, então, deve seguir esse caminho e nele servir a Deus como bom pai, boa mãe, bom esposo (a), bom profissional, etc.

Os que são chamados por Deus para o sacerdócio, ou para uma vida religiosa celibatária, terão mais atração para esta opção do que para o casamento. Deus coloca no coração da pessoa este desejo, embora ele tenha de cultivá-lo com sua graça, oração, etc. Evidentemente a decisão deve ser tomada com um bom conhecimento do que seja tanto a vida conjugal quanto a celibatária de um consagrado a Deus. E nisto muito ajuda a orientação espiritual de uma pessoa madura.

Quem deseja seguir a vida religiosa deve estar ciente de que fará uma “entrega radical” de sua vida a Deus e a seu Reino, sem viver para si mesmo e para uma família. Será como Jesus, “alter Christus”, um outro Cristo, que  disse que não tinha “nem onde reclinar a cabeça”; isto é, nada possuía, era desapegado de tudo, vivia só para Deus. Sua vontade era “fazer a vontade do Pai” (João 6,30), este era “seu alimento” (João 4,32). Quem deseja seguir esta vocação deve estar ciente de que deve “dar a vida para ganha-la” (Mt 16,24), como o grão de trigo que morre na terra para dar fruto (João 12, 24). É uma “chamada radical” e que não admite meio termo, sob pena da pessoa ficar frustrada.

Já para a vida conjugal, é necessário o discernimento para verificar se há o desejo sincero de dividir a sua vida com alguém, de forma exclusiva, na fidelidade ao outro em todos os instantes até a morte, vivendo para ele e para os filhos.

Então, para o bom discernimento da vocação é preciso que você olhe para você mesmo com olhos abertos, sem medo e sem se esconder de você mesmo. E peça a Deus que o ajude a se conhecer. Se você se confrontar com você mesmo, então se conhecerá e não se iludirá.

Escolhido o caminho a seguir, então, vá em frente com determinação, atento aos acontecimentos, em direção àquilo que se sente chamado. Nesta caminhada você vai descobrindo se tem ou não as disposições exigidas pela realidade que escolheu.cpa_como_fazer_a_vontade_de_deus

Já na vida secular, para aquele que optou pelo casamento ou por uma vida celibatária no mundo, nem sempre é fácil escolher a profissão e muitos se enganam. Isso exige também que você se conheça com clareza; identifique seus talentos e aptidões. Não adianta, por exemplo, querer ser médico se você não pode ver sangue. Não adianta querer ser engenheiro se detesta física e matemática… Seja coerente.

Pode ser que um psicólogo (a) o ajude com testes vocacionais e orientações adequadas. Mas, acima de tudo é preciso “ouvir o coração”: o que você gosta de fazer? Quais são as suas aptidões e interesses? Também saiba ouvir os outros que estão perto de você. Muitas vezes as pessoas identificam os nossos valores e talentos e os revelam a nós.

Algumas vezes somos obrigados a tomar uma decisão difícil para mudar o rumo de nossa vida profissional, quando sentimos que não gostamos do que estamos fazendo, do trabalho que realiza, etc. Eu mesmo mudei radicalmente o rumo de minha vida aos 20 anos de idade quando já estava às vésperas de receber a espada de oficial do Exército na Academia Militar. Eu sentia que não era o meu interesse, o meu gosto, por que eu queria ser professor. Então, deixei a Academia e fui ser professor universitário, o que fiz durante 40 anos. E fui e sou feliz nisso, ensinando.

Para o cristão, o discernimento da vocação ou da profissão, exige a oração, a relação de intimidade com Deus, pois foi  Ele quem o criou e deseja que você se realize. Não podemos esquecer do que Jesus disse: “Sem mim NADA podeis fazer” (João 15,5).

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.