Qual o sentido do casamento civil? – EB (Parte 1)

taxa-para-casamento-civil-2011-1Em síntese: A instituição do casamento civil tem suas raízes no séc. XVI, quando os reformadores protestantes negaram a índole sacramental do contrato matrimonial. Lutero julgava que o casamento é uma necessidade física imposta aos homens pela natureza, mas portadora de pecado porque estimulado pela concupiscência ou o desejo sexual (que Lutero identificava com o pecado); a misericórdia de Deus perdoaria a pecaminosidade do ato conjugal.

A posição de Lutero deu início à “secularização do casamento”. Os autores posteriores (regalistas, juristas e filósofos) acentuaram a tesa, distinguindo entre o contrato natural do matrimônio e o sacramento do matrimônio: aquele poderia ser considerado independentemente deste; teria sua justificativa própria; o sacramento seria apenas uma bênção dada a um contrato natural válido por si mesmo.

A secularização se tornou fato reconhecido pelo Direito Civil a partir da Revolução Francesa de 1789. O Código de Direito de Napoleão Bonaparte (1799-1814) promulgou a existência do casamento meramente civil, independente do matrimônio religioso; tal código tornou-se modelo para a constituição civil de numerosos povos europeus e não-europeus.

A Igreja reconhece a legitimidade do casamento civil na medida em que:

1) estipula os efeitos civis do contrato nupcial,

2) atende aos cidadãos não católicos; para os fiéis católicos, porém, a Igreja afirma não haver outra possibilidade de legítima união conjugal a não ser a sacramental. O fiel católico que viva maritalmente unido a pessoa de outro sexo sem o sacramento do matrimônio, acha-se em concubinato, ainda que esteja casado no foro civil.

O contrato matrimonial não pode ser equiparado aos contratos naturais de compra, venda ou aluguel, pois instaura uma modalidade própria de vida cristã ou a via pela qual dois cristãos caminham juntos para Deus e se santificam mutuamente. Se toda a vida do cristão é o desabrochar do sacramento do batismo, a vida conjugal é a vivência do sacramento do matrimônio.

Comentário: Em nossos dias o casamento meramente civil vai-se tornando algo de tão natural aos olhos de fiéis católicos que muitos se unem apenas no foro civil, e não procuram o sacramento do matrimônio como se este fosse apenas uma bênção ou um complemento deixado a critério de cada par de nubentes. Desde que o contrato matrimonial esteja legalizado e tenha seus efeitos perante as instâncias governamentais, muitos nubentes dão-se por tranqüilos. Assim o matrimônio vai perdendo sua índole religiosa sacramental e se vai laicizando ou secularizando mais e mais.

Diante deste fato, que não se justifica aos olhos da consciência cristã, exporemos alguns traços da história do casamento e a atual doutrina da Igreja.

Traços de história

Proporemos três etapas:

1) até o século XVI;

2) Nos séculos XVI/XVIII;

3) Desde o século XVIII aos nossos dias.

1.1. Até o século XVI

A tradição bíblica, desde as suas origens, apresenta o casamento como instituição natural que o Senhor Deus confirma e abençoa. Como Criador dos primeiros homens, Deus é o autor da família e, por conseguinte, do matrimônio, que dá origem à família; a tendência natural à união do homem e da mulher é sancionada pela explícita palavra do Criador. Cf. Gn 1,27s; 2,18-24.

Herdeiro desta concepção, o povo de Israel atribuía ao matrimônio valor sagrado, que o punha acima de todos os outros contratos existentes na sociedade. O matrimônio na Bíblia do A. T. é considerado como colaboração com o próprio Deus na realização de um plano salvífico. Tenha-se em vista especialmente o livro de Tobias, que com ênfase propõe o casamento promovido e abençoado pelo Senhor Deus. No Cântico dos Cânticos a união de esposo e esposa é alegria do amor que Javé tem à filha de Sion ou ao povo eleito.

De resto, o casamento foi reconhecido como instituição sagrada também pelos povos civilizados fora de Israel. O matrimônio, relacionado diretamente com a transmissão da vida, não podia estar isento de valor religioso, como não o estavam o nascimento e a morte (pelo fato mesmo de se relacionar diretamente com a vida, da qual só Deus tem o domínio).

Nos escritos do Novo Testamento, Jesus confirma a santidade das núpcias. Insistiu sobre a unidade e a indissolubilidade do casamento; cf. Mc 10,2-12. Além do que, elevou o matrimônio, já instituído e abençoado pelo Criador, à dignidade de sacramento, como ensina São Paulo em Ef 5,22-32.

A índole sagrada do contrato matrimonial foi reconhecida pelas subseqüentes gerações de cristãos. Por isto a Igreja passou a legislar a respeito dos impedimentos e de outros aspectos do casamento. Verdade é que na Idade Média os teólogos muito discutiram sobre tal ou tal ponto da teologia do matrimônio, mas nunca puseram em questão o valor sacramental do contrato matrimonial.

No século XV e ainda no século XVI, a Igreja e o Estado assim se comportavam diante do matrimônio.

A Igreja estipulava as condições do vínculo matrimonial. Só a Ela competia legislar a respeito, declarar a validade ou a nulidade de algum casamento, reconhecer ou não o título de esposo ou esposa, afirmar a qualidade de filho legítimo, propiciar novo casamento desde que se comprovasse a nulidade do anterior (…). O Estado só tinha autoridade sobre os efeitos, pecuniários ou civis, decorrentes do casamento: cabia-lhe cuidar dos direitos dos pais sobre os filhos; dirimir questões de partilha de bens, herança, parentesco civil, etc …

Eis, porém, que no século XVI os reformadores protestantes, fazendo eco pleno a vozes isoladas no século XV começaram a se opor à clássica visão religiosa do matrimônio.

1.2. Nos séculos XVI/XVIII

Martinho Lutero (+ 1546) em 1517 lançou a sua primeira interpelação contra a Igreja Católica. No tocante ao matrimônio, em 1519 ainda ensinava a tradicional doutrina no seu “Sermão sobre o estado conjugal”. Todavia em 1520 no livro “De Captivitate Babyloniae”  passou a combatê-la frontalmente: negou a índole sacramental do casamento, que ele passou a considerar como  negócio civil, ein weltlich Geschäft, ein weltlich Ding; tais expressões recorrem freqüentemente sob a pena do Reformador. Implicam que a regulamentação e a jurisdição em matéria matrimonial tocam exclusivamente ao Estado civil, não à Igreja.

Mais explicitamente, tal é o pensamento de Lutero: o casamento é necessidade imposta pela natureza, necessidade física (cf. À nobreza cristã,  1520; Sermão sobre o casamento,  1522). Por conseguinte é preciso reconhecer, sem hesitação, que o matrimônio é indispensável a todo ser humano e que o voto de castidade é contrário à natureza. Acontece, porém, que o estado conjugal, embora necessário e digno de honra, leva ao pecado, pois o ato conjugal é da mesma índole que o ato de fornicação, de tal modo que somente por misericórdia Deus o perdoa (cf. A respeito dos votos monásticos, 1521). Esta doutrina de Lutero decorre de inexato conceito de concupiscência: para o Reformador, a concupiscência, isto é, o desejo sexual (como tal) é pecado; ora é precisamente a concupiscência que leva o indivíduo ao ato conjugal. Em síntese, Lutero considera o estado conjugal com severidade tal que, apesar dos elogios, o tem na conta de estado quase pecaminoso; doutro lado, porém, o voto leva a sua doutrina a um impasse.

Ainda segundo Lutero: se o ato conjugal é uma necessidade física, seria contrário à natureza afirmar a estabilidade do vínculo conjugal entre esposos que não podem satisfazer mutuamente aos desejos carnais. Por conseguinte, o matrimônio há de ser rescindível em grande número de casos.

Quanto à monogamia, Lutero a solapou. Com efeito, o langrave Filipe de Hesse, que muito favorecia Lutero em sua obra revolucionária, alegava ao Reformador que a sua esposa legítima lhe inspirava repulsa e que o temperamento de Filipe não lhe permitia a abstinência sexual: em conseqüência, pedia ao ex-frade que lhe fosse permitido – à semelhança de Abraão, Jacó, Davi e Salomão – esposar outra mulher. A solicitação deixou Lutero e seus teólogos embaraçados; depois de muito meditar sobre o doloroso caso, Lutero respondeu ao príncipe o seguinte: a poligamia é herança do A. T., que o N. T. condena; por conseguinte, o princípio da poligamia deve ser afastado; todavia Filipe era autorizado a esposar o objeto de seus desejos, “para a salvação do seu corpo e da sua alma, assim como para a glória de Deus”! Observasse, porém, a condição de “proceder secretamente”! O novo casamento, também dito “matrimônio turco”, foi celebrado pelo pregador protestante da corte de Hesse, mas o segredo não foi observado! Vários protestantes de vida reta mostraram-se indignados; Joaquim de Brandeburgo e João da Saxônia não mais quiseram ver o bígamo Filipe. Desgastado então pelas críticas à sua excessiva indulgência, Lutero respondeu: “A mentira torna-se verdade quando aplicada contra a fúria do diabo, para a vantagem do próximo”.

João Calvino (+ 1564) também recusou a índole sacramental do contrato conjugal, embora tenha estimado o matrimônio e combatido o celibato. Condenou a poligamia e explicou o caso dos patriarcas como sendo uma concessão do Senhor Deus à avidez dos mesmos.Entre os canonistas da Reforma protestante, distingue-se Basílio Monner (+ 1566), autor da obra De matrimonio  (1561). Para este autor, o matrimônio tem função muito elevada, mas não é sacramento; não confere a graça; é res plane politica, coisa meramente civil; Deus o instituiu, como também instituiu as magistraturas. Disto se segue que as causas matrimoniais não estão sujeitas ao foro eclesiástico e que o Papa não tem o direito de regulamentar o casamento ou conceder dispensas matrimoniais.

A posição dos Reformadores no século XVI deu margem a que se fosse formando na mente dos estudiosos o conceito de matrimônio meramente civil. Este conceito haveria de amadurecer entre os juristas chamados “regalistas”¹ e os filósofos que antecederam a Revolução Francesa de 1789. Todos estes pensadores partiram da tese de que o matrimônio é, antes do mais (se não exclusivamente), um contrato civil. Por isto deve estar sujeito à regulamentação e à jurisdição do Estado. O Senhor Jesus, ao elevar o contrato civil à dignidade de sacramento, não alterou a natureza desse contrato civil, mas acrescentou-lhe algo de acessório e secundário; o contrato civil do matrimônio ficou tal como antes, sujeito, portanto, às leis civis. Os poderes atribuídos por Jesus Cristo à sua Igreja seriam de ordem meramente espiritual; por conseguinte, não se estenderiam nem indiretamente às coisas temporais, como são por exemplo os contratos.

Os regalistas, que propunham suas teses galicanas, faziam profissão de fé católica (à diferença dos autores da Revolução Francesa). Sustentavam suas posições, embora o Concílio de Trento tivesse afirmado o direito, na Igreja Católica, de legislar sobre o matrimônio. Alegavam, para tanto, que as normas do Concílio de Trento não tinham sido aplicadas pelos reis da França ou faziam a exegese sutil das palavras “Igreja”, “matrimônio”.

Os filósofos racionalistas (Montaigne, Diderot, Mostesquieu, Pufendorf…) foram menos cautelosos do que os juristas ao atacarem a clássica matrimonial da Igreja; recorreram mesmo à sátira.

Todavia a clássica praxe ou a ordem de coisas vigente não foi oficialmente alterada até o fim do século XVIII, embora o poder civil, sob pretexto de interpretar os cânones da Igreja ou favorecer o interesse dos fiéis, se fosse mais e mais ingerindo na praxe matrimonial. Essa ingerência do Estado era justificada perante a Igreja como se fosse destinada apenas a regrar os efeitos civis do casamento; o poder secular professava teoricamente o respeito ao sacramento do matrimônio e aos direitos da Igreja nesse particular.

Revista: “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”
D. Estevão Bettencourt, osb
Nº 258 – Ano 1981 – Pág. 320

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.