Projeto Esperança ajudará mulheres com síndrome pós-aborto no Brasil

RIO DE JANEIRO, 27 Abr. 10 / 07:52 pm (ACI) Entre os dias 22 a 25 de abril foi realizado, no Centro de Estudos do Sumaré, na Arquidiocese do Rio de Janeiro um curso para apresentar o “Projeto Esperança”, que iniciou-se no Chile há dez anos. Nesses quatro dias foi feita a capacitação para o acompanhamento de pessoas que passaram pela experiência de um aborto provocado e que estão sofrendo os sintomas da chamada síndrome pós-aborto.

A ideia de apresentar esse projeto no Brasil foi do Bispo Auxiliar da Arquidiocese do Rio Dom Antonio Augusto. Participaram representantes de várias Dioceses do Regional Leste 1 e da Diocese de Juiz de Fora (MG).

Segundo a nota de imprensa aparecida no web site da arquidiocese carioca, esse projeto no Chile é realizado por um grupo de profissionais leigos e agentes de pastorais que viram a necessidade de dar  resposta e acolhida às mulheres que procuram ajuda depois de um aborto. As monitoras do curso no Chile, Urike Baader e Maria Elena Krestchmer estiveram no Rio para explicar o projeto.

Elas realizaram uma parte do Programa, que foi presencial, com acompanhamento pastoral, a realização do apostolado e o apoio para acompanhantes. A primeira parte tinha sido brevemente feita, através da  internet com o tema “Pessoa, Família e Cultura da Vida”.

Baader explicou que a idéia de criar esse projeto surgiu “quando muitas mulheres telefonavam pedindo ajuda para o programa chileno Pró-Vida, pois estavam em situação de aborto e sofriam seqüelas desse ato”.  Ela, junto com Maria Elena Krestchmer montou um grupo para dar assistência a essas mulheres. Começaram a investigar e descobriram, nos Estados Unidos, um programa. Em seguida, o adequaram à realidade chilena e começaram a atender pessoas que estão nessa situação. Agora o programa também vai ser realizado no Brasil.

Maria Elena disse que a mulher chega ao Projeto com a seqüela do aborto e, então, “é trabalhado o seu luto”. O que ela sofre é a síndrome pós- aborto”, afirmou.
Krestchmer acrescentou que só depois que “a mulher reconhece tudo que a influenciou para cometer o aborto é que começa um acompanhamento para liberar sua dor, seu luto e sua raiva. A atenção principal do projeto é com a pessoa humana e o objetivo do Programa é passar o valor da vida desde o momento da concepção”, declarou.

“A pessoa, quando procura o Programa, sabe que o Senhor estará no seu caminho. Nós rezamos a cada encontro. É um trabalho pessoal e espiritual”, disse Maria Elena Krestchmer.

A implementação do Projeto Esperança se dará nas Arquidioceses do Leste 1 que enviaram representantes ao curso.

Para mais informação: bispoauxiliar@arquidiocese.org.br

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.