Programa Escola da Fé: 24/02/2011 (Parte 2)

CURIOSIDADES SOBRE OS PAPAS

Primeiro papa mártir e
primeiro que a Igreja reconheceu como santo: apóstolo Pedro (+ c.64).

Primeiro de onze papas
gregos: Evaristo (c. 100-109). O último dos papas gregos: Zacarias (741-752).

Primeiro papa a atuar como
único bispo de Roma: Pio I (c. 142 – c. 155). (Antes de Pio I, a forma de
governo na Igreja romana era colegial, não monoepiscopal).

Primeiro de seis papas
sírios: Aniceto (c. 155- c. 166). O último dos papas sírios: Gregório III
(731-741).

Primeiro de dois, talvez
três, papas africanos: Vítor I (189-198); o terceiro (ou segundo) foi Gelásio I
(492-496). (Melquíades, 311-314, talvez fosse africano). Vítor I foi também o
primeiro papa a fazer valer sua autoridade além de sua diocese, ao exigir que
determinadas igrejas seguissem a prática romana de celebrar a Páscoa no domingo
depois da Páscoa judaica, em vez de no dia 14 de Nisan.

Primeiro papa a abdicar
(depois de preso e deportado): Ponciano (230-235). Último papa a abdicar, ou
renunciar, não foi Celestino V (1294), mas Gregório XII, em 1415. Outros papas
que abdicaram, ou renunciaram, incluem Silvério em 537, João XVIII em 1009, e Bento
IX em 1045 (reintegrado em 1047).

Primeiro papa a usar como
residência papal o Palácio de Latrão (que lhe foi dado pelo imperador
Constantino): Melquíades (311-314).

Primeiro papa não incluído
entre os santos (sob pressão imperial, havia aprovado a excomunhão de S.
Atanásio durante a controvérsia ariana): Libério (352-366).

Primeiro papa a publicar
decretais no estilo de editos imperiais: Sirício (384-399).

Primeiro (e único) papa a
suceder ao pai como papa: Inocêncio I (401-417). Seu pai foi Anastácio I
(399-401). Ambos foram reconhecidos como santos. (Hormisdas [514-523]) também
teve um filho que se tornou papa, mas não como seu sucessor imediato: Silvério
[536-537]. Ambos são reverenciados como santos.)

Primeiro de dois papas a ser
chamado “Magno” e também o primeiro papa a reivindicar com eficiência
jurisdição sobre a Igreja universal, do Oriente e do Ocidente: Leão I
(440-461). O outro papa chamado “Magno” foi Gregório I (590-604).

Primeiro papa a ser chamado
vigário de Cristo: Gelásio I (492-496).

Primeiro papa a conceder o
pálio (símbolo da autoridade pastoral) a um bispo fora da Itália: Símaco (498-514).

Primeiro papa a sair da
Itália para ir ao Oriente (Constantinopla): João I (523-526).

Primeiro papa de origem
germânica (embora nascido em Roma): Bonifácio II (530-532). Mais tarde haveria
cinco papas naturais da Alemanha, sendo o primeiro Gregório V (996-999) e o
último, Vítor II (1055-1057).

Primeiro papa a adotar um
nome diferente ao ser eleito papa (seu nome original era o de um deus pagão,
Mercúrio): João II (533-535). O último papa a adotar o próprio nome foi Marcelo
II (1555).

Primeiro papa a ser
excomungado (por um sínodo de bispos africanos, devido a sua indecisão quanto
ao ensinamento do Concílio de Calcedônia [451]): Vigílio (537-555).

Primeiro papa a ser
consagrado com a aprovação do imperador bizantino (exigida para validade,
depois da conquista bizantina da Itália): Pelágio I (556-561). (Pelágio I foi
também o primeiro e único papa a ser nomeado papa por ação imperial, sem
eleição prévia). Gregório III (731-741) foi o último papa a buscar aprovação
imperial para sua consagração.

Primeiro papa (entre vários)
a ter sido monge: Gregório Magno (590-604).

Primeiro (e único) papa a
ser excomungado por um concílio ecumênico (o Terceiro Concílio de
Constantinopla em 680, por sua adesão involuntária à heresia do monotelismo):
Honório I (625-638).

Último papa a ser
reconhecido como mártir: Martinho I (649-654).

Primeiro (e único) papa a
ratificar a condenação de um antecessor (Honório I [625-638] por um concílio
ecumênico (Constantinopla III, em 680): Leão II (682-683).

Primeiro papa eleito cujo
nome não consta da lista oficial de papas, porque morreu antes de ser
consagrado bispo de Roma: Estevão II (752).

Primeiro papa a governar os
Estados pontifícios: Estevão II (III) (752-757).

Primeiro papa a suceder ao
irmão (Estevão II [III]): Paulo I (757-767). O outro foi João XIX (1024-1032),
irmão mais novo de Bento VIII (1012-1024).

Primeiro papa assassinado: João
VIII (872-882). Outros papas que morreram assassinados: talvez Adriano III
(884-885), Estevão VI [VII] (896-897), Leão V (903), João X (914-928), talvez Sérgio
IV (1009-1012), Bento VI (973-974), e talvez Urbano VI (1378-1389). Dois outros
papas morreram depois de receber tratamento brutal na prisão: Estevão VIII [IX]
939-942) e João XIV (983-984).

Primeiro (e único) papa a
prestar obediência a um imperador ocidental: Leão III (795-816).

Primeiro papa a ungir um
imperador: Estevão IV (V) (816-817).

Primeiro bispo de outra
diocese a ser eleito bispo de Roma e, portanto, papa – infringindo o cânon 15
do Primeiro Concílio de Nicéia (352): Marino I (882-884).

Primeiro (e único) papa cujo
corpo foi exumado e julgado (o “Sínodo do Cadáver”) por um de seus
sucessores (Estevão VI [VII]) sob a alegação de diversas ofensas, inclusive Ter
aceito a eleição para bispo de Roma, quando já era bispo de outra diocese: Folrmolso
(891-896).

Primeiro (e único) papa
eleito depois de ter sido despojado do subdiaconato e do sacerdócio por
imoralidade: Bonifácio VI (896). (Morreu quinze dias após a eleição que, em
primeiro lugar, foi duvidosa).

Primeiro papa a ser deposto
sem ser por iniciativa imperial: Estevão VI (VII) (896-897), o papa que
presidiu o chamado Sínodo do Cadáver, que julgou o falecido papa Formoso
culpado de diversas ofensas. Primeiro papa a ser deposto por um sínodo romano
(e depois reintegrado) foi João XII (963 e 964, respectivamente).

Primeiro (e único) papa que
ordenou o assassinato do antecessor (Leão V): Sérgio III (904-911).

Primeiro (e único) filho
ilegítimo de um papa a também ser eleito papa: João XI (931-935-936). Seu pai
foi Sérgio III (904-911).

Primeiro (e único) papa eleito
ainda adolescente: João XII (955-964), eleito aos 18 anos. Foi também o segundo
papa a mudar o nome (Otaviano) ao ser eleito.

Primeiro leigo eleito papa
(embora a legitimidade de sua eleição tenha sido assunto debate canônico): Leão
VIII (963-965. Três leigos (cujas eleições não foram duvidosas) foram eleitos
papa sucessivamente no século seguinte: Bento VIII (1012-1024), João XIX
(1024-1032) e Bento IX (1032-1044; 1045; 1047-1048).

Primeiro de dois papas
eleitos que se chamavam Pedro e, por respeito ao santo apóstolo, mudaram o nome
papal: João XIV (983-984). O outro foi Sérgio IV (1009-1012).

Primeiro papa a canonizar
formalmente um santo (Ulrico de Augsburgo, em 993): João XV (985-996).

Primeiro de cinco papas
alemães: Gregório V (996-999). O último papa alemão foi Vítor II (1055-1057).

Primeiro de dezesseis papas
franceses: Silvestre II (999-1003). O último dos papas franceses foi Gregório
XI (1371-1378).

Apenas cinco dos 123 papas
do segundo milênio foram canonizados. O primeiro foi Leão IX (1049-1054) e o
último, Pio X (1903-1914). Os outros três foram: Gregório VII (1073-1085), Celestino
V (1294) e Pio V (1566-1572).

Primeiro (e único) papa que
serviu em três períodos distintos: Bento IX (1032-1044; 1045; 1047-1048).

Primeiro papa claramente
legítimo a conservar a diocese anterior, como bispo de Roma: Clemente II
(1046-1047), que conservou a diocese de Bamberg. Os três papas alemães que o
sucederam fizeram o mesmo: Câmaso II (1048) reteve a sé de Brixen; Leão IX
(1049-1054) reteve a sé de Toul; e Víto II (1055-1057) reteve a sé de
Eichstätt. Assim também Nicolau II (1058-1061) continuou bispo de Florença. Estevão
IX [X] (1057-1058) continuou abade de Monte Cassino depois de eleito papa. Urbano
III (1185-1187) reteve a arquidiocese de Milão para impedir que as rendas
passassem para os cofres imperiais, e Bento XIII (1724-1730) reteve a diocese
de Benevento, tendo sido o último papa a ter duas dioceses simultaneamente –
prática condenada, conhecido como pluralismo. (Silvestre III reteve a diocese
de Sabina, em 1045, mas pode ter sido antipapa).

Primeiro papa a restringir a
eleição papal ao Colégio de Cardeais: Nicolau II, em 1059. Em 1179, no Terceiro
Concílio de Latrão, Alexandre III decretou que era necessária a maioria de dois
terços para a eleição. (Em 1945, Pio XII alterou para dois terços mais um. Em
1996, João Paulo II voltou essa regra para dois terços e também decretou que só
a maioria absoluta é necessária depois de 33 sufrágios inconclusivos). Gregório
X (1272-1276) decretou que a eleição papal deve se realizar dentro de dez dias
após a morte do papa, na cidade onde ele morreu e sem que os cardeais-eleitores
tenham contato com o mundo exterior. Gregório XV (1621-1623) decretou que tais
eleições devem se realizar por sufrágio secreto.

Primeiro papa a reivindicar
autoridade temporal além da espiritual, sobre todo o mundo cristão, e também
primeiro papa a exigir que os arcebispos metropolitanos fossem a Roma para
receber o pálio: Gregório VII (1073-1085). Inocêncio III (1198-1216) foi o
primeiro papa a proclamar essa autoridade sobre o mundo todo.

Primeiro papa a ser
beatificado sem se canonizado subseqüentemente: Vítor III (1086-1987). O último
até agora foi Inocêncio XI (1676-1689).

Papa que fundou a Cúria
Romana (1089) e primeiro papa a formar uma cruzada para libertar Jerusalém dos
muçulmanos: Urbano II (1088-1099).

Primeiro papa cisterciense: Eugênio
III (1145-1153).

Primeiro (e único) papa
inglês: Adriano IV (1154-1159).

Primeiro de muitos papas que
eram advogados: Alexandre III (1159-1181).

Primeiro papa a estabelecer
procedimentos para a Inquisição proceder à supressão e ao castigo de hereges: Lúcio
III (1181-1185). Gregório IX (1227-1241) estabeleceu a Inquisição papal sob a
direção dos dominicanos, e Paulo III (1534-1549) estabeleceu a Congregação da
Inquisição Romana (Santo Ofício).

 Primeiro papa a ser eleito por um conclave
formado por menos de dez cardeais: Celestino IV (1241). (Em 1261, quando Urbano
IV foi eleito, restavam apenas oito cardeais no colégio).

Primeiro papa dominicano e
primeiro papa a adotar a batina branca (O HÁBITO DOMINICANO) como indumentária
papal usual: Inocêncio V (1276). O costume da batina papal branca foi adotado
definitivamente depois do pontificado de outro dominicano, S. Pio V
(1566-1576). (Quando foi eleito papa, em 1362, Urbano V conservou o hábito
preto beneditino).

Primeiro (e único) papa
português e único médico papa: João XXI (1276-1277).

Primeiro papa a residir no
Palácio do Vaticano: Nicolau III (1277-1280).

Primeiro papa franciscano:
Nicolau IV (1288-1292).

Primeiro (e único) ermita
eleito papa: Celestino V (1294)

Primeiro papa a proclamar um
Ano Santo (1300): Bonifácio VIII (1295-1303).

Primeiro dos papas de
Avignon: Clemente V (1305-1314). O último foi Gregório XI (1371-1378).

Último papa eleito sem ser cardeal:
Urbano VI (1378-1389).

Primeiro papa renascentista:
Nicolau V (1447-1455).

Primeiro de dois papas
espanhóis: Calisto III (1455-1458). O segundo foi o infame Alexandre VI
(1492-1503).

O papa que construiu a
capela Sistina e criou os arquivos do Vaticano: Sisto IV (1471-1484).

Primeiro papa a encomendar
projetos para a reconstrução da Basílica de São Pedro : Júlio II (1503-1513).

Primeiro papa da Reforma,
que excomungou Martinho Lutero em 1521: Leão X (1513-1521).

Primeiro (e único) holandês
eleito papa e último papa não-italiano antes de João Paulo II, em 1978: Adriano
VI (1522-1523).

Último papa a manter o nome
de batismo depois de eleito: Marcelo II (1555).

Papa que criou o Índex de
Livros Proibidos, em 1557: Paulo IV (1555-1559).

Papa que transformou o
calendário juliano no calendário gregoriano: Gregório XIII (1572-1585).

Papa que consagrou a nova
Basílica de São Pedro e o primeiro a usar o Castel Gandolfo como residência de
verão: Urbano VIII (1623-1644).

Primeiro (e único) papa a
suprimir uma importante ordem religiosa, a Companhia de Jesus, em 1773: Clemente
XIV (1769-1774). (Os jesuítas foram reintegrados, em 1814, por Pio VII).

Primeiro (e único) monge
camaldulense eleito papa e o último papa eleito que ainda não era bispo: Gregório
XVI (1831-1846).

Primeiro papa a tentar
reconciliar a Igreja com a cultura moderna: Leão XIII (1878-1903).

Primeiro papa a usar o rádio
para uma comunicação pastoral: Pio XI (1922-1939).

Primeiro papa a usar a
televisão como meio de comunicação pastoral: Pio XII (1939-1958).

Primeiro papa a viajar de
avião e visitar países distantes milhares de quilômetros de Roma: Paulo VI
(1963-1978).

Primeiro papa a adotar nome
duplo e, em mais de mil anos, abrir mão do rito da coroação: João Paulo I
(1978).

Primeiro papa eslavo (polonês)
e primeiro não-italiano desde Adriano VI (1522-1523): João Paulo II (1978-).

 

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.