Programa Escola da Fé – 18/09/14

Escola-da-féNa última quinta-feira (18/09/14), o Prof. Felipe Aquino recebeu em seu Programa Escola da Fé, na TV Canção Nova, o Cardeal Dom Odilo Scherer. Durante a entrevista, conversaram sobre o Sínodo sobre a Família, que acontecerá em outubro deste ano.

Abaixo seguem algumas informações que podem completar o conteúdo exposto na entrevista. Confira.

“Instrumento de trabalho” – do Sínodo extraordinário dos bispos em outubro

O último Sínodo sobre a Família foi em 1981 com o Papa João Paulo II que nos deixou a Exortação Apostólica “Familiaris Consortio”, de 22 de novembro de 1981.

Agora teremos um novo Sínodo sobre a família, com o papa Francisco.

“Synodus, que significa ‘caminhar juntos’, é a expressão que indica o lugar eclesial no qual nos encontramos para refletir – na dupla fidelidade a Deus e ao homem – diante dos desafios da família de hoje”.

O Sínodo de outubro próximo, de 5 a 19, terá como componentes 253 representantes dos cinco continentes, divididos em 114 presidentes de Conferências episcopais, 13 chefes de Igrejas católicas orientais sui iuris, 25 chefes de dicastério da Cúria romana, 9 membros do Conselho ordinário de secretaria, o secretário-geral, o subsecretário, 3 religiosos eleitos pela União dos Superiores Gerais, 26 membros de nomeação pontifícia. Haverá 8 delegados fraternos, 38 auditores, dos quais 13 casais e 16 peritos.

O Cardeal Baldisseri, que é o Secretário Geral do Sínodo, disse que:  “Na dinâmica de renovação da Igreja desejada pelo Papa Francisco, a atualização da instituição sinodal realiza-se principalmente no seu processo preparatório e na realização das próprias assembleias”.

“O critério de renovação consiste em pintar primeiro o quadro e depois pôr-lhe a moldura. As normas em vigor são o trilho que o comboio da renovação percorre. Indo em frente dar-se-ão os passos necessários para emendar normas ou eventualmente realizar uma verdadeira reforma do organismo sinodal”, disse.

Por último, o Cardeal assinalou que o itinerário do próximo Sínodo se articulará em duas etapas: a assembleia geral extraordinária de 2014 e a assembleia geral ordinária de 2015.

“Aplicar-se-á uma nova metodologia interna dos trabalhos, que tornará a realização mais dinâmica e participativa, com intervenções e testemunhos, cujo percurso terá presente a continuidade rumo à segunda etapa, depois da qual será publicado o documento sinodal”, concluiu.

O Secretário Geral  afirma que a Igreja vai propor ao mundo de hoje a beleza e o valor da família, na III Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos que será celebrada de 5 a 19 de outubro de 2014 no Vaticano. O texto básico de trabalho enumera três pontos mais importantes com o tema “Os desafios pastorais da família, no contexto da evangelização”.

1 – A primeira parte – “Comunicar o Evangelho da família hoje” – reitera antes de tudo o “dado bíblico” da família, baseada no matrimônio entre homem e mulher, criados à imagem e semelhança de Deus e colaboradores do Senhor no acolhimento e transmissão da vida.

Uma reflexão específica é dedicada à dificuldade de compreender o significado e o valor da “lei natural”, colocada na base da dimensão esponsal entre o homem e a mulher. Para muitos, “natural” é sinônimo de “espontâneo”, o que comporta que os direitos humanos são entendidos como a autodeterminação do sujeito individual que tende à realização dos próprios desejos.

2 – A segunda parte do Instrumento de Trabalho – “A pastoral da família diante dos novos desafios” – chega ao coração dos desafios pastorais de hoje.

São muitas as situações críticas que a família deve enfrentar hoje: fraqueza da figura paterna, fragmentação devida a divórcios e separações, violências e abusos contra as mulheres e crianças (“um dado realmente muito preocupante que interroga toda a sociedade e a pastoral familiar da Igreja”), tráfico de menores, drogas, alcoolismo, dependência do jogo e também a dependência das redes sociais, que impede o diálogo em família e rouba o tempo livre para as relações interpessoais.

O documento sinodal destaca também o impacto do trabalho sobre a vida familiar: horários extenuantes, insegurança no emprego, flexibilidade que envolve longos trajetos, ausência do repouso dominical dificultam a possibilidade de estar juntos, em família.

O documento dedica também uma grande parte às “situações de irregularidade canônica”, porque as respostas recebidas estão sobretudo focalizadas nos divorciados e casados novamente. Em geral, põe-se em destaque o número consistente daqueles que vivem com “negligência” de tal condição e não pedem, portanto, para se aproximarem da Eucaristia e da reconciliação.

Em certos casos, algumas Conferências episcopais pedem novos instrumentos para abrir a possibilidade de exercer “misericórdia, clemência e indulgência” para com as novas uniões.

O Instrumentum mostra que, para as situações difíceis que a Igreja não deve assumir uma atitude de juiz que condena, mas a de uma mãe que sempre acolhe os seus filhos, sublinhando que “não aceder aos sacramentos não significa ser excluído da vida cristã e da relação com Deus”.

3 – A terceira parte do documento – “A abertura à vida e à responsabilidade educativa” – faz notar antes de mais que é pouco conhecida na sua dimensão positiva a doutrina da Igreja sobre a abertura à vida da parte dos esposos, pelo que é considerada como uma ingerência na vida do casal e uma limitação à autonomia da consciência. Daqui a confusão que se cria entre os contraceptivos e os métodos naturais de regulação da fertilidade.

O “Instrumento de trabalho” para a preparação e o debate da assembleia sinodal de outubro próximo se conclui com a Oração à Sagrada Família, escrita pelo Papa e por ele mesmo recitada por ocasião do Angelus de 29 de dezembro passado, festa da Santa Família de Nazaré.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.