Porta-voz vaticano denuncia lei da blasfêmia no Paquistão

Seja para muçulmanos ou cristãos, afirma padre Lombardi

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 7 de março de 2011 (ZENIT.org) – Muçulmanos e cristãos estão sendo assassinados “pelo mesmo motivo” no Paquistão: opor-se à lei da blasfêmia, denuncia o porta-voz da Santa Sé.

O padre Federico Lombardi, S.J., diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, qualifica essa lei justamente de “blasfêmia, porque no nome de Deus é causa de injustiça e morte”.

No editorial da edição desta semana de Octava Dies, semanário do Centro Televisivo Vaticano, o porta-voz recorda as mortes do muçulmano Salman Tasser, governador de Punjab; e do católico Shahbaz Bhatti, ministro para as minorias.

“Ambos sabiam bem que arriscavam a vida, porque tinham sido explicitamente ameaçados de morte. E, no entanto, não renunciaram a sua luta pela liberdade religiosa, contra o fanatismo violento, e pagaram o preço mais alto, com seu próprio sangue”, escreve o padre Lombardi.

“Enquanto esses dois assassinatos nos enchem de horror e angústia pela sorte dos cristãos no Paquistão, ao mesmo tempo, paradoxalmente, inspiram-nos esperança, porque unem um muçulmano e um cristão no sangue derramado pela mesma causa.”

“Na memória de Tasser e Bhatti, na comovida gratidão pelo modo como viveram e morreram, os verdadeiros adoradores de Deus continuarão a luta – se necessário até a morte – pela liberdade religiosa, a justiça e a paz”, escreve.

As normas sobre a blasfêmia foram introduzidas no Paquistão entre 1980 e 1986, para garantir o respeito à religião muçulmana.

Segundo dados publicados pela Comissão de Justiça e Paz da Conferência episcopal paquistanesa, de 1986 a 2009, 964 pessoas foram presas por ter profanado o Alcorão e Maomé. Destas, 479 são muçulmanos; 119, cristãos; 340, ahmadi; 14, hindus e 10 de outras religiões.

A lei da blasfêmia – que prevê a pena de morte para qualquer um que insultar o Islã ou o profeta Maomé – frequentemente é utilizada para perseguir minorias religiosas.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.