Por que o uso da vela?

tumblr_m5gyveOcph1rqg4p2o1_500_largeA luz, especialmente da vela, é um símbolo usado em praticamente todas as religiões e sempre foi ligada à divindade. Acender velas é uma maneira de chegar mais perto do divino.

No início da Criação Deus criou em primeiro lugar a luz, “fiat lux” (faça-se a luz) (Gn 1, 1-3). A Bíblia é cheia de passagens indicando que Deus é como Luz : “O Senhor é a minha luz e a minha salvação” (Sl 26,1). Jesus diz: “Eu Sou a Luz do mundo” (João 8,12; 12,35). O Batismo era chamado de “iluminação” porque o batizando recebia a luz de Cristo. Para o cristão é preciso caminhar “como filho da luz”.

Para a Igreja a luz sempre foi o símbolo da vida, da ressurreição de Cristo e da nossa ressurreição, símbolo da fé, da vida, da esperança, do amor. Nós precisamos de símbolos para nos expressar. O termo “velar”, que vem de vela, significa cuidar, tomar conta. Então, uma vela acessa ao céu é um pedido também de proteção. “Porque o Senhor vela pelo caminho dos justos… (Sl 1, 6). “O Senhor vela pela vida dos íntegros, e a herança deles será eterna” (Sl 36, 18).

São Pedro Julião Eymard, quando falava do sentido vela acessa sobre o altar, explicava que o fogo representa a luz da fé, simboliza o amor; “o fogo que arde e consome diante de Deus é o sinal de nossa adoração respeitosa e contínua e a homenagem perpétua de nosso serviço”.

Quando nos reunimos na igreja ou em casa para rezar, começamos por acender as velas, para significar a fé daqueles que rezam, para significar a presença de Deus em nossa vida e, sobretudo a presença de Deus naquela oração.

Na noite do Sábado Santo, o celebrante acende aquela o Círio Pascal, ele significa a Cristo ressuscitado, vencedor do pecado e da morte, e sua presença entre nós.

Leia também: Sábado Santo

Por que os católicos têm o costume de acender velas?

A Liturgia da Semana Santa

Por que acendemos velas?

Quando se batiza uma criança, para significar que o Batismo comunica a vida da fé, e para significar também a presença de Deus na alma da criança, acende-se uma vela. Essa vela do Batismo é acesa no Círio Pascal, mostrando que a vida de fé da criança é a mesma nova vida de Cristo em sua Ressurreição.

Enfim, nas celebrações religiosas as velas acesas significam a expressão da vida de fé daqueles que rezam e a presença de Deus entre nós.

A vela votiva significa um voto acesso, perene de consagração, de devoção, de confiança e de oração silenciosa.

Como os santos viveram em plenitude como Cristo, Luz do Mundo, então, acender velas para eles é uma forma de prestar-lhe honra e suplicar sua intercessão diante de Deus.

Era costume colocar uma vela benta acessa nas mãos da pessoa que estava morrendo, simbolizando a fé que aquela pessoa viveu no Cristo ressuscitado, suplicando a sua salvação.

Quando acendemos uma vela sobre a sepultura de alguém, isso significa que a pessoa ali sepultada tinha fé, vivia sua fé, irradiava luz com as boas obras que fazia. Significa esperança de vida eterna. A vela acesa sobre o túmulo de um cristão significa também presença de Deus. Portanto, é claro que seria um absurdo acender vela sobre o túmulo de um ateu ou de uma pessoa sem fé.

Acender uma vela só tem valor se a pessoa que a acende tem fé, se esforça para viver segundo a fé de Cristo e da Igreja e procura fazer a vontade de Deus.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.