Poder do Espírito Santo naqueles que o invocam (II)

Um forte impulso
evangelizador é um dos efeitos do Espírito Santo no cristão: é o que confirmam
a Zenit alguns responsáveis da «Renovação Carismática Católica» (RCC).

Para aprofundar a reflexão na experiência de um Pentecostes «pessoal» e de sua
repercussão na evangelização, como pediu João Paulo II nas vésperas da solenidade
de Pentecostes deste ano (30 de maio), ZENIT falou com alguns expoentes da RCC.

«Desde que recebi pela primeira vez a efusão do Espírito, depois de ter
resistido durante muito tempo à graça proposta, minha vida se transformou
totalmente», reconhece Cathy Brenti, vice-presidente dos «Serviços
Internacionais da Renovação Carismática Católica» (ICCRS), com sede na Cidade
do Vaticano, reconhecido pelo Conselho Pontifício para os Leigos.

Este Conselho internacional serve de comunicação e enlace para esta realidade
eclesial de cuja espiritualidade participam cerca de 120 milhões de católicos
de todo o mundo.

Membro –junto a seu marido Claude– da «Comunidade das Bem-aventuranças»,
Cathy Brenti –que participa ativamente em ambientes da RCC na França e no
mundo– admite: «O Espírito Santo em minha vida é um “sopro”, uma “respiração”
que não me abandona nunca desde há trinta anos»: «este sopro me fez seguir a
Cristo até dar-lhe toda minha vida», prossegue.

(Formada por leigos, consagrados e sacerdotes, e famílias, a «Comunidade das
Bem-aventuranças» (www.beatitudes.org)
está presente nos cinco continentes. Foi fundada em 1974 –por um antigo pastor
protestante francês convertido ao catolicismo, Ephraim Croassant, por sua
esposa, Josette, e por outro casal– na corrente da RCC. Trata-se de uma
comunidade de vida residencial contemplativa e missionária que vive o carisma
de Santa Teresa do Menino Jesus. Ndr).

«Comprometidos há vinte e seis anos em uma dessas novas comunidades, das quais
João Paulo II acaba de recordar que são “uma resposta providencial suscitada
pelo Espírito à necessidade atual de nova evangelização”, meu marido e eu
descobrimos constantemente que é o Espírito que nos anima, que o Espírito é toda
nossa vida», sublinha Cathy Brenti a Zenit.

«Não há nada “mágico” –adverte–, contudo, toda invocação, toda oração
dirigida com fervor ao Senhor Espírito Santo, espírito de conselho e de força,
encontra necessariamente eco em seu coração e uma resposta favorável, segundo
seus caminhos».

«Como tomar decisões para nossa vida sem fazer referência antes de tudo a este
tesouro da vida a este dispensador de dons? Como crescer em fervor sem a ajuda
do Espírito Santo? Os dons que nos oferece são inestimáveis e estamos atentos
para não sufocá-los, mas, pelo contrário, para honrá-los e vivê-los dia após
dia. “Envia teu Espírito, Senhor, e renovarás a face da terra!”», conclui.

«Recebereis a força do Espírito Santo, que virá sobre vós, e sereis meus
testemunhos», diz Jesus (Atos 1, 8): «O Batismo no Espírito experimentado na
Renovação Carismático representa este convite a ser missionário», reconhece por
sua parte Matteo Calisi, presidente da «Catholic Fraternity of Charismatic
Covenant Communities and fellowship» («Fraternidade Católica Internacional das
Comunidades e Associações Carismáticas de Aliança») – (www.catholicfraternity.net)–.

(Reconhecida pela Santa Sé, a «Fraternidade Católica» reúne mais de cinqüenta
comunidades históricas da RCC dos cinco continentes, tais como a «Comunidade
das Bem-aventuranças», a «Comunidade Emmanuel» de Paris ou a «Comunidade de
Jesus», em Bari. Ndr).

«Atualmente a Igreja precisa redescobrir esta renovada evangelização cheia da
“força do alto” como fruto de um “Pentecostes pessoal”», sublinha Calisi.

«Calcula-se que cerca de 120 milhões de católicos viveram uma “nova efusão do
Espírito Santo” –assegura a ZENIT–. Eles, portanto, têm a tarefa e o
privilégio de estar “revestidos de capacidade” para ser “enviados a
evangelizar” (.). Oremos ao Espírito para que nossa resposta seja afirmativa».

Calisi enfatiza que os dons do Espírito são «instrumentos para a
evangelização»: «sinais, milagres, prodígios e curas são o testemunho mais
forte e mais poderoso que o Espírito Santo faz à Palavra do Evangelho para a
conversão dos incrédulos».

«Através do ensino da Igreja primitiva, a Renovação Carismática aprendeu a
apreciar o uso dos carismas para evangelizar –sublinhar–. A Igreja de hoje
possui o mesmo poder de Jesus e da Igreja do Novo Testamento de pregar, curar e
expulsar demônios».

De fato, «a doutrina da Igreja e a experiência da Renovação Carismática em seus
mais de 30 anos de vida nos revelam um belo ensinamento: se os cristãos não
usam os dons e carismas do Espírito Santo, estes morrerão», alerta Matteo
Calisi.

«Por isso a Palavra de Deus (Cf. 1 Cor 12, 4-11; 14,1; Ef 4,11) vem em nossa
ajuda animando-nos a desejar honesta e humildemente os carismas para a
edificação da Igreja».

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.