Perita afirma que células-tronco embrionárias não dão resultados e matam seres humanos

ppcelulasmadre170513Segundo a publicação do site ACIDIGITAL, em 20 de maio de 2013, Teresa Garcia-Noblejas, rechaçou as investigações com células mães embrionárias, pois “não obtêm resultados terapêuticos e implicam a destruição de embriões humanos”.

A perita destacou que embora tenha se espalhado a notícia de uma suposta clonagem de células mãe embrionárias, por parte de um grupo de cientistas da Universidade de Oregon, na verdade, se as células mãe com supostos fins terapêuticos “se obtêm mediante clonagem humana, estamos ante uma grave vulneração da dignidade do ser humano, que em nenhum caso deve ser produzido em um laboratório nem muito menos utilizado”.

Ainda de acordo com a notícia, em um comunicado difundido em 16 de maio por Profissionais pela Ética se indicou que “independentemente da maneira de obtê-las, a realidade é que depois de mais de uma década investigando com células mãe embrionárias estas não obtiveram nenhum resultado terapêutico”.

“Pelo contrário, as células mãe adultas e as células iPS (células mãe pluripotentes induzidas) têm tido constantemente êxitos terapêuticos. Por esse motivo, no mundo só há 24 ensaios clínicos com células mãe embrionárias frente a 4.099 com células mãe adultas”.

Advertiu-se também que “independentemente do seu fim, a clonagem ou transferência nuclear aplicada a seres humanos está expressamente proibida pelo Protocolo Adicional ao Convênio Europeu sobre os Direitos Humanos e a Biomedicina, vigente e aplicável na Espanha”.

“Concretamente, se proíbe toda intervenção que tenha por finalidade criar um ser humano geneticamente idêntico a outro ser humano vivo ou morto”, assinalou a organização.

Sendo assim, a  Secretária Geral do PPE assegurou que “não tem nenhum sentido apostar por células mãe embrionárias. Não são rentáveis do ponto de vista eficiente, não obtêm resultados terapêuticos e implicam a destruição de embriões humanos convertidos em cobaias de laboratório para satisfazer a vaidade de alguns cientistas e obter recursos públicos de financiamento”.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=25430

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.