Pena de morte mata sete pessoas por dia

forcaO site Zenit.org publicou uma notícia na última quinta-feira (02/04/15) informando que, todos os dias, em todo o mundo, sete pessoas perdem a vida por causa da pena de morte, aponta um relatório da Anistia Internacional segundo a qual, em 2014, o carrasco agiu pelo menos 607 vezes. Em relação ao ano anterior, é uma queda de 22%, mas o número de sentenças à pena de morte aumentou 28% no mesmo ano.

A Anistia denuncia os países que no ano passado “recorreram à pena capital na tentativa fútil de impedir o crime, o terrorismo e a instabilidade interna”. Um exemplo é o Paquistão, que retomou as execuções após o ataque talibã contra uma escola em Peshawar e só em dezembro passado matou sete pessoas, além de anunciar outras centenas de execuções por crimes de “terrorismo”.

O fato de os países usarem a pena de morte para combater o terrorismo, na opinião de Salil Shetty, secretário geral da Anistia, é “realmente vergonhoso” e se baseia na “falsa teoria da dissuasão”. Países como Egito e Nigéria, explicou o representante da organização humanitária, sentenciaram condenações em massa em meio aos conflitos e à instabilidade política que caracterizou os dois países africanos ao longo de 2014.

Na China, os carrascos executaram mais pessoas do que em todo o resto do mundo somado. Não foi possível precisar o número de execuções por causa do segredo de Estado, mas a Anistia estima que as execuções no país sejam milhares todos os anos.

Seguem-se à China o Irã (289 execuções anunciadas pelas autoridades e pelo menos 454 não reconhecidas, mas estimadas pela Anistia), a Arábia Saudita (pelo menos 90 execuções), o Iraque (pelo menos 61) e os Estados Unidos (35). Na Europa, houve execuções apenas na Bielorrússia, onde, em 2014, o carrasco agiu pelo menos três vezes depois de uma pausa que durou 24 meses.

Decapitação, enforcamento, injeção letal e fuzilamento foram os métodos de execução utilizados em 2014.

A boa notícia, além da ligeira queda nas execuções em todo o mundo, é que vários países vêm dando passos para abolir a pena capital.

Fonte:http://www.zenit.org/pt/articles/pena-de-morte-mata-sete-pessoas-por-dia

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.