Pe. Lodi adverte: é a última chance que temos de impedir um desastre comparável a Roe versus Wade

Anápolis, 05 Abr. 12 / 03:46 pm (ACI) Chamando a atenção dos católicos para a importância da próxima votação do STF que poderia aprovar o aborto de crianças com anencefalia, o presidente da associação pró-vida e pró-família de Anápolis (GO), Pe. Luis Carlos Lodi da Cruz, ressaltou que protestar contra o aborto dos anencéfalos “é a última chance que temos de impedir um desastre comparável ao da decisão Roe versus Wade, que em 1973 declarou “legal” o aborto nos Estados Unidos, a revelia do Poder Legislativo”.

“Composto de onze ministros, nenhum deles eleito pelo povo, todos nomeados pelo Presidente da República, o STF deverá julgar no dia 11 de abril, quarta-feira de oitava da páscoa, a ADPF 54 (Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54)”, explica o Pe Lodi. 
“Conscientes de que seria quase impossível obter a legalização do aborto pelo Poder Legislativo, os defensores do aborto resolveram usar como “atalho fácil” (nas palavras de Ellen Gracie em 27/04/2005) o Supremo Tribunal Federal”, denunciou.

“A ação, que usa como testa de ferro a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde, pretende  que a Suprema Corte “reinterpretando” o Código Penal, declare que a “antecipação terapêutica de parto” (para não dizer “aborto”) de uma criança anencéfala não se enquadra nas condutas descritas para o crime de aborto”, esclareceu o sacerdote e líder pró-vida.

“O argumento usado nessa ação é o de que impedir a mãe de abortar seu bebê em tal caso seria violar a “dignidade humana” dela, seu direito à “liberdade” e seu direito à “saúde”. Preservar a vida do deficiente seria, na opinião dos que defendem a ADPF 54, descumprir todos esses preceitos fundamentais da Constituição: dignidade humana, liberdade, saúde. A criança (que nunca é chamada “criança”, mas “feto”) é sempre desqualificada: é um “monstro”, um “peso inútil”, sua mãe é um “caixão ambulante” etc”.

“Embora a anencefalia admita vários graus (de modo que é praticamente impossível uma definição exata da anomalia) e embora os anencéfalos reajam a estímulos nervosos, respirem com os próprios pulmões e tenham uma  sobrevida variável (de alguns minutos até um ano e oito meses, como no caso de Marcela de Jesus Ferreira), os defensores de tal aborto frequentemente mentem dizendo: que o bebê tem a vida de um vegetal, que não tem capacidade de sentir nem de ter consciência, e que sua sobrevida além de alguns minutos é totalmente impossível”.

O fato já foi desmentido pela realidade como mencionou o sacerdote de Anápolis. A menina Marcela de Jesus Ferreira viveu exatamente “um ano, oito meses e 12 dias”, afirma a matéria publicada pelo Jornal O Estado de São Paulo. E, recentemente o caso de outro bebê com anencefalia, a menina Vitória de Cristo, hoje com 2 anos de idade, supreende a ciência como noticiou recentemente Canção Nova Notícias.

“Em 27/04/2005, quatro Ministros perceberam a má-fé da ADPF 54 e resolveram não conhecê-la, mas foram vencidos: foram eles Ellen Gracie, Eros Grau, Cezar Peluso e Carlos Veloso. Desses, somente Cezar Peluso pertence atualmente ao Tribunal. Agora, no julgamento do mérito, os defensores do aborto precisam de seis votos”, recordou o Pe. Lodi.

“A situação é particularmente grave. Nunca o perigo abortista esteve tão próximo. Note-se: não é um anteprojeto de reforma do Código Penal (que nem sequer foi ainda encaminhado ao Congresso), não é um projeto de lei (que precisaria ser aprovado pela Câmara e pelo Senado e depois ser sancionado pelo Presidente da República). É uma ação judicial à espera de uma decisão que terá efeito vinculante, como se fosse uma lei, e sem qualquer possibilidade de recurso”.
“A nação brasileira corre o perigo iminente de sofrer um golpe via STF”, asseverou o padre.

“É por esse motivo que recomendamos a presença de todos os que puderem à Vigília pela Vida”.
“Repito: é a última chance que temos de impedir um desastre comparável ao da decisão Roe versus Wade, que em 1973 declarou “legal” o aborto nos Estados Unidos, a revelia do Poder Legislativo”.

“Coração Imaculado de Maria, livrai-nos da maldição do aborto”, conclui o pedido do Pe. Luiz Lodi da Cruz.

A Vigília de Oração em Defesa da Vida Nascente será Praça dos Três Poderes, em frente a STF, em Brasília no dia 10 de abril, a partir das 18h e será organizada pelo Movimento Pró-Vida e Família e Movimento Legislação e Vida.

Para mais informações sobre a Vigília e votação no Supremo visite o Blog do Padre Lodi em:
http://naomatar.blogspot.com.br/

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.