Paróquia, Comunidade de Comunidades

comunidade

“Cada pessoa do grupo, da comunidade, precisa sentir-se amada e querida pelo grupo, pela comunidade”

Na última reunião dos Bispos do Brasil, em Aparecida do Norte, em abril deste ano (2013), eles trataram do importante tema “ Paróquia, Comunidade de Comunidades”. A Igreja é uma comunidade (koinonia). Jesus fundou uma comunidade de Apóstolos, que foi o “pequeno rebanho” a quem Jesus confiou o Reino de Deus. “Não temas pequeno rebanho, foi do agrado do Pai dar-vos o Reino” (Lc 12,32).

A Igreja nasceu como comunidade, é o Corpo de Cristo,  onde todos tinham tudo em comum e “não havia entre eles necessitados”. Diante da imensidão da Igreja hoje, não é possível mais que os cristãos tenham tudo em comum como antes numa comunidade pequena; mas não pode haver entre nós necessitados. No entanto ainda há, e muitos. E é exatamente isso uma das razões que enfraquece a Igreja católica e faz com que ela perca muitos de seus filhos para outras comunidades não católicas, e até mesmo para seitas não cristãs.

Minha filha, que é médica endocrinologista, contou-me um caso muito interessante. Certa vez, chegou a seu consultório um homem bastante doente, levado em uma cadeira de rodas por dois irmãos de uma comunidade evangélica. Ela o examinou e constatou que o paciente estava com a saúde bastante comprometida e necessitava tomar uma medicação de custo elevado, mas que poderia ser obtida gratuitamente por meio de uma ação judicial. Ela orientou os que conduziam o paciente de como fazer. No dia seguinte o Pastor da comunidade evangélica telefonou para minha filha dizendo que já tinha conseguido, na comunidade, um advogado que iria cuidar de tudo. Este advogado esteve com minha filha e foi orientado. Assim, o paciente conseguiu a medicação cara e pode ser tratado. Tudo isso porque a sua comunidade o ajudou. Que beleza! Será que isso teria acontecido em nossa igreja?

Infelizmente, isso falta entre nós católicos. A maioria dos católicos não está engajada em uma comunidade. Vamos à missa, cumprimentamos as pessoas no “abraço da paz” antes da Comunhão, mas, acabada a Missa, cada um vai para a sua casa sem se importar com a vida do outro, sem saber se o outro precisa de ajuda, se tem necessidade de alguma coisa, se está desempregado, doente, etc. Nosso relacionamento é frio. Não somos, normalmente, uma comunidade. É por isso que muitos católicos abandonam a Igreja quando são acolhidos pelos evangélicos, tratados em suas necessidades, etc. Conheço toda uma família católica que se tornou evangélica porque a avó da família que ficava sozinha o dia todo, na solidão, começou a ser visitada e amada pelos nossos “irmãos separados”. Foi o suficiente para que a avó se tornasse evangélica e, atrás dela, toda a família. Faltou o amor cristão, faltou a solidariedade católica de uma comunidade que cuidasse dessa senhora, rezasse com ela, a levasse a missa, a Igreja, ao médico, etc..

Hoje, graças a Deus, há muitas comunidades de vida e de aliança; mas de precisamos mais, precisamos que todo o povo católico seja envolvido nisso. Precisamos urgentemente viver comprometidos com uma comunidade, que pode ser um grupo de oração, por exemplo.

A Renovação Carismática Católica envolve hoje cerca de 4.000 grupos de oração. Já pensou se cada um desses grupos se transformasse em uma  comunidade onde “não haja necessitados entre eles”? Onde o grupo cuide dos desempregados, dos doentes, dos abandonados, dos solitários, dos fracos? Eu penso que ninguém abandonaria a beleza da fé católica para ir para outra comunidade não católica, onde não há os Sacramentos da salvação.

Em 1995, o Papa João Paulo II pediu aos bispos do Brasil em Roma, que incentivassem o que chamou de “ministério da acolhida”. Mas isso não é apenas termos um grupo de pessoas nas entradas dos Encontros, com um avental escrito “ministério da acolhida”. Isso é bom e necessário, mas não é suficiente. Tem de ser mais do que isso, tem de ser um ministério que visite as pessoas do grupo em suas casas frequentemente, que assista os doentes, que cuide dos velhos e das crianças, etc. Cada pessoa do grupo, da comunidade, precisa sentir-se amada e querida pelo grupo, pela comunidade. E tudo isso poderia estar ligado ao Pároco e ao Vigário, formando da Paróquia, uma verdadeira “Comunidade de comunidades”.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.