Papa Francisco a jovens na Colômbia: Não deixem que lhes roubem a alegria e a esperança

Segundo o ACI (07/09/2017), ao chegar à Nunciatura Apostólica em Bogotá, Colômbia, o Papa Francisco encorajou os jovens: não deixem que lhes roubem a “alegria e a esperança”.

“Obrigado pela alegria, obrigado pela coragem. Não deixem que lhes roubem a alegria. O que vocês não devem deixar que roubem?”, perguntou o Santo Padre e os jovens responderam: “A alegria!”.

“Que ninguém a roube, que ninguém os engane. Não deixem que lhes roubem a esperança. O que vocês não devem deixar que roubem?”, continuou o Santo Padre.

“A esperança!”, responderam os presentes.

O encontro foi marcado por um ato musical com uma apresentação de rap e danças tradicionais dos jovens do Instituto Distrital de Proteção das Crianças e da Juventude (Idipron), uma entidade fundada pelo sacerdote salesiano Pe. Javier de Nicoló, que serve a crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social e indigência.

O Papa agradeceu pelo “esforço que vocês fizeram. Muito obrigado pelo caminho que se dignaram a realizar e este se chama heroísmo”.

“Até os mais jovens e os mais pobres podem ser heróis. Viveram enganados, equivocaram-se, levantaram-se e são heróis e vão avante. Sigam em frente! Sigam em frente!”, exortou.

Depois da intervenção musical, dois jovens desta instituição, Angie e Ferney, compartilharam com o Papa o seu testemunho. A jovem disse ao Pontífice que querem aceitar o “convite a dar o primeiro passo. Entendemos que o senhor dá o primeiro passo vindo aqui para nos encontrar de tão longe”.

“Nós garantimos que daremos o nosso, não só escutando e aderindo às suas propostas de humanização dos marginalizados da sociedade, mas fazendo o nosso melhor esforço para triunfar sobre as tentações que nos perseguem e nos destroem”, acrescentou.

“Este dia permanecerá inesquecível na nossa memória e no nosso coração”, manifestou a jovem.

Por sua parte, Ferney assinalou que “aparentemente a sujeira que nos faz dormir nas ruas nos torna invisíveis para alguns corações, para eles somos simplesmente indigentes, descartáveis ??e deveríamos desaparecer”.

Entretanto, “somos seres humanos que podemos servir e agradecemos as pessoas que, a exemplo de Jesus, nos ofereceram as suas mãos sem julgar ou apontar”.

Em seguida, o Papa recebeu três presentes dos jovens: uma ruana, uma vela e um vitral.

A ruana, uma roupa tradicional conhecida em muitos países como “poncho”, significa “todo o trabalho dos nossos artesãos, jovens de IDIPRON que o teceram com as próprias mãos”.

O Papa, como um gesto de gratidão, colocou a ruana e sorriu.

A vela, feita pelos jovens que estão na primeira etapa do caminho para sair das ruas, simboliza “a luz que o senhor é para cada um de nós, seguidores e crentes de Cristo, o Ressuscitado que nos ilumina”.

Finalmente, os jovens lhe deram um vitral com a imagem do ostensório do Santíssimo Sacramento como um sinal de que “queremos permanecer em seu coração” e para que “lembre-se de todos esses jovens que acreditam e confiam no senhor”.

Depois de receber os presentes, o Papa tomou a palavra novamente e disse: “Posso lhes pedir um favor? Rezem por mim. Vocês rezarão? Que Deus os abençoe, e obrigado porque (os presentes) são muito bonitos”.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticias/papa-francisco-a-jovens-na-colombia-nao-deixem-que-lhes-roubem-a-alegria-e-a-esperanca-15883/

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.