Papa diz que cristãos devem proclamar Cristo não “temendo o martírio”

Cidade do Vaticano (Segunda-feira, 16-05-2010, Gaudium Press) Sob a direção do recém-nomeado prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, Dom Fernando Filoni, o Papa recebeu neste sábado os participantes da Assembleia Ordinária do Conselho Superior das Pontifícias Obras Missionárias. O encontro ocorreu na Sala Clementina, no Vaticano.

Mais de 100 membros das Pontifícias Obras Missionárias participaram dessa audiência com o pontífice, entre elas o diretor das POM do Brasil, Padre Camilo Pauletti.

Em seu discurso, o Papa destacou que o empenho missionário dos cristãos deve estar presente em todo o setor da própria atividade, nos vários deveres. Os fiéis, além disso, não devem ter medo de proclamar o Evangelho, mesmo arriscando sua vida ao martírio, ressaltou o pontífice.

Segundo Bento XVI, a Igreja é chamada a responder com a Boa Nova aos novos problemas e às novas escravidões do nosso mundo. “A Igreja – prosseguiu o Papa – deve renovar constantemente o seu empenho de levar Cristo, de prolongar a sua missão messiânica para o advento do Reino de Deus, Reino de justiça, de paz, de liberdade, de amor”. Este mundo necessita da transformação com renovado entusiasmo da obra de evangelização.

O chamado à evangelização na “missio ad gentes” se refere a todo o cristão, não somente a bispos, sacerdotes, religiosas ou religiosos. Todos são chamados ao serviço da evangelização em todo setor da sua atividade e também toda pessoa, em seus vários deveres. A dimensão missionária deve estar presente em todo setor da pastoral da Igreja, ressaltou o Papa.

Ele acrescentou que o cristão “deve encontrar a seiva vital para a sua existência e o seu ministério missionário na Palavra de Deus e nos sacramentos, porque a evangelização não é somente um projeto humano e social”. Além disso, “o ministério da evangelização é fascinante e exigente: requer amor para o anúncio e o testemunho, um amor tão total que pode ser marcado também pelo martírio. A Igreja não pode falhar na sua missão de levar a luz de Cristo, de proclamar o feliz anúncio do Evangelho, mesmo que isso comporte a perseguição”, ressaltou o Santo Padre no fim de seu discurso.

Bento XVI aproveitou a ocasião para cumprimentar Dom Fernando Filoni pelas palavras que lhe haviam sido dirigidas em nome de todos os presentes. Ao mesmo tempo, o Papa expressou gratidão ao cardeal Ivan Dias “pelo generoso e exemplar serviço prestado ao dicastério missionário e à Igreja universal nestes anos”, na condução do mesmo.

O Papa agradeceu, ainda, ao secretário do referido organismo vaticano, Dom Savio Hon Tai-Fai; ao presidente das Pontifícias Obras Missionárias (POM), dom Piergiuseppe Vacchelli; e aos colaboradores da Congregação e diretores nacionais das POM presentes.

Com informações das Pontifícias Obras Missionárias.

Fonte: http://www.gaudiumpress.org/view/show/26202

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.