Outros dois cristãos são assassinados no Iraque

Centenas de
famílias cristãs fogem para norte do país

BAGDÁ,
segunda-feira, 6 de dezembro de 2010 (ZENIT.org) – Um casal de cristãos idosos foi assassinado a
tiros em sua casa em Bagdá, ontem à noite, por homens armados com pistolas com
silenciadores.

O
assassinato ocorreu no bairro de Baladiyat, da capital iraquiana, uma área
predominantemente xiita, segundo informações do Ministério do Interior do país,
recolhidas pela agência AsiaNews.

Nesse mesmo
dia, o Papa Bento XVI pediu aos fiéis, depois de recitar o Ângelus no Vaticano,
que rezassem pelo fim da violência contra os cristãos e muçulmanos no Iraque.

Os assassinatos
e a violência estão levando muitos cristãos ao êxodo. Cerca de 500 famílias
cristãs fugiram de Mossul e Bagdá para o norte do Iraque, à região semiautônoma
do Curdistão.

Os
deslocados deixaram suas casas, móveis e lugares de trabalho, bem como
paróquias e mosteiros, incluindo alguns dos mais antigos da cristandade.

Desde 2003,
o número de cristãos no Iraque, que ascendia a cerca de um milhão de fiéis, foi
reduzido quase pela metade.

O governo
está empenhado em fornecer subsídios de 400 dólares para cada família que
decide deixar sua casa, mas esse valor não é suficiente nem para pagar o
aluguel mensal de um apartamento no norte.

Enquanto
isso, o clima de insegurança persiste, com assassinatos e ataques a igrejas e
propriedades privadas dos cristãos.

Um dos mais
graves foi registrado em 31 de outubro, na catedral siro-católica de Bagdá.

Pelas 58
pessoas que morreram no ataque, as Igrejas cristãs no Iraque realizarão nesta
quinta-feira, 9 de dezembro, um dia de jejum.

Os líderes
cristãos também decidiram ontem, em uma reunião em Arbil, pedir ao governo
curdo que garanta escola e trabalho para as famílias cristãs refugiadas no
norte do Iraque.

Além disso,
tais líderes se reunirão com deputados cristãos para compartilhar suas opiniões
sobre as razões dos ataques contra os fiéis.

Os
representantes das comunidades cristãs acreditam que o governo não garante
suficientemente a segurança dos cristãos.

Por essa
razão, no último dia 1º de dezembro, os líderes cristãos se recusaram a
participar de uma reunião sobre a coexistência e tolerância sociais, organizada
na província de Erbil pelo Ministério iraquiano dos Direitos Humanos.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.