Os Racionalistas e Jesus Cristo

Os racionalistas dos séculos XVIII e XIX, muitos deles inimigos viscerais da Igreja e do Cristianismo, que negaram ser Jesus o Filho de Deus, como Voltaire, no entanto, deram testemunho da sua real existência e inigualável grandeza humana.

É muito interessante ouvir o que esses críticos racionalistas disseram sobre Jesus. Foram homens cultos e preparados, expoentes, chefes de escolas, líderes. Os racionalistas não gastariam tanto tempo estudando um personagem fictício. Todas as citações que se seguem foram retiradas do livro Jesus Cristo é Deus? de J. A. Laburu, 2000.

Ernest Renan (1823-1892), ao escrever a vida de Jesus, disse:

“Com seu perfeito idealismo, Jesus é a mais alta regra de vida, a mais destacada e a mais virtuosa. Ele criou o mundo das almas puras, onde se encontram o que em vão se pedem à terra, a perfeita nobreza dos filhos de Deus, a santidade consumada, a total abstração das mazelas do mundo, a liberdade enfim” (E. Renan, Vie de Jèsus, 14c, XV, XVII, XX, XXVIII) .

jesus_cristo_e_deus“Jesus […] criou o ensinamento prático mais belo que a humanidade recebeu” (p. 125).

“Jesus Cristo nunca será superado” (Idem p. 325).

“Jesus está no mais alto cimo da grandeza humana, […] superior em tudo aos seus discípulos, […] princípio inesgotável de conhecimento moral, a mais alta […] Nele se condensa tudo quanto existe de bom e elevado em nossa natureza” (Ibidem, pp. 465, 468, 474).

“A Igreja, esta grande fundação, foi certamente a obra pessoal de Jesus. Para ter-se feito adorar até este ponto, é necessário que Ele tenha sido digno de adoração” (Ibidem, p. 463).

Alfred Loisy (1854-1940), o apóstata modernista afirmou:

“Sente-se por tudo em seus discursos, em seus atos, em suas dores, não sei quê de divino, que eleva Jesus Cristo, não somente por sobre a humanidade ordinária, mas também por sobre o mais seleto da Humanidade” (Le Quatrième Evangile, 1903, p. 72).

“O Cristianismo representa incontestavelmente o maior e mais feliz esforço até agora realizado para elevar moralmente a Humanidade” (La Morale Humaine, p. 185-186).

A. von Harnack, o chefe do racionalismo alemão também falou de Jesus:

“A grandeza e a força da pregação de Jesus estão em que ela é, ao mesmo tempo, tão simples e tão rica, tão simples que até encerrada em cada um dos pensamentos fundamentais por ela expressados, tão rico que cada um dos seus pensamentos parece inesgotável, dando-nos a impressão de que jamais chegamos ao fundo das suas sentenças e parábolas.”

“Jesus pôs à luz pela primeira vez, o valor de cada alma humana e ninguém pode desfazer o que Ele fez. Qualquer que seja a atitude que, diante de Jesus Cristo, se adote, não se pode deixar de reconhecer que na História, foi Ele quem elevou a Humanidade a esta altura” (Das Wesen des christentums, 1901, pp. 33-34).

Leia também: A Divindade de Jesus

Jesus Cristo existiu mesmo ou será um mito?

Jesus, o Mestre sem Universidade

O Jesus Cristo Histórico

P. Wernle disse:

“É totalmente impossível representar-se uma vida espiritual como a de Jesus.”

Augusto Sabatier, pai do modernismo francês, disse:

“Jesus Cristo é a alma mais pura que jamais existiu; sincera, pura, que conseguiu elevar-se a uma altura a que o homem nunca poderá atingir.”

Channing, que negou radicalmente a divindade de Jesus, confessou:

“Creio que Jesus Cristo é mais que um homem. Os que não lhe atribuem a preexistência [isto é, os que como ele negavam-lhe a divindade] não o consideram, por isso, de maneira alguma, simples homem, mas estabelecem entre ele e nós profunda diferença. Aceitam, de bom grado, que Jesus Cristo, por sua grandeza e por sua bondade, supera toda e qualquer perfeição humana” (Discurs sur le caractere de Christ).

Johann Wofgang von Goethe (1749-1832):

historia_da_igreja“Curvo-me diante de Jesus Cristo como diante da revelação divina do princípio supremo da moralidade” (Laburu, p. 71).

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), expoente máximo do iluminismo francês:

“Se a vida e a morte de um Sócrates são as de um sábio, a vida e a morte de Jesus Cristo são a de um Deus” (Idem p. 71).

David Friedrich Strauss, inimigo feroz do catolicismo:

“Cristo não podia ter sucessor que se lhe avantajasse […]. Jamais, em tempo algum, será possível ascender mais alto que Ele, nem imaginar-se nada que sequer o iguale” (Ibidem p. 71).

Por essas citações dos expoentes maiores do racionalismo, vemos que perante a sua crítica Jesus Cristo não só existiu como é o máximo em sabedoria moral, em retidão, em justiça, em verdade; embora não o tenham aceitado como Deus.

Retirado do livro: “História da Igreja – Idade Antiga”. Prof. Felipe Aquino. Ed. Cléofas.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.