“Os jovens serão o sol ou a tempestade do futuro”

(Dom Orione)

A12ª Jornada Mundial da Juventude, que tem como tema: “Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé.” (cf. Ef 3,17).

Com os 13.000 jovens brasileiros que se encontram em Madrid estão também a Roseane Alves Martins e o Domingos Feitosa, que representam todo o setor juventude da nossa diocese de Balsas. Entre tantas outras atividades, os nossos jovens terão a incumbência de acolher a próxima jornada mundial, que será sediada no Brasil, para o qual trarão a cruz da jornada, que, em abril de 2012, percorrerá todas as dioceses do Maranhão e, exatamente nos dias 11 e 12 de abril, estará em nossa diocese.

Antes de apresentar o histórico das jornadas da juventude, gostaria de dizer que, na 49ª Assembleia da CNBB, que aconteceu em Aparecida, no mês de maio último, foi criada a Comissão específica para o Setor Juventude, presidida por Dom Eduardo Pinheiro da Silva, bispo auxiliar de Campo Grande-MS; na ocasião, foi também aprovado o tema juventude para a Campanha da Fraternidade de 2013, ano no qual também acontecerá, no Brasil, a 13ª Jornada Mundial da Juventude.

Ainda bem que a nossa Igreja está priorizando esta pastoral como diz o Pe. Zezinho: “A Igreja não será jovem enquanto os jovens não forem Igreja.” Fica bem aqui uma palavra do Documento de Aparecida que, no número 443, diz o seguinte: “Como discípulos missionários, as novas gerações são chamadas a transmitir a seus irmãos jovens, sem distinção alguma, a corrente da vida que procede de Cristo e a compartilhá-la em comunidade, construindo a Igreja e a sociedade.”

É bom também que nos preparemos, desde já, para acolher, em Balsas, a Romaria da Juventude do Maranhão-NE 5, que acontecerá em nossa diocese, em 2014.

Histórico das Jornadas Mundiais da Juventude

Criada pelo Papa João Paulo II, em 1985, a Jornada Mundial da Juventude é um evento que reúne milhares de jovens dos 5 continentes para uma grande celebração da fé e que, normalmente, acontece a cada 3 anos.

A primeira jornada foi celebrada em 1986, em Roma; a segunda, em Buenos Aires, em 1987; a terceira, em Santiago de Compostela, na Espanha, em 1989; a quarta, na Polônia, em 1991; a quinta, nos Estados Unidos, em 1993; a sexta, nas Filipinas, em 1995, onde se reuniram 4 milhões de jovens. Em 1997, a sétima jornada aconteceu em Paris; em 2.000, voltou a ser em Roma, com a presença de 2,5 milhões de jovens. A última jornada presidida por João Paulo II foi em 2002, no Canadá. Em 2005 a jornada foi realizada na Alemanha e, em 2008, na Austrália, ambas contaram com a presença do Papa Bento XVI.

Esta, então, é a 12ª Jornada que mais uma vez terá a presença do Papa Bento XVI, que, desde já, agradecemos pela presença  na 13ª Jornada, que acontecerá no Rio de Janeiro, em 2013.

Objetivos da Jornada

Segundo o Cardeal Stanislaw Rylko, presidente do Pontifício Conselho para os Leigos, a JMJ é uma espécie de Pentecostes, uma grande festa da juventude da Igreja, um testemunho de fé jovem, plena de entusiasmo e dinamismo missionário.

A JMJ quer ser uma resposta clara e persuasiva aos jovens de hoje, muitas vezes desprovidos de fundamentos seguros e sólidos para a sua existência.

O fundamento existe e é uma pessoa viva que tem um nome, Jesus Cristo. Ele é a resposta completa, porque é dada pelo próprio Deus às perguntas e inquietações mais profundas do coração jovem.

Os jovens são chamados a descobrir sua vocação profética e uma renovada coragem evangelizadora.

O Cardeal Rylko faz votos para que todos os jovens abram sem temer os seus corações e que acolham o dom imenso do encontro com Cristo, o único capaz de transformar a vida e de dar aquela esperança que jamais decepciona.

Vejamos também o que nos diz Dom Eduardo Pinheiro, o presidente da Comissão do Setor Juventude da CNBB: “A centralidade em Jesus Cristo, a eclesialidade do encontro, o espírito familiar juvenil chegarão a todos os cantos do mundo com a voz profética de uma Igreja que acreditando nos jovens, desafia esta sociedade que insiste em defender o consumismo, o hedonismo, o ateísmo, o egocentrismo, a violência.

Deus tem a primeira e a última palavra de vida plena para os jovens que buscam concretizar o mais belo desejo do coração humano que é ser feliz.”

Conclusão

A meu ver, nestes últimos tempos, é a primeira vez que a Igreja do Brasil passa de um apoio afetivo a um apoio efetivo à Pastoral da Juventude; serão 4 anos (2011, 2012, 2013 e 2014) abençoados, nos quais os jovens ocuparão a prioridade de nossa ação evangelizadora.

Que tudo isso nos leve a gestos concretos em favor de nossa juventude, a começar pelas nossas famílias, comunidades, paróquias e dioceses.

Oxalá esse sopro do Espírito Santo impulsione os nossos jovens a um maior dinamismo a fim de se comprometerem sempre mais com a transformação da sociedade e com o rejuvenescimento e fortalecimento da nossa Igreja.

Precisamos de sangue novo! Vamos lá, juventude!

A todos(as) meu abraço e minha bênção.

***
por Dom Enemésio Ângelo Lazzaris

Bispo Diocesano de Balsas – MA

 

 

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.