O sentido da bênção na Igreja

A Igreja Católica trouxe ao mundo uma outra forma de pensar. Sem ser racionalista – quando o único critério de vida se torna a razão – o nosso ideário ficou essencialmente ligado à inteligência. Nem tudo nós conseguimos compreender, mas nada encontrou acolhida na nossa Teologia que fosse irracional. Por isso, não existe nenhuma idéia absurda na nossa fé, nem contradição. O arcabouço do nosso Credo é lógico, harmonioso, cheio de bom senso. “Estai sempre prontos a dar as razões de vossa esperança” (1 Pd 3, 15). Cedo os cristãos abandonaram práticas mágicas dos povos pagãos, e tomaram distância de superstições. Não abrigamos idéias, palavras ou gestos que, por meio de espíritos, pretendem produzir efeitos extraordinários, contrários às leis naturais. Não admitimos que fora de Deus, existam forças secretas, que burlem o poder divino. O uso desses encantamentos, daria ao homem o domínio sobre a natureza e os acontecimentos. A fé em Cristo, no entanto, impede crer em atos mágicos, passes, adivinhações sobre o futuro, exatamente porque tudo isso supõe que o Onipotente se faria ausente da realidade. Então a magia secreta (certos gestos ou palavras) concederia essa força. E por ser desconhecida do próprio Ser Supremo, daria poderes secretos para manipular a realidade.

Não desclassifico a quem faz uso desses recursos baseados no medo, ou em presságios fortuitos. Talvez tais pessoas encontrem alívio para os seus males, o que me leva a respeitá-las. Mas eu gostaria de elevar tais irmãos de caminhada, a um patamar acima. Nós próprios devemos tomar em nossas mãos a construção do futuro, e não esperar que tudo “venha do alto”. No entanto, sentimos nossas limitações. Por isso clamamos ao Senhor, para que nos ajude (não para que nos substitua). Além da oração confiante, podemos lançar mão do pedido de bênção, que é atitude sumamente bíblica. Existem bênçãos de casas, de veículos, bênçãos para a saúde, e orações para alcançar a paz…Deixemos de lado os produtores de espetáculos que, por meio de sugestões levam o público ao delírio espiritual, e depois poderosamente libertam as pessoas da “possessão diabólica”. São gestos que pretendem promover a idolatria pessoal. “Não adorarás nenhum outro Deus, além do Senhor” (Ex 34, 14).

***
Dom Aloísio Roque Oppermann
arcebispo de Uberaba-MG

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.