O salário do pecado é a morte

corrente-quebrandoJamais se viu, como em nossos dias, um nível tão alto de desenvolvimento técnico e científico. É tão vertiginosa essa evolução, que nem conseguimos acompanhar as novas descobertas de cada dia nos diversos campos: carros, aviões, computadores, máquinas, aparelhos, ficam obsoletos em pouco tempo… Até aí nada de mal. O problema surge quando se pretende criar um “paraíso terrestre”, esquecendo-se do verdadeiro paraíso.

Jamais o homem encontrará na terra a satisfação de sua sede infinita de felicidade que só Deus pode suprir.

O que assistimos hoje é uma triste ‘batalha’, de um homem afastado de Deus, buscando desesperadamente a felicidade onde ela não existe; isto é, no deleite, no conforto, na diversão e no prazer dos sentidos.

Procura-se, a todo custo, aquilo que dê prazer, sensação, prestígio, riqueza e poder, ao mesmo tempo que se foge de tudo o que possa significar austeridade, sofrimento, auto-domínio, paciência, humildade, desprendimento, temperança…

Nunca como hoje houve tantas alternativas de diversões, algumas pouco se importando com as exigências morais das mesmas: video-locadoras (muitas com filmes que dariam vergonha a Sodoma e Gomorra!), academias de ginástica, saunas, boates, danceterias, teatros, cinemas, fliperamas, casas de ‘massagens’, tele-sexo, tele-horóscopo, motéis, excursões mil, televisão, restaurantes, shows, salões de beleza, flats, rotisserias, e mil outras artimanhas para fazer o homem e a mulher ‘felizes’. Mas, que felicidade?

E será que a temos conseguido? Não!

Quanto mais aumentam as redes de negócios, visando agradar as pessoas e dar-lhes uma vida ‘regalada’, tanto mais aumentam os problemas e as frustrações.

Quanto mais luxo, prazer, comida, bebida, passeios, programas… mais famílias destruídas, filhos e pais frustrados e a sociedade desmoronada.

ospecadosevirtudesLeia mais: O que é o Pecado?

Pecado, a doença da alma

Nunca desanimar na luta contra o pecado: sempre é tempo de conversão!

Escravos do pecado

Até quando permaneceremos neste sono letárgico e mortal? Até quando desprezaremos a riqueza do que somos e a beleza da vida que Deus nos deu?

Nunca como hoje o homem e a mulher precisaram tanto de meios para conter as próprias frustrações: psicólogos, psiquiatras, psicanalistas, e tanta fuga na bebida, no fumo e na droga.

Nunca como hoje se consumiu tantos calmantes, soníferos e anti-depressivos. De acordo com notícias da Folha de São Paulo, a doença que mais afasta as pessoas hoje, do trabalho, nos Estados Unidos, é a depressão. Superou as demais. A conclusão é sintomática: a doença não é do corpo, é do espírito. A tecnologia satisfez as necessidades do corpo humano, mas não satisfez as necessidades da sua alma.

Pobre homem moderno! Afastou-se de Deus e quis construir o seu paraíso terrestre sem Deus; o que gerou foi apenas azedume, impaciência, doenças, aflições, disputas…

A palavra de Deus não erra:

“O salário do pecado é a morte” (Rm 6,23).

E não nos iludamos; pois, o pecado nos é oferecido pelo Tentador como um anzol bem iscado.

O demônio seduz o homem assim como o pescador engana o peixe. Tão logo ele engole a isca, sente o ferro do anzol prender lhe pela boca; arranca-o para fora da água, até morrer debatendose asfixiado. Que morte !

É assim também a angústia daquele que se entrega ao pecado. O seu preço é a dor, o desespero, a angustia e a morte.

Ainda é tempo! Como aquele filho pródigo, nós também não fomos criados para viver longe do Pai, e nem para comermos lavagens de porcos; não temos dentes e estômagos adequados a isso. É preciso ter coragem de levantar e dizer basta! Eu sou um filho amado de Deus!

O caminho de volta é fácil e bem conhecido: a porta da Igreja. Basta renunciar ao orgulho e dobrar os joelhos; basta renunciar à soberba e baixar a cabeça; basta encher-se de fé Naquele que é o único que pode nos dar a vida e a paz.

Aquele que te criou para ser feliz espera-o, como o Pai do filho pródigo, no sacramento da Confissão, pára, através do seu ministro, dar-lhe o abraço da paz. Não demore, pois o salário do pecado é a morte. A salvação é gratuita.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.