O sacerdócio comum dos fiéis

Ao se
tratar da Eucaristia como Sacramento de unidade da Igreja, não se pode deixar
de falar do sacerdócio comum dos fiéis, o qual, embora essencialmente distinto,
é inteiramente real, participando também do sacerdócio de Cristo. Os fiéis
exercem-no “na recepção dos Sacramentos, na oração e ação de graças, no
testemunho da santidade de vida, na abnegação e na caridade operosa” (LG
10). A constituição dogmática “Lumen Gentium” especifica ainda o modo
pelo qual os fiéis leigos exercem o sacerdócio comum na Eucaristia: pela
participação no sacrifício eucarístico de Cristo, fonte e centro de toda a vida
cristã, oferecem a vítima divina e a si mesmos a Deus; assim, quer pela oblação
quer pela sagrada comunhão, não indiscriminadamente, mas cada um a seu modo, todos
tomam parte na ação litúrgica (cf. LG 11).

São Tomás
define com precisão os limites do sacerdócio comum dos fiéis, antecipando de
algum modo o conceito explicitado e definido no já mencionado documento
conciliar:

O leigo
justo une-se a Cristo pela fé e caridade em uma união espiritual e não pelo
poder sacramental. Por isso, tem o sacerdócio espiritual para oferecer hóstias
espirituais de que se fala no Salmo: ‘O sacrifício que Deus quer é um espírito
contrito’. E também na Carta aos Romanos: ‘Oferecei-vos a vós mesmos em
sacrifício vivo’. Daí, a palavra de Pedro sobre ‘a santa comunidade sacerdotal
para oferecer sacrifícios espirituais’ (S. Th. III, q. 82, a. 1, ad 2).

Embora os
leigos exerçam um sacerdócio real, é preciso não confundi-lo com o ministerial
nem diminuir a este último seu verdadeiro alcance, pois o sacerdote do Novo
Testamento exerce o insubstituível papel de mediador, em Cristo, entre Deus e
os homens, ao mesmo tempo em que coopera na construção da unidade da Igreja,
pela celebração da Eucaristia.

As outras
funções sacerdotais, inclusive a de absolver os pecados, são compreendidas por
São Tomás como ordenadas a guiar os fiéis para a Mesa da Salvação, onde também
oferecerão o sacrifício eucarístico, em união com o sacerdote ministerial, e
participarão do banquete celestial do Corpo e Sangue do Senhor.

 ______________________

Mons. João
S. Clá Dias, EP

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.