O que é o juízo particular?

A Igreja ensina que após a morte, cada um de nós terá um encontro com Cristo, o chamado juízo particular, e que também haverá uma retribuição dada a cada um, pelo bem ou pelo mal que tiver feito.

A parábola do pobre Lázaro, as palavras de Cristo Jesus na cruz ao bom ladrão, e outras passagens bíblicas do Novo Testamento falam de um destino da alma que pode ser diferente para uma pessoa e para outra. Após o juízo particular, a alma humana pode ir diretamente para a glória de Deus, o céu; para o purgatório, para passar pela purificação; ou ainda, para o fogo eterno, o inferno, a total ausência de Deus.

Ouça também: Todos nós iremos passar pelo juízo final?

Veja o que Catecismo da Igreja Católica diz sobre o Juízo particular:

o_cristao_diante_da_morte§1021 A morte põe fim à vida do homem como tempo aberto ao acolhimento ou à recusa da graça divina manifestada em Cristo. O Novo Testamento fala do juízo principalmente na perspectiva do encontro final com Cristo na segunda vinda deste, mas repetidas vezes afirma também a retribuição, imediatamente depois da morte, de cada um em função de suas obras e de sua fé. A parábola do pobre Lázaro e a palavra de Cristo na cruz ao bom ladrão assim como outros textos do Novo Testamento, falam de um destino último da alma pode ser diferente para uns e outros.

§1022 Cada homem recebe em sua alma imortal a retribuição eterna a partir do momento da morte, num Juízo Particular que coloca sua vida em relação à vida de Cristo, seja por meio de uma purificação, seja para entrar de imediato na felicidade do céu, seja para condenar-se de imediato para sempre. No entardecer de nossa vida, seremos julgados sobre o amor.

Ouça a explicação do Prof. Felipe Aquino:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.