O pior da Crise econômica ainda está por vir, afirma Cáritas Portuguesa reunida em Fátima

 FATIMA, 15
Nov. 10 / 11:52 am (ACI).- A Cáritas Portuguesa alertou este Domingo para o
“período negro da crise” que, segundo a organização católica, “ainda não
chegou”. No final do Conselho Geral da instituição, reunido em Fátima nos dias
13 e 14 de Novembro, os representantes de dezenove Cáritas diocesanas do país
admitem que “o desemprego vai subir e será de longa duração”. Organização
católica critica diminuição dos apoios sociais e revela que os atendimentos efetuados
aumentaram em 30% ultimamente.

Em nota reproduzida pela agência Ecclesia do episcopado português o Conselho da
Cáritas considera que existem “situações na sociedade portuguesa exigentes de
profunda reflexão”, como a “escassa penalização dos rendimentos mais elevados,
incluindo as pensões de reforma” ou a “diminuição de salários na administração
pública”.

O comunicado final do encontro, enviado à Agência Ecclesia, do episcopado
lusitano, critica ainda “o notório prejuízo das famílias mais numerosas no que
respeita ao abono de família“,
“a diminuição de algumas prestações sociais, sem perspectivas da renovação da
ação social a favor das pessoas mais carentes”.

“O Conselho Geral da Cáritas recomenda um menor despesismo na sociedade
portuguesa e uma luta permanente contra as assimetrias sociais”, indica o
documento. A Cáritas assegura que “muitas famílias não conseguem fazer face às
despesas, o que torna a crise mais profunda”, admitindo que “uma parte
significativa da população caiu no consumismo desenfreado, não alimentou
hábitos de poupança e não cooperou civicamente a favor da solidariedade e da
superação da crise”.

Aos membros da organização católica, que admite “dificuldades”, é pedido
um esforço complementar: “Estes agentes sócio-caritativos não devem desistir,
mas empenhar-se cada vez mais no serviço da caridade”. “O auxílio destes
organismos tem sido uma pedra preciosa às famílias fragilizadas”, ressalta o
comunicado final.

A Cáritas destaca o trabalho realizado no “combate ao aumento do número de
desempregados, situações de fome, ajuda na compra de medicamentos e no
pagamento das rendas habitacionais, e o apoio a imigrantes, toxicodependentes,
alcoólicos e idoso”. O documento alerta para o “caráter estrutural” dos
problemas econômicos e sociais do país, bem como para a insuficiente
impregnação na economia e em toda a sociedade dos “valores e princípios
éticos”.

A organização católica indicou que, até o momento, a conta do Fundo Social
Solidário, criado pela Conferência Episcopal, tem cerca de 113 mil Euros. Foi
anunciado também que a Campanha de Natal da Rádio
Renascença (RR) será revertido para este fundo.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.