O Perigo do voto nulo ou em branco

Ya4ty_aa9ed3dc8b079c94d1f47ac586ec44f6“O cristão vota com seriedade, responsabilidade, não anula seu voto, e ensina o mesmo a quem for possível”

A pior atitude que podemos tomar diante de uma situação difícil é fazer como o avestruz que, diante do perigo enfia a cabeça na areia para fugir do perigo, deixando, no entanto, todo o corpo de fora.

Algo semelhante acontece com as pessoas que julgam que diante do difícil quadro e sistema político do nosso país, especialmente por falta de bons políticos, a melhor solução seja o voto nulo ou em branco. É um grande engano e um verdadeiro perigo para a nação, pois facilita a eleição dos maus políticos. É verdade que faltam bons candidatos para a eleição em algumas funções públicas, faltam de fato verdadeiros líderes cristãos que trabalhem pelo “bem comum”, e que façam da política um verdadeiro sacerdócio em favor do povo, mas, jogar fora o voto é a pior opção e uma verdadeira traição a si mesmo e à nação.

Sempre alguém será eleito para cada cargo público. É uma triste ilusão achar que todos vão anular o voto ou que este número atinja o suficiente para eliminar o valor da eleição; isso nunca houve na prática. Sempre alguém será eleito. Então, é necessário votar em alguém, ainda que não seja um candidato ideal. Quando estamos diante de uma situação difícil, da qual não temos outra saída, a moral católica manda optar pelo “mal menor”; isto é, escolher a solução menos mau. Isso deve ser aplicado na eleição. Vote no “menos ruim” se você acha que nenhum dos candidatos te agrada perfeitamente. Lembre-se de que não estamos votando para eleger um Padre ou um Bispo, mas um administrador honesto.

Leia também: A importância da Política

Devem os cristãos ocupar-se da política e da sociedade?

Quem deve se candidatar a um cargo político?

Católicos e Política: Princípios Doutrinais

Fé e Política

A democracia é a melhor forma de governo no mundo todo. Desde que Montesquieu elaborou a teoria dos três poderes independentes, tem sido a melhor forma de governo de maneira incontestável. Mas a democracia é  como uma flor frágil, que só é bem mantida se o povo é educado, e vota com consciência, porque o voto é a vitamina, a arma, da democracia. Ela é o “governo do povo”, a palavra vem do grego “demos” (= povo) e “cratein” = (poder). É o poder exercido pelo povo, não diretamente como era na Grécia antiga, onde o povo se reunia na praça par a decidir tudo; hoje isso não é mais possível. Então, o governo do povo é exercido por meio dos seus representantes eleitos. Mas, se o povo vota mal,  não vota ou anula o voto, a democracia não se exerce em nome de todo o povo. Além do mais, em nosso país votar é uma obrigação legal.

Assista também: O Cristão e a Política

O voto é a arma do povo

Como votar? Qual a importância do voto?

Não encontro bons candidatos. Quero votar nulo. Qual é o problema?

Deixar de votar ou votar mal ou anular o voto é uma falta contra a sociedade e contra Deus, que nós dá, o_que_e_doutrina_social_da_igrejafelizmente, o poder e a oportunidade de escolher cada candidato, o que não acontece em todos os países, como em Cuba, que há mais de 50 anos a ditadura castrista não deixa o povo escolher seu Presidente.

Deus certamente vai pedir contas a cada um de nós de como nós votamos; pois é uma graça podermos livremente exercer a cidadania buscando os melhores candidatos para cada cargo. O cristão vota com seriedade, responsabilidade, não anula seu voto, e ensina o mesmo a quem for possível.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.