O perigo do marxismo

marxismoAinda hoje o marxismo encanta muita gente, especialmente nas universidades, e acaba enganando até mesmo jovens cristãos que pouco ou quase nada conhecem de Marx e do marxismo. Pior ainda é quando teólogos católicos querem misturar o marxismo com o Evangelho e geram uma tal de teologia da libertação de cunho marxista, tão bem condenada especialmente por São João Paulo II e Papa Emérito Bento XVI, que tão bem conheceram seus amargos frutos.

O “Livro Negro do Comunismo”, do ex-comunista Stephen Courtoir (Bertrand Russell, 2005) fala em cem milhões de mortos do comunismo marxista. Em números absolutos, os autores dos maiores crimes contra a humanidade foram o chinês Mao Tsé-tung e o georgiano Josef Stalin (líder da ex-URSS). Em percentual da população, superou-os Pol Pot, que assassinou dois milhões de pessoas quando comandou o regime maoísta do Khmer Vermelho, entre 1976 e 1979, no Camboja. Ele e seus asseclas dizimaram um quarto da população do país embalados pelo comunismo marxista.

Mao iniciou, a partir de 1950, um programa de reforma agrária e coletivização da agricultura que provocou a maior fome da História. Em meados dos anos 60, lançou a Revolução Cultural para preparar a população chinesa para o socialismo. Atribuem-lhe mais de 50 milhões de mortes.

Para fazer triunfar o socialismo marxista, Stalin implantou um regime de terror, e também de fome. Estão na biografia dele mais de 40 milhões de cadáveres.

Por isso, publico aqui um bom artigo do conceituado Cônego José Vidigal (KARL MARX, ATEU RADICAL),  por mais de quarenta anos professor de teologia do Seminário Arquidiocesano de Mariana, MG, que nos mostra muito bem o rosto de Karl Marx.

teologiaLeia também: Será que eu sou marxista?

O Marxismo e a Teologia da Libertação

Verdades, erros e perigos na Teologia da Libertação (Parte 1)

Verdades, erros e perigos na Teologia da Libertação (Parte 2)

Verdades, erros e perigos na Teologia da Libertação (Parte 3)

Karl Marx, ateu radical

Karl Marx foi sempre um ateu radical. G. Siewerth patenteia que para Marx, “a fé em Deus é, pois, ao mesmo tempo, uma divisão da consciência e uma ilusão. Urge, portanto, desmascarar esta ilusão a fim de restituir ao homem a dignidade perdida da sua interioridade infinita”. Karl Marx tende, ab ovo, ao antitranscendentalismo. É o materialismo prático.

Escreve ele: “A luta contra a religião implica a luta contra o mundo do qual a religião é o aroma espiritual”. Como verdadeiro discípulo de Feuerbach, Marx conclui que a adesão a Deus tira ao homem a consciência de sua grandeza: é uma alienação. Eis seu asserto contundente: “Mais o homem coloca realidade em Deus e tanto menos resta de si mesmo”.

A ação de um Deus Supremo impede sua independência total. Sua emancipação exige “a priori” a morte de Deus. É exatamente o trabalho que permite ao homem construir-se enquanto homem.

Fica claro, pois, que o ateísmo não é acidental ao marxismo, impossível ser um “bom” marxista, permanecendo crente.

Marx é taxativo: “O ateísmo é uma negação a Deus e por esta negação coloca a existência humana”.  Entre a razão e a fé o conflito é peremptório. Diria depois Lénine: “O marxismo é o materialismo. Por este título ele é tão implacavelmente hostil à religião, quanto o materialismo dos enciclopedistas do século XVIII ou o materialismo de Feuerbach”. Prossegue ele: “Devemos combater a religião. Isto é o a-b-c de todo o materialismo e, portanto, do marxismo”. Não se trata de um conselho facultativo. Fala categoricamente: “Nossa propaganda compreende necessariamente a do ateísmo”.

É a própria religião, sob a forma mais pura, que o marxismo considera como alheação perigosa da equidade do homem. O comunismo, que é o herdeiro mais fiel de Karl Marx, se revela, pois, em lógica consequência, intransigente neste ponto.

Lénine assim se manifestou também, em 1905: “A religião é uma espécie de mau vodka espiritual no qual os escravos do Capital afogam seu ser humano e suas reivindicações para com uma existência ainda pouco digna do homem”.

Marxismo e ateísmo não podem ser dissociados. O ateísmo é intrínseco ao marxismo. É-lhe medular, parte integrante. O ateísmo não é em Marx uma superestrutura. A própria consciência que o homem tem de si exclui, completamente, a possibilidade de Deus. Daí ser um erro primário querer abstrair dos escritos de Marx o ateísmo. É desestruturá-los. Não há meio termo. Há uma contestação terminante à Transcendência.  (Por Cônego Vidigal – 17/07/2008)

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.