O pecado nos faz fracassar como seres humanos

É mais fácil evitar situações de pecado do que se livrar dele!

A Palavra meditada, hoje, está em Eclesiástico 21,1-11.

1. Filho, pecaste? Não tornes a fazê-lo; e suplica pelas faltas passadas, para que te sejam perdoadas. 2. Foge dos pecados como de uma cobra: se deles te aproximares, te morderão. 3. Seus dentes são dentes de leões, que tiram a vida das pessoas. 4. Toda iniquidade é como espada de dois gumes: não há cura para o seu golpe. 5. O terror e as injustiças acabarão com a riqueza: a casa que é muito rica será destruída pela soberba * { e, assim, a riqueza do soberbo será arrasada. } 6. A súplica do pobre vai da sua boca até os ouvidos de Deus, e a justiça lhe será feita sem demora. 7. Quem detesta a correção está nas pegadas do pecador; quem teme a Deus, atrai-a ao seu coração. 8. De longe se conhece o prepotente de língua atrevida: quem é sensato, sabe que ele cai. 9. Quem edifica a própria casa à custa alheia é como quem ajunta pedras para o próprio túmulo
10. Montão de estopa é a reunião dos pecadores, e o seu fim é a geena de fogo.  11. O caminho dos pecadores é pavimentado de pedras, mas desemboca no sorvedouro do Abismo.

Estamos num tempo especial e de especial graça porque Quaresma é tempo de conversão, de deixar passar aquilo que não nos faz bem e que precisa ir embora. O pecado tem a ver com uma espécie de mal, que está em nosso interior, como um tumor, que, se não for tirado, nos fará muito mal. Todo pecado é um tumor que suga a vida nossa, são coisas ruins que precisamos tirar da nossa vida. O tempo quaresmal é propício para nos livrarmos de tudo o que nos prejudica. Assim como uma doença, o pecado precisa ser tratado e extirpado no princípio a fim de não causar danos maiores. Uma pessoa que carrega um pecado grave tem que sustentar esse mal em si mesma. A Palavra de Deus nos mostra os resultados de quem opta pelo caminho do pecado e de quem escolhe o caminho do bem. A Sagrada Escritura é firme porque quer nos tirar da tentação de ficarmos nos comparando com uma pessoa que optou pelo mal, mas que aparenta ter uma vida muito boa e fácil. Visto que só não somos prejudicados quando optamos pelo bem. O significado do pecado é o erro, é errar no objetivo, ele não nos permite que sejamos felizes e nos faz fracassar como seres humanos. Podemos errar em muitos objetivos da vida e, ainda assim, ser felizes, como, por exemplo, ao escolher uma profissão e depois perceber que fizemos a opção errada. Entretanto, quando pecamos carregamos as marcas e feridas causadas por esse mal. E, com amor de Pai, Deus nos mostra o remédio: não tornemos a pecar. Este é o primeiro passo: parar de pecar, todo pecado nos destrói, faz com que usemos de maneira indevida aquilo que o Senhor nos deu [nossa vida, os dons]. Somente com a intervenção divina podemos nos desfazer das amarras do pecado, e dessa forma, as feridas são curadas e somos restaurados. Devemos fugir das situações que nos levam a pecar, pois se pararmos para conversar com a tentação correremos o risco de cometer o pecado. Esse mal entra em nós como se fôssemos mordidos por uma serpente, e uma vez picados, não temos força para buscar socorro. É mais fácil evitar situações pecaminosas do que se livrar do pecado. Para desfrutarmos do perdão nós precisamos querer ser perdoados, ou seja, precisamos abandonar o pecado, mesmo que, aparentemente, ele nos dê uma falsa sensação de prazer. Quando o pecado entra no coração não vemos os vários estragos que ele faz em nosso interior. Este é o momento de voltarmos nosso coração para Deus Pai e pedir a Ele que não pereçamos pela soberba de achar que temos força para abandonar o pecado sozinhos. Somente pela intervenção divina nos libertamos do pecado. Supliquemos a Deus o perdão dos pecados cometidos. Quem detesta a verdade está indo para o abismo. Não nos comparemos com alguém que escolheu uma vida de pecado, nem desanimemos ao ver que nenhum mal a atinge e que a vida lhe é fácil e que seu caminho é pavimentado de pedra. O caminho do justo é cheio de espinhos, mas não olhemos para o caminho, e sim, para onde ele nos leva.

***
Retirado do programa “Sorrindo pra Vida”  – Tv Canção Nova.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.