O Papa Francisco, a família e a vida humana

internacional-papa-francisco-20130314-04-size-460-380x380O nosso Papa já deixou claro a sua preocupação pela família, pela vida humana e pelos mais pobres. Tudo isso é muito cristão. E quando ele fala do cuidado dos pobres, não está falando da luta de classes marxista, mas do amor cristão de Madre Teresa de Calcutá, de São Vicente de Paula, de São Francisco de Assis que foi pedir autorização para o Papa mais poderoso da Igreja, em termos temporais, o grande  Inocêncio III (1198-1216), para evangelizar com os seus doze discípulos.

Sua defesa à família é total. No ano passado, na assinatura de um protocolo para realizar abortos nos hospitais públicos da cidade de Buenos Aires, o então Cardeal Bergoglio afirmou com clareza, que:

“A família é condição necessária para que uma pessoa tome consciência e valor da sua dignidade: na nossa família viemos à vida, fomos aceitos como valiosos para nós mesmos… Sem a família que reconhece a dignidade da pessoa por si mesma, a sociedade não consegue perceber este valor nas situações limítrofes. Somente uma mãe e um pai podem dizer com alegria, com orgulho e responsabilidade: vamos ser pais, concebemos o nosso filho. A ciência olha para isso de fora e faz indagações sobre a pessoa que não nasce do centro: da sua dignidade”; para concluir que “O aborto nunca é uma solução. Temos que escutar, acompanhar e compreender a partir do nosso lugar para salvar as duas vidas: respeitar o ser humano menor e indefeso, adotar medidas que possam preservar a sua vida, permitir o seu nascimento e depois ser criativos na busca de caminhos que o levem ao seu pleno desenvolvimento”.

A revista Veja publicou na edição 2313, p. 70-71, alguns de seus pronunciamentos que deixam claro a sua fidelidade a tudo que João Paulo II e Bento XVI ensinaram; vejamos:

União Sexual: “Não sejamos ingênuos: não se trata de uma simples luta política. Pretende-se a destruição do plano de Deus. É uma jogada do pai da mentira para confundir e enganar os filhos de Deus.”

Aborto: ”A natureza moral do aborto é de natureza pré-religiosa. No momento da concepção está o código genético da pessoa. Ali já existe um ser humano. Separo o tema do aborto de qualquer concepção religiosa. É um problema científico. Não permitir o desenvolvimento de um ser que já dispõe do código genético de um ser humano não é ético. Abortar é matar alguém que não pode se defender.”

A Conferência dos Bispos da Argentina fez no dia 13 de julho de 2010, uma manifestação com o lema: “Queremos mamãe e papai para nossos filhos”, em frente ao Congresso Nacional a favor do matrimônio entre homem e mulher, na véspera do Senado Nacional analisar o projeto de lei de matrimônio entre pessoas do mesmo sexo.  A convocação foi efetuada pelo Departamente de Leigos (DEPLAL) da Conferência Episcopal Argentina. O  Cardeal Jorge Mario Bergoglio, então arcebispo de Buenos Aires e Primaz da Argentina esteve presente.

O Papa Francisco é muito conhecido por seu cuidado pastoral com os mais pobres e indefesos. Num dos seus discursos referindo-se às escravidões contemporâneas na cidade de Buenos Aires, denunciou a situação dos meninos de rua, o tráfico de pessoas, o abuso sobre o corpo humano, a exploração laboral nas maquilas, disse: “cuida-se melhor de um cachorro do que de um ser humano”…

E referindo-se àqueles que se dedicam ao tráfico de mulheres e crianças, os chamou de “escravagistas”, e os definiu como os “que entram na cidade aberta para ver o que podem roubar, que vida podem anular, que crianças podem vencer, que família podem destruir, que mulher podem explorar”…

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.