O grande e belo trabalho do Pró-Vida católico

Desde que o aborto foi descriminalizado na cidade do México, em 24 de abril de 2007, há cerca de um ano, foram praticados  7200 abortos através dos 14 hospitais autorizados para isso, segundo a fonte acidigital.com. Para protestar contra esse assassinato em massa de crianças inocentes de indefesas, os membros da ONG Pró-Vida acenderam 7.200 velas frente à sede da Assembléia Legislativa do Distrito Federal (ALDF), em lembrança aos milhares de crianças abortadas na capital.

Essa declaração foi feita pelo diretor de Pró-Vida, Jorge Serrano Limón declarou à agência EFE. Ele afirmou que estas crianças não nascidas “chegaram a estes hospitais vivas, fortes e sãs”, e foram mortas friamente. Antes o hospital era um lugar para defender a vida contra a morte; agora se tornou um lugar para destruir a vida. É a tão denunciada pelos Papas “Cultura da Morte”, que vai avançando e destruindo a civilização.

Serrano reafirmou a reclamação Pró-Vida de dar “um  basta ao genocídio”, porque se trata de “um verdadeiro crime brutal de violência sobre seres humanos e mulheres”. Segundo os dados da ONG, desde que o aborto foi legalizado morreram no DF oito mulheres, o que demonstra que “o aborto seguro não existe, é uma mentira”. Do mesmo modo, indicou que neste mesmo lapso de tempo conseguiram persuadir a umas quatro mil e 300 pessoas para que desistam de praticar um aborto.

Este é  um trabalho fundamental e urgente realizado pelos Pró-vida católicos: convencer as mulheres, especialmente jovens, a não abortarem os seus filhos; este é um trabalho que precisa crescer, ganhar mais voluntários que estejam dispostos a lutar contra essa loucura que é derramar o sangue inocente das criancinhas não nascidas. Ninguém pode calar a sua voz diante de tão grande barbárie; seria um grave pecado de omissão.

O Pró-Vida oferece às mulheres grávidas hospedagem, alimentação, serviços médicos, assistência psicológica, e assessoria em adoção. Serrano acrescentou que para este ano intensificarão o trabalho em hospitais para “resgatar vidas do aborto”. Além disso, continuarão “com o processo de fazer lobby para que esta lei se faça inconstitucional”.

Este é um belo exemplo a ser seguido também aqui no Brasil, mobilizar todo o povo católico para enfrentar com determinação, garra, vontade, alegria, amor a Deus, esta luta contra a morte. Jesus, o nosso Mestre, veio para que tenhamos vida, e vida em abundância; e não assassinato em massa.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.