O dom do Temor de Deus

PazHá vários tipos de temor: o temor da covardia ou do interesse (do mercenário); o temor do castigo (do escravo); e o temor do amor (do filho). Este último é o que vem do Espírito Santo e que consiste na rejeição que o cristão experimenta diante da possibilidade de poder se afastar de Deus; brota das próprias entranhas do amor. Não há verdadeiro amor sem este tipo de temor. Medo de ofender o amado.

As virtudes nos afastam do pecado, porém, se dá através de lutas, hesitações. Pelo dom do temor de Deus a vitória é rápida e perfeita, pois então é o Espírito que move o cristão a dizer Não à tentação. O dom do temor de Deus se prende à virtude da humildade. Esta nos faz conhecer nossa miséria; impede a presunção e a vanglória, e assim nos torna conscientes de que podemos ofender a Deus; daí surge o santo temor de Deus. O mesmo dom também se liga à virtude da temperança; combate a concupiscência e os impulsos desordenados do coração, para não ofender e magoar a Deus.

O jovem São Luís de Gonzaga derramou muitas lágrimas certa vez quando teve que confessar suas faltas leves… Para o santo, essas pequeninas faltas eram sinais do perigo de poder um dia afastar-se de Deus. Para quem ama, qualquer perigo de afastar-se do amado tem grande importância.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.