O desejo do coração do Papa

“Estudai o catecismo! Esse é o meu desejo, de coração.” – Bento XVI.

Em
diversas ocasiões, dirigindo-se às mais variadas classes de fiéis, o
Papa Bento XVI tem insistido reiteradamente sobre a necessidade de que
nos dediquemos ao estudo do Catecismo da Igreja Católica, promulgado
pelo Bem-Aventurado João Paulo II em 1992, um compêndio seguro da fé,
onde “sobressai a riqueza de doutrina que a Igreja acolheu, guardou e
ofereceu durante os seus dois mil anos de história. Desde a Sagrada
Escritura aos Padres da Igreja, desde os Mestres de teologia aos Santos
que atravessaram os séculos, o Catecismo oferece uma memória permanente
dos inúmeros modos em que a Igreja meditou sobre a fé e progrediu na
doutrina para dar certeza aos crentes na sua vida de fé” (Carta
Apostólica Porta Fidei, n. 11).

Por enumerar alguns exemplos,
copio abaixo algumas destas exortações do Santo Padre, com o firme
desejo de que encontrem eco na vida dos fiéis que pretendem sentire cum
Ecclesia, caminhando ao passo do Sucessor de Pedro, rocha firme da fé!

Do discurso do Papa Bento XVI aos Bispos do Brasil (2007):

A
verdade supõe um conhecimento claro da mensagem de Jesus, transmitida
graças a uma compreensível linguagem inculturada, mas necessariamente
fiel à proposta do Evangelho. Nos tempos atuais é urgente um
conhecimento adequado da fé, como está bem sintetizada no Catecismo da
Igreja Católica com o seu Compêndio.

Do Prefácio do Catecismo para Jovens, do Papa Bento XVI:

   
Por isso, peço-vos: estudai o catecismo com paixão e perseverança!
Sacrificai o vosso tempo para isso! Estudai-o no silêncio do vosso
quarto, leiai-o em duplas, se sois amigos, formais grupos e redes de
estudo, trocai ideias pela Internet. Permanecei, de todos os modos, em
diálogo sobre a vossa fé!

[.]

Para chegar a um
conhecimento sistemático da fé, todos podem encontrar um subsídio
precioso e indispensável no Catecismo da Igreja Católica. Este constitui
um dos frutos mais importantes do Concílio Vaticano II. Na Constituição
Apostólica Fidei depositum – não sem razão assinada na passagem do
trigésimo aniversário da abertura do Concílio Vaticano II – o Beato João
Paulo II escrevia: «Este catecismo dará um contributo muito importante à
obra de renovação de toda a vida eclesial (.). Declaro-o norma segura
para o ensino da fé e, por isso, instrumento válido e legítimo ao
serviço da comunhão eclesial» (João Paulo II, Const. ap. Fidei depositum
(11 de Outubro de 1992): AAS 86 (1994), 115 e 117).

Do Motu Proprio Porta Fidei, do Papa Bento XVI:
É
precisamente nesta linha que o Ano da Fé deverá exprimir um esforço
generalizado em prol da redescoberta e do estudo dos conteúdos
fundamentais da fé, que têm no  Catecismo da Igreja Católica a sua
síntese sistemática e orgânica.

[.]

Assim, no Ano em
questão, o Catecismo da Igreja Católica poderá ser um verdadeiro
instrumento de apoio da fé, sobretudo para quantos têm a peito a
formação dos cristãos, tão determinante no nosso contexto cultural. Com
tal finalidade, convidei a Congregação para a Doutrina da Fé a redigir,
de comum acordo com os competentes Organismos da Santa Sé, uma Nota,
através da qual se ofereçam à Igreja e aos crentes algumas indicações
para viver, nos moldes mais eficazes e apropriados, este Ano da Fé ao
serviço do crer e do evangelizar.

Da Nota com indicações pastorais para o Ano da Fé, da CDF, escrita a pedido do Papa Bento XVI:

Para
todos os crentes, o Ano da Fé oferecerá uma ocasião favorável para
aprofundar o conhecimento dos principais Documentos do Concílio Vaticano
II e o estudo do Catecismo da Igreja Católica.

[.]

Será
útil favorecer a republicação dos Documentos do Concílio Vaticano II, do
Catecismo da Igreja Católica e do seu Compêndio, também em edições de
bolso e econômicas, e a sua maior difusão possível com a ajuda dos meios
eletrônicos e das tecnologias modernas.

[.]

Os sacerdotes
poderão dedicar maior atenção ao estudo dos Documentos do Concílio
Vaticano II e do Catecismo da Igreja Católica, tirando daí fruto para a
pastoral paroquial.

[.]

Os catequistas poderão haurir
sobremaneira da riqueza doutrinal do Catecismo da Igreja Católica e
guiar, sob a responsabilidade dos respectivos párocos, grupos de fiéis à
leitura e ao aprofundamento deste precioso instrumento.

[…]

Deseja-se que nas paróquias haja um empenho renovado na difusão e na distribuição do Catecismo da Igreja Católica.

Fonte:
http://www.padredemetrio.com.br/2012/01/o-desejo-do-coracao-do-papa/

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.