O Cristianismo é uma religião construída ao redor de um livro: a Bíblia

É estranho, porém verdadeiro como sabemos, que os
Protestantes continuam insistindo em assumir que o Cristianismo é
baseado na Bíblia, referindo-se ao Novo Testamento, apesar das
evidências contrárias.

“Cristianismo é uma religião construída ao redor de um livro – a
Bíblia”. Sendo assim, diga-nos por obséquio Sr. Protestante, de onde
surgiu que no primeiro século que era esta a posição assumida pelo
Cristianismo? Certamente esta afirmação não surgiu de uma Bíblia cristã,
pois nenhum livro desta natureza existiu durante os dias em que São
Pedro trouxe 3000 judeus para Cristo.

Se o “Cristianismo é uma religião construída ao redor de um livro – a
Bíblia”, qual era a religião “construída ao redor” dos romanos,
coríntios, gálatas e tessalônicos, a qual São Paulo endereçou suas
epístolas, e as quais não tomaram parte numa Bíblia a não ser três
séculos após serem escritas? Não está o Sr. Protestante a par do fato
que onze dos Apóstolos partiram para a recompensa eterna 35 ou mais anos
antes que São João escrevesse o último livro que consta da Bíblia?

O Cristianismo surgiu para a humanidade a partir de Cristo e através de
Sua Igreja. A Igreja que Cristo ordenou ser ouvida; a Igreja que se
iniciou no primeiro século e não no XVI, XVII, XIII ou XIX séculos,
quando as igrejas feitas pelo homem começaram a surgir como uma forma de
protestar contra esta Igreja (de Cristo) – a Igreja Católica.

“Examinai as Escrituras”, disse Nosso Senhor aos fariseus, os quais
faziam uma leitura rigorosa das mesmas e falharam em reconhecer nelas o
Cristo, o qual se encontrava em sua frente. O mesmo pode ser dito sobre
você, Sr. Protestante e sobre as outras denominações protestantes; vocês
procuram nas Escrituras e até então não vêem a Igreja constituída de
padres com autoridade para ensinar, orar, definir e governar as questões
relativas a fé e moral, cuja existência da autoridade é indissociável e
intrínseca a partir do primeiro Pentecostes (o qual ocorreu unicamente
na Igreja Católica) e assim será até o fim dos tempos.

A ausência de um conhecimento histórico elementar pode ser a causa da
falta de compreensão de que a Igreja veio primeiro e depois surgiu a
Bíblia, como um produto desta Igreja. A História registra o fato de que
não há um consenso entre os povos cristãos, quanto a inspiração para os
escritos religiosos utilizados pelas igrejas, até a seleção estabelecida
pelos bispos católicos no Concílio de Laodicea (367 D.C.), cujos
escritos foram finalmente consolidados no Cânon da Sagrada Escritura,
confirmado pelo Papa e adotado após esta confirmação na Igreja Católica
de Cartago (397D.C). Este fato ocorreu 1347 anos antes que surgisse a
dissidência Metodista.

A Igreja Católica estabeleceu e nomeou os escritos de inspiração
religiosa como sendo A Bíblia, e apenas através da declaração de
infabilidade da Igreja Católica que o homem tem uma garantia acima de
todas para crer que são escritos inspirados os constantes na Bíblia;
portanto, a Bíblia é A Palavra de Deus. O Cristianismo é uma religião
construída ao redor de uma estabelecida Igreja de Cristo. A Bíblia
evidencia o fato que esta Igreja é a Igreja Católica.


Traduzido para o Veritatis Splendor
por Renata Espíndola do site:
www.catholicapologetics.net/apolo_24.htm

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.