Nova evangelização parte de Roma

O gigante está despertando

ROMA, terça-feira, 18 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – Trinta e três representantes de conferências episcopais, 400 representantes de 115 realidades eclesiais comprometidas na evangelização, 10 mil jovens prontos para levar a cabo a missão: estes são os números dos primeiros movimentos de evangelizadores que responderam ao convite do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização.

Durante a manhã do último sábado, Dom Rino Fisichella, presidente do dicastério vaticano, explicou como o secularismo e o relativo enfraquecimento da fé confundiram os homens, provocando uma verdadeira e própria crise antropológica.

Dom Fisichella acrescentou que este fenômeno afetou partes importantes do clero e da Igreja Católica. Daqui a necessidade de uma nova evangelização fora, mas também dentro da Igreja.

Para o presidente do Conselho Pontifício, “a marginalização de Deus trouxe a desorientação na identidade pessoal” e “a indiferença, ignorância com relação aos conteúdos essenciais da doutrina”. “Muitos, equivocando-se, pensaram que o anúncio explícito já não é necessário e que somente o testemunho de vida é o caminho da nova evangelização”, acrescentou.

Por este motivo, o presidente do dicastério vaticano destacou que “é hora de abrir as portas e voltar a anunciar a ressurreição de Cristo, da qual somos testemunhas”.

Segundo Dom Fisichella, “o testemunho comporta o anúncio explícito de por que se escolher viver seguindo Cristo”.

Como explicou um professor de Patrística, de fato, lecionar a história da Igreja não significa evangelizar. O professor polonês contou que sua aluna mais destacada de Patrística não é crente.

Isso mostra que, sem testificar o amor de Deus, não se evangeliza.

Entre os âmbitos nos quais se pretende renovar e concentrar as atividades da nova evangelização, Dom Fisichella indicou a liturgia, a confissão, a Eucaristia, a família, a cultura, o compromisso político e civil, a imigração e a comunicação.

A assembleia respondeu com entusiasmo ao convite.

Kiko Argüello, iniciador e representante do Caminho Neocatecumenal, contou que as famílias estão desenvolvendo um papel imenso na nova evangelização.

Kiko referiu, além disso, que ele enviou catequistas e presbíteros a lugares onde a fé estava desaparecendo e este foram rejeitados. Enviou depois famílias e estas operaram o milagre: não somente não foram rejeitadas, senão que realizaram obras de conversão e de transmissão da fé com resultados incríveis.

Julian Carrón, de Comunhão e Libertação, explicou que a fé plasma e enriquece a cultura.

Se a fé não está presente, a cultura não se desenvolve, e a fé é verdadeira e incide na história de um povo quando se converte em cultura.

Sobre o fenômeno da imigração, Adriano Roccucci, da Comunidade de Sant’Egidio, comentou que a Itália está envelhecendo e que a porcentagem mais elevada de jovens não é italiana. Por este motivo, é necessário dar uma resposta na caridade, “que é a primeira viagem evangélica”.

O Pe. Gigi Perini, pároco da igreja de São Eustórgio, em Milão, e criador das “células de evangelização”, recordou as palavras do beato John Henry Newman.

“É necessário – disse – que o gigante adormecido, que é a paróquia, desperte! Uma paróquia dinâmica, carregada do amor de Deus, que fascine seus fiéis e que os interpele à evangelização.”

Franco Miano, da Ação Católica italiana, dirigiu, por sua vez, um apelo à unidade de todas as realidades associativas, enquanto Dom Donald Wuerl, bispo de Washington (Estados Unidos), pediu para “evangelizar os evangelizadores”, porque “estes não podem sê-lo se não tiverem uma fé profunda”.

Salvatore Martinez, da Renovação no Espírito, sugeriu, finalmente, “formar homens novos em Cristo, capazes de fazer uma nova política para libertar a nossa época da multiplicação das estruturas de pecado”.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.