Notícias Escola da Fé: 17/02/2011

Nova linguagem para dominar o mundo

ROMA, sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org)
– “Governance”, “partner”, “gender”, “saúde
reprodutiva” são alguns termos de um novo vocabulário utilizado nas instituições
internacionais, substituindo conceitos como “governo”,
“esposo(a)”, “homem/mulher”, “anticoncepção”.

Isso, combinado com uma visão extremista da
“não-discriminação”, tornou-se uma ferramenta utilizada para impor
ideologias contrárias ao pensamento católico e que acaba incidindo em nossa
vida diária; e quando o percebemos, já pode ser tarde demais.

Recordou o pensamento de Bento XVI sobre a ditadura do
relativismo: “Uma boa parte das filosofias contemporâneas afirma que o
homem não é capaz de conhecer a verdade. E, por conseguinte, o homem que não é
capaz disso não poderia ter valores éticos”. Assim, “acaba aceitando,
como única referência, a opinião da maioria. No entanto, a história demonstra
quão destrutivas podem ser as maiorias”, como no caso “das ditaduras
impostas pelo nazismo e pelo marxismo”.

“A aspiração das Nações Unidas é criar uma nova ordem
internacional e, para conseguir isso, cria uma nova antropologia”, como
quando se fala de gênero, “não o dado pela natureza, mas o que o indivíduo
escolhe”. No entanto, ele explicou: “Dizer que uma pera não é uma
maçã não é uma discriminação”.

“E estas soft law – indicou – são transformadas em
normas jurídicas. Depois, há uma nova convenção e se torna lei; e se aplica até
mesmo em uma cidade pequena.”

Nesta linha, recordou como, hoje, na Espanha e na Alemanha,
“podem solicitar uma mudança de sexo garantida pela lei –
independentemente das características físicas -, com um procedimento tão banal
como ir a um cartório”.

E se perguntou: “Como se pode defender a mulher, se o
papel é apenas optional?”.

“Ainda que às vezes isso não pareça frustrante, é
essencial mostrar a mentira”, especialmente “se podem ser usados
caminhos positivos.” E visto que “essa ideologia se separa da
realidade”, concluiu que “provavelmente a única via transitável é
citar a experiência como um argumento válido”.

 

Igreja em Cuba anuncia sete novas libertações

 

HAVANA, 22 Fev. 11 (ACI)
.- O Arcebispado de Havana (Cuba), anunciou a libertação de outros sete presos
políticos, um dos quais se nega a deixar a ilha e pertence ao grupo de 75
prisioneiros da Primavera Negra de 2003. Em um comunicado de 20 de fevereiro, o
Arcebispado informou a liberação de Iván Hernández Carrillo, de 40 anos e
jornalista independente condenado a 25 anos de cárcere. Este dissidente não
aceitou viajar à Espanha e permanecerá em Cuba. Hernández
forma parte dos 75 dissidentes capturados no dia 18 de março de 2003, dia
conhecido como a Primavera Negra. Do total, 52 ainda estavam no cárcere quando
começaram as conversações entre a Igreja e o Governo comunista em maio do ano
passado. Segundo a imprensa, só falta a libertação de outros seis.

União Europeia pede liberdade religiosa para os
cristãos

MADRI, 22 Fev. 11 (ACI)
.- Os 27 Ministros de Assuntos Exteriores dos países membros da União Européia,
pediram neste fim de semana em Bruxelas que medidas concretas sejam adotadas
para promover a liberdade religiosa dos cristãos perseguidos, especialmente no
Oriente Médio. Os ministros solicitaram à alta representante de Política
externa da UE, Catherine Ashton, que apresente “propostas concretas”
com esse fim.
O documento, assinala o jornal espanhol La Razón, indica também que “a UE se empenhará
ainda mais em todos os foros multinacionais, especialmente na ONU, para
unificar apoios em todas as regiões na luta contra a intolerância
religiosa”.

Bispos dos EUA defendem  direito de objeção de consciência para os
profissionais da saúde

 

WASHINGTON DC, 22 Fev. 11 (ACI/EWTN Noticias)
.- A Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCBB, por suas siglas
em inglês) condenou a retirada da proteção federal ao direito à objeção de
consciência para profissionais da saúde que se opõem a práticas como a
fertilização in vitro, devido às suas convicções morais. Deirdre McQuade,
Diretora Assistente de Política e Comunicações do Secretário de Atividades
Pró-vida da USCCB, disse que foi “muito decepcionante” que a
administração do presidente Barack Obama tenha “eliminado várias das regulamentações
que protegiam o direito à objeção de consciência”.
As novas disposições ainda protegem este direito no caso do aborto e da
esterilização, entretanto o elimina para outros campos como a fertilização in
vitro e a anticoncepção (incluindo a pílula do dia seguinte).
A encarregada de propor esta medida foi a Secretária de Saúde, Kathleen
Sebelius, uma católica que está a favor do aborto e cujo apoio público a esta
prática anti-vida fez que vários bispos desse país, até o seu próprio bispo,
Dom Joseph F. Naumann, Arcebispo de Kansas City, tenham pedido a ela que se
abstenha de apresentar-se para receber a Comunhão.

Aos 84 anos, hoje
morreu o médico pró-vida Bernard Nathanson!

 é o autor do vídeo ‘Grito Silencioso’.

 

Ruanda esterilizará 700 mil homens com dinheiro dos
EUA

 

FRONT ROYAL, 16
Fev. 11 (ACI/EWTN
Noticias
) .- O presidente do Population Research Institute (PRI),
Steven Mosher, denunciou que o governo de Ruanda (África) realizará uma
campanha para esterilizar a 700 mil homens em um lapso de três anos com
financiamento do governo dos Estados Unidos.

Na ampla
experiência do PRI, explica seu presidente, “cada vez que uma campanha de
esterilização tem uma cota difícil, indevidamente isto implica coação”.

“Não só
isso”, continua Mosher, mas sim “estes grupos são financiados pela
Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), que
recebe dinheiro dos impostos dos Estados Unidos”, cujas leis proíbem
financiar abortos forçados ou esterilizações.

Convertido ao cristianismo poderia ser executado por
renunciar ao Islã

 

KINGSTON, 16 Fev.
11 (ACI)
.- O Chefe da Comissão de Direitos humanos do Episcopado do Canadá, Arcebispo
Brendan M. O’Brien, solicitou ao seu governo que interceda para evitar que o
cristão convertido do islã no Afeganistão, Musa Sayed, seja executado por ter
cometido “apostasia” ao ter renunciado à sua fé muçulmana.  Em uma carta enviada ao ministro canadense de
assuntos exteriores, Lawrence Cannon, o Prelado pede prestar atenção a este
“caso urgente” pois a vida de Sayed está por um fio.
Sayed se converteu ao cristianismo entre 2002 e 2003. Como fisioterapeuta tendo
ele mesmo uma perna amputada, trabalhou com o Comitê Internacional da Cruz
Vermelha durante 15 anos. Ele especializou-se em atender crianças com
extremidades postiças.
Se for executado, deixaria sua esposa e seis filhos, que fugiram do país para
sua segurança.

“A autoridade
e os prisioneiros no cárcere fizeram várias coisas más comigo, devido à minha
fé no Senhor Jesus Cristo. Por exemplo, fizeram coisas sexuais comigo,
golpearam-me com paus, com as mãos, as pernas, colocaram-me coisas na cabeça,
burlavam-se de mim”.
“Por favor -suplica Sayed- rezem por mim e ajudem-me imediatamente
resgatando-me desta prisão. Do contrário eles vão me matar”.

O representante do
Ministério de Justiça no Afeganistão, Jamal Khan, disse que: “A sentença
para um convertido é a morte e não há exceção. Quem deixa o Islã deve ser
sentenciado à morte para que isso sirva de lição a outros”, afirmou.

 

Liberdade e democracia para todos no “novo
Egito”

 

ROMA, 21 Fev. 11 (ACI)
.- O Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, Cardeal Leonardo
Sandri, assegurou que “o Egito está chamado a ser uma grande nação na
África” e que pode ser “uma pátria em que todos possam viver vendo
com respeito os direitos fundamentais, a liberdade, a democracia e o respeito
aos demais”.
“Estas mudanças podem determinar situações de dificuldade, mas ao mesmo
tempo podem representar inícios de esperança”, expressou o Cardeal Sandri.

Futuro precisa de sacerdotes
preparados e intrépidos

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org)
– A Igreja precisa de sacerdotes bem preparados – não só do ponto de vista
acadêmico – para enfrentar os desafios do futuro. Esta foi a mensagem de Bento XVI na
audiência, no último sábado, no Vaticano. O Papa se deteve nos aspectos mais
importantes que devem caracterizar os anos de formação de jovens sacerdotes e
os encorajou a “crescer na fé”, a “lutar pela excelência em
vossos estudos” e a aproveitar “cada oportunidade que vos é oferecida
para alcançar a maturidade espiritual e teológica, de modo que estejais
equipados, treinados e sejais corajosos para enfrentar o que vos espera no
futuro”.

“Como sabeis, uma formação completa para o sacerdócio
inclui não apenas o lado acadêmico: muito além do componente intelectual
também  formados espiritualmente, através
da história viva da Igreja de Roma e do brilhante exemplo dos seus mártires,
cujo sacrifício os configura perfeitamente com a pessoa do próprio Jesus
Cristo.”

Pílula abortiva do dia seguinte aumenta as
enfermidades de transmissão sexual

 

NOTTINGHAM, 17 Fev.
11 (ACI)
.- Um recente estudo de investigadores da Universidade de Nottingham (Reino
Unido) revela que a pílula abortiva do dia seguinte não só fracassou em
diminuir o número de gravidezes adolescentes, mas também está vinculada ao
aumento de Doenças sexualmente transmissíveis (ou DSTs) em menores de 16 anos.

Em declarações
recolhidas pelo jornal britânico The Daily Telegraph, o professor David Paton,
um dos profissionais responsáveis pela investigação, afirmou que
“encontramos que a oferta gratuita da pílula do dia seguinte não obteve o
efeito desejado de reduzir as gravidezes de adolescentes, mas teve a
conseqüência desafortunada de aumentar as infecções de transmissão
sexual”.

Os cientistas
acreditam que a causa deste fracasso radica em que o livre acesso à pílula
fomenta comportamentos sexuais de risco.
A pílula do dia seguinte, também conhecida como “anticoncepção oral de
emergência” (AOE) é um fármaco cuja dose é 5 a 15 vezes maior que a dos
anticoncepcionais comuns. Ingerir as duas pastilhas sugeridas equivale a tomar
50 anticoncepcionais juntos.

Polêmica pelo desalojamento de gays que invadiram o
átrio da Catedral de Lima em “beijo massivo”



LIMA,
17 Fev. 11 (ACI)
.- Um grupo de policiais desalojou à força a uma dezena de casais homossexuais
que se beijavam na escadaria da Catedral de Lima (Peru) no sábado passada 12 de
fevereiro, como parte de um protesto contra aqueles que se opõem a legalizar as
uniões entre pessoas do mesmo sexo.

Embora o Movimento Homossexual de Lima (MHOL) convocou a um ato público
denominado “Beijos contra a homofobia” na Praça de Armas da cidade,
onde se localiza o Palácio de Governo, a Municipalidade e a Catedral de Lima,
na prática os manifestantes se concentraram no átrio do templo maior.

Depois do desalojamento foi apresentada uma denúncia por agressão e abuso de
autoridade contra a polícia em uma delegacia local.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.