Nono Mandamento: ”Não cobiçar as coisas alheias”

“Não cobiçarás a casa de teu próximo, não desejarás sua mulher, nem seu servo, nem sua serva, nem seu boi, nem seu jumento, nem coisa alguma que pertença a teu próximo” (Ex 20,17).

E Jesus disse: “Todo aquele que olhar para uma mulher com desejo libidinoso já cometeu adultério com ela em seu coração” (Mt 5,28). Cristo quer cortar o mal pela raiz porque o  pecado nasce no pensamento.

São João distingue três espécies de cobiça ou concupiscência: a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida. Conforme a tradição catequética católica, o nono mandamento proíbe a concupiscência carnal; o décimo proíbe a concupiscência dos bens alheios.

A pureza do coração nos permitirá ver a Deus e nos permite desde já ver todas as coisas segundo Deus. A purificação do coração exige a oração, a prática da castidade, a pureza da intenção e do olhar.

Todo batizado deve lutar contra a concupiscência da carne e as tendências desordenadas das baixas paixões, que são fruto do pecado original. Com a graça de Deus, podemos e devemos alcançar a pureza do coração, pela virtude e pela castidade, pois ela permite amar com um coração reto. A vida de pureza se consegue vivendo o conselho de Jesus: “Vigiai e orai, pois o espírito é forte, mas a carne é fraca” (Mt 26, 41). Uma fuga “heroica” é a do pecado; pois “quem ama o perigo nele perecerá”. Sabemos que “a ocasião faz o ladrão”; logo, a prudência manda fugir do perigo.

Pela pureza do olhar, exterior e interior; pela disciplina dos sentimentos e da imaginação; pela recusa de toda complacência nos pensamentos impuros que tendem a desviar do caminho dos mandamentos divinos, pode-se cultivar uma vida de pureza e santidade. Isto exige fugir de toda ocasião de pecado.

A pureza exige o pudor: o vestir-se discretamente para que as outras pessoas não sejam levadas a pecar; o falar com prudência, etc.. O pudor preserva a intimidade da pessoa. É não  mostrar aquilo que deve ficar escondido. Está ordenado para a castidade, exprimindo sua delicadeza. O pudor é modéstia.  Mantém o silêncio ou certa reserva quando se entreve o risco de uma curiosidade que não faz bem.

É importante ensinar o pudor a crianças e adolescentes e despertá-los para o respeito à pessoa humana.  A pureza cristã requer uma purificação do clima social. A pureza do coração liberta a pessoa do erotismo tão difuso e afasta-a dos espetáculos que favorecem o “voyeurismo” e a ilusão.

A permissividade dos costumes se apoia numa concepção errônea da liberdade humana; para se edificar, a verdadeira liberdade tem necessidade de se deixar educar pela lei moral. Os responsáveis pela educação precisam dar à juventude um ensino respeitoso da verdade, das qualidades do coração e da dignidade moral e espiritual do homem.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.