Não é possível que um aborto seja terapêutico, explica o novo Arcebispo de Santiago

SANTIAGO,
11 Jan. 11 / 09:08 pm (ACI).- A poucos dias de converter-se no novo Arcebispo de
Santiago, Dom Ricardo Ezzati explicou à agência ACI Prensa, em espanhol, que falar de
aborto
terapêutico” no Chile é uma contradição porque “nunca se pode curar
uma pessoa eliminando-a”.

Em diálogo telefônico com a agência que encabeça o grupo ACI, Dom Ezzati se
referiu ao projeto apresentado em 15 de dezembro passado pelos senadores Evelyn
Matthei (União Democrata Independente) e Fulvio Rossi (Partido Socialista),
para legalizar o mal chamado aborto terapêutico quando estiver em risco a vida da mãe ou do feto
apresente alguma má formação grave. No Chile está proibido todo tipo de aborto
desde 1989.

O novo Arcebispo do Santiago e Presidente da Conferência Episcopal Chilena
recordou que “a tarefa que tem um médico é a de procurar a saúde e o bem
da vida. A eliminação de uma vida humana nunca é um bem, nunca é uma
intervenção de saúde”.

“Chamar o aborto de terapêutico é uma contradição” para os médicos
que sabem que cumprem uma função a favor da vida e “sabem que não é para
nada uma medida terapêutica. Nunca se pode curar uma pessoa eliminando-a”.

Dom Ezzati evocou a declaração que os bispos do país emitiram
no último 28 de dezembro para defender “com muita claridade o princípio
evangélico e bíblico do valor da vida” e opor-se “a um projeto que
tende a legalizar o que é um mal para a pessoa e a sociedade como é a
eliminação da vida de um inocente”.

O Arcebispo pediu valorizar “o que significa introduzir na legislação do
país algo contrário à ética humana e cristã” e recordou que “há
princípios de fé que nos suportam e nos confirmam em nosso olhar também
humano”.

Depois de esclarecer que opor-se ao aborto não suprime “uma atitude de
acolhida, de compreensão pela dor das pessoas que se vêem nesta situação
dolorosa”, explicou que ante as decisões de vida ou morte requer-se
“um amor muito maior, um amor que seja capaz de refletir de alguma forma o
próprio amor de Deus que cuida de todos seus filhos, de uma maneira particular
daqueles que mais o necessitam”.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.