Não desesperar da salvação dos suicidas

suicidio1wSuicidou-se! Está perdido e condenado para sempre Oh! Não digamos assim do infeliz que, num ato de desespero, deu cabo da existência. Verdade é que a Igreja condena o suicídio como um crime hediondo. Ela quer ensinar-nos o respeito à vida que não nos pertence, e a resignação à vontade de Deus, sem jamais ter dito ou ensinado que o suicida esteja condenado e perdido para sempre.

Quem pode saber o que, em tão violento transe, passa- se entre Deus e a pobre alma? Quem pode penetrar no pensamento do infeliz suicida após o disparo da arma fatal? Não havia tempo, dir-se-á. Que importa? Uma palavra, um grito, um olhar, um ato de amor Divino, suscitados pela misericórdia Divina, bastam para a salvação, naquela hora extrema. Além do mais, uma enfermidade mental, uma neurastenia profunda, uma fraqueza de momento, não são razões de molde a mover-nos ao perdão do pobre suicida?

E, então, Deus, que é Pai, que se inclina, cheio de misericórdia, sobre nossas misérias, há de ser mais duro de coração do que nós, que somos tão maus? Oh! O suicídio não se justifica. É, na verdade, um crime e um crime hediondo. Entretanto, não devemos chorar, desesperados, os que as- sim acabam tragicamente a vida, porque não podemos nem devemos desesperar da salvação de quem quer que seja! (Do livro BREVIÁRIO DA CONFIANÇA, Mons. Ascânio Brandão, www.cleofas.com.br)breviario_da_confianca_

O  Catecismo ensina que “o suicídio é contrário ao amor do Deus vivo”, mas,  “distúrbios psíquicos graves, a angústia ou o medo grave da provação, do sofrimento ou da tortura podem diminuir a responsabilidade do suicida. Não se deve desesperar da salvação das pessoas que se mataram. Deus pode, por caminhos que só Ele conhece, dar-lhes ocasião de um arrependimento salutar. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra a própria vida”. (n.2221-2223)

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.