Na audiência geral, Bento XVI explica sentido da celebração dos Fiéis Defuntos

Papa faz votos que Cimeira dos G20 (Cannes, 3-4) contribua para superar as dificuldades à promoção de um desenvolvimento humano integral

(2/11/2011) Bento XVI lançou hoje um apelo aos líderes que integram o G20, pedindo que a sua próxima reunião procure soluções para a promoção de um desenvolvimento “integral”.

“Desejo que o encontro ajude a superar as dificuldades que, a nível mundial, criam obstáculos à promoção de um desenvolvimento autenticamente humano e integral”, disse, no final da audiência pública semanal, que decorreu no Vaticano, perante mais de 6 mil pessoas.

No apelo aos chefes de Estado e de Governo que se vão reunir entre quinta e sexta-feira na cidade francesa de Cannes, o Papa disse que estes responsáveis devem “examinar as principais problemáticas ligadas à economia global”.
No dia dos Fiéis Defuntos, Bento XVI dedicou a catequese da audiência geral à atitude do cristão perante a morte e na sua relação com os irmãos já falecidos.
“A solenidade de todos os Santos e a Comemoração de todos os fiéis defuntos dizem-nos que só quem pode reconhecer na morte uma grande esperança, é que pode viver uma vida a partir da esperança”.

“Se reduzimos o homem exclusivamente à sua dimensão horizontal, ao que se pode experimentar empiricamente, a própria vida perde o seu sentido mais profundo. O homem tem necessidade de eternidade e qualquer outra esperança é para ele demasiado breve, limitada demais”.

“O homem só se explica se há um Amor que supere todo o isolamento, mesmo o da morte, numa totalidade que transcenda também o espaço e o tempo. O homem é explicável, encontra o seu sentido mais profundo, somente se há Deus”.

Evocando Jesus que, depois da ressurreição, se faz companheiro dos discípulos de Emaús, o Papa sublinhou que em Cristo Deus se mostrou verdadeiramente, se tornou acessível, tendo amado tanto o mundo ao ponto de dar-lhe o Filho unigénito para que, quem crê nele tenha a vida eterna.

“Deslocando-nos aos cemitérios, a rezar com afeto e amor pelos nossos defuntos, somos uma vez mais convidados a renovar com coragem e com força a nossa fé na vida eterna, e a viver com esta grande esperança, testemunhando-a ao mundo”.
Ouçamos as palavras pronunciadas em português:

“Queridos irmãos e irmãs,
Hoje a Igreja nos convida a pensar em todos aqueles que nos precederam, tendo concluído o seu caminho terreno. Na comunhão dos Santos, existe um profundo vínculo entre nós que ainda caminhamos nesta terra e a multidão de irmãos e irmãs que já alcançaram a eternidade. Em definitiva, o homem tem necessidade da eternidade; mas por que experimentamos o medo diante da morte? Dentre as várias razões, está o fato de que temos medo do nada, de partir para o desconhecido. Não podemos aceitar que de improviso caia, no abismo do nada, tudo aquilo que de belo e de grande tenhamos feito durante a nossa vida. Sobretudo, sentimos que o amor requer a eternidade, não pode ser destruído pela morte assim num momento. Além disso, assusta-nos a morte, por causa do juízo sobre as nossas ações que a ela se segue.

Mas Deus manifestou-Se enviando o seu Filho Unigênito para que todo aquele que acredita não se perca, mas tenha a vida eterna. É consolador saber que existe um Amor que supera a morte, um amor que é o próprio Deus que se fez homem e afirmou: «Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que tenha morrido, viverá» (Jo 11,25).

Saúdo com afeto os peregrinos de língua portuguesa, em particular os brasileiros vindos de diversas cidades do Estado de São Paulo. Exorto-vos a construir a vossa vida aqui na terra trabalhando por um futuro marcado por uma esperança verdadeira e segura, que abra para a vida eterna. Que Deus vos abençoe!”

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.