Música faz Papa refletir sobre fidelidade de Deus

O mal pesa, mas Deus não abandona, afirmou

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 31 de maio de 2011 (ZENIT.org) – Ainda que a humanidade sinta o peso da maldade que existe no mundo, Deus não nos abandona. Ele nunca nos trai nem nos esquece, segundo Bento XVI.

O Papa compartilhou esta reflexão na última sexta-feira, depois de um concerto oferecido em sua homenagem pelo presidente da Hungria, Pál Schmitt. O concerto comemorava a presidência húngara do Conselho da União Europeia e o bicentenário do nascimento do músico húngaro Ferenc Liszt.

O Pontífice fez várias reflexões sobre a música, detendo-se em particular na composição do salmo 13. Disse que o fragmento interpretado durante o concerto dava “uma ideia da qualidade e profundidade da fé” do compositor.

“É um salmo no qual quem está rezando se encontra em dificuldades, o inimigo o cerca, ataca-o, e Deus parece ausente, parece ter se esquecido dele – explicou o Papa. E a oração se torna angustiante frente a esta situação de abandono: ‘Até quando, Senhor?’, repete o salmista umas quatro vezes.”

O Santo Padre destacou que este refrão “se repete de uma maneira quase martelante pelo tenor e o coral na parte central: é o grito do homem e da humanidade, que sente o peso do mal que existe no mundo”.

A música, disse, “nos transmite esta sensação de peso, de angústia. Mas Deus não nos abandona. O salmista sabe bem disso e também Liszt, como homem de fé”.

“Da angústia nasce uma oração cheia de confiança, que conduz à alegria: ‘Meu coração exultará em tua salvação (.). Cantarei ao Senhor, que me ajudou'”, citou Bento XVI.

Destacou como a música se transforma ao fazer esta proclamação: “O tenor, o coral e a orquestra elevam um hino de confiança em Deus, quem nunca trai, nunca esquece, nunca nos deixa sozinhos”.

Citando a reflexão do compositor com relação à sua Missa Solemnis, contou que Liszt dizia que “orava” mais do que “compunha”: “Acho que podemos dizer o mesmo deste salmo: o grande músico húngaro, mais do que compô-lo, rezou-o, ou melhor, ele rezou antes de compô-lo”.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.