Meu marido me abandonou; o que faço?

tenteseentender3Embora haja também mulheres que abandonem os seus esposos, no entanto, a grande maioria dos casos é de maridos que abandonam as suas esposas, muitas vezes depois de uma traição consumada e assumida. Quantas e quantas mulheres vivem este drama! Desde recém casadas até aquelas que já passaram dos trinta anos de casados. E este deve ser o primeiro consolo para quem vive esta amarga situação; você não está sozinha nesta dor, há uma multidão à sua frente e do seu lado, derramando as mesmas lágrimas.

Pode haver muitas causas para essas separações, mas estou convencido de que a mais frequente delas é a falta de uma vivência religiosa profunda por parte de muitos homens. Infelizmente para muitos deles, a vida consiste em trabalhar e depois, nas horas vagas se divertir, beber com os amigos e desfrutar dos prazeres da vida. No meio de tudo isso, a falta de espiritualidade permite a entrada da imoralidade sexual, acesso a fitas de vídeo pornográficas, olhares maliciosos para outras mulheres, deleite no convívio de outras… Até que um dia ele é “fisgado” por alguém que não é a sua esposa, mas que lhe mostra mais atração, “mais amor”, menos idade, que lhe dá “menos aborrecimento”, e mais prazer. E sem o auxílio da graça de Deus, ele começa a descer a ladeira da permissividade moral, até deixar a verdadeira esposa. Sem Deus não há castidade, não há paciência, não há tolerância… não há verdadeiro amor como S. Paulo pediu aos homens: “maridos, amai as vossas esposas, como Cristo amou a Igreja, e se entregou por ela.” (Ef 5,25). “E se entregou por ela…”

Eu penso que as mulheres deveriam desencadear uma guerra contra os filmes pornográficos, os sites pornográficos da Internet, as roupas provocantes da moda feminina, etc., porque a primeira vitima disso tudo pode ser o casamento delas mesmas.

É verdade que em certos casos a esposa traída ou abandonada também possa ter cooperado com a separação: pode ter faltado mais atenção a ele, mais cuidado com o lar e com os filhos, pode ter faltado mais zelo consigo mesmo, pode ter havido muita reclamação e lamúria da parte dela, pode ter faltado mais esforço para uma vida sexual mais harmoniosa, etc., mas nada disso justifica uma traição e a destruição de um lar.

Mas, e agora, o que fazer?

Em primeiro lugar há que se ter o desejo de restaurar o próprio casamento; esse homem que se foi é seu marido, você tem direito moral sobre ele; e então, deve lutar para reconquistá-lo com todos os meios legítimos. Nem sempre é fácil, mas sabemos que para Deus nada é impossível (Lc1,37) disse o Anjo a Maria. Então, é começar a rezar e a agir. Antes de tudo confiar na misericórdia de Deus, e não ter pressa, e não marcar hora para ele voltar; há que se dar tempo para à graça de Deus agir. Ela precisa de tempo porque respeita a liberdade dele; mas age.

Quantos maridos já voltaram para o seu lar, depois de uma aventura de “filho pródigo”! Às vezes é preciso esperar anos para que ele volte; assim como o filho pródigo, pode ser que ele comece a pensar a voltar quando a saudade do verdadeiro lar começar a pesar, ou quando uma doença fizer o mundo dos encantos desabar diante dele, ou a ruína financeira o atingir… não sei, mas sei que Deus é o maior especialista em tirar o bem do mal.

Por isso, você mulher abandonada, não pode tirar os seus joelhos do chão. “Orar sem cessar sem jamais deixar de faze-lo” (Lc 18,1) é a ordem de Jesus. “Pedi e receberei, buscai e achareis, batei e abrir-se-vos-á” (Lc 11,9). Deus estabeleceu uma lei: ninguém recebe a sua graça sem lhe pedir. Então peça, derrame suas lágrimas diante dele no Santíssimo Sacramento. Não foi assim que a perseverante Mônica conseguiu depois de vinte anos a conversão do seu querido Agostinho. Ele disse nas suas “Confissões”, que as lágrimas que sua mãe derramava diante de Deus era o sangue do seu coração destilado em seus olhos.

Leia também: Casados para sempre

Por que morre a planta do amor?

Um perigo da internet para os relacionamentos

Como superar as dores e consequências do adultério?

O verdadeiro sentido do casamento

Mas, e se ele não voltar? Continue a rezar por ele, porque talvez você possa ser a única pessoa neste mundo que possa fazer algo junto de Deus pela sua salvação. Você mulher, ao menos tem a consciência tranquila diante de Deus; se você se apresentar diante dele hoje, estará em paz, mas ele não. Isto deve ser o mais importante para você.

Enquanto ele não volta, viva a sua vida intensamente para Deus e para os outros. “Só o egoísta desperdiça a vida”, disse Michel Quoist. Viva para o bem dos seus filhos, de sua família e de todos que precisarem de você. Não coloque toda a felicidade sobre um homem de carne e ossos. Deus é mais importante.

Se você chegou à conclusão que, quando do seu casamento, houve algum motivo que possa te-lo tornado inválido, então, consulte o Tribunal da Igreja, e se for o caso dê inicio ao Processo de solicitação de declaração de nulidade. Se oriente com alguém sábio. Se a declaração foi concedida, então, você estará livre para se casar com as bênçãos de Deus. Mas não comece outro relacionamento, sobretudo sexual, com outro homem, pois isto não é da vontade de Deus, e ninguém é verdadeiramente feliz se não vive conforme a Lei santa de Deus.

Se por acaso o seu Processo de nulidade, vai andando bem, e você conheceu alguém que lhe agrada, não se precipite num namoro, mantenha com esta pessoa apenas um bom relacionamento de amigos, até que a Igreja se pronuncie.

Mulher traída e abandonada, eu sei que a sua dor é grande; eu sei que o seu coração sangra, porque eu já ouvi muitas de vocês no relato de suas dores, mas eu quero lhe dizer algo importante, a você que tem fé: não desperdice nenhuma dessas lágrimas; ofereça-as todas ao Senhor; una-as ao cálice da Santa Missa, e elas serão sagradas; esta será a sua melhor oração, não só pelo seu esposo que se foi, mas também pela redenção do mundo e sua própria santificação. Não é da cruz que vem a ressurreição? Não é da cruz que vem a salvação?

Se de um lado a cruz é drama, de outro lado é uma oportunidade de sangue de fazer comunhão com o Senhor que padeceu muito mais do que isto por nós, e que nos convida a, voluntariamente, “completar o que falta à sua paixão” (Cl 1, 24). Todo sofrimento é uma chance de santificação depois que Jesus fez dela a matéria prima da salvação. Não perca essa dolorosa chance.

Enfim, mulher, houve outra Mulher, que desde o nascimento do seu Filho, experimentou as dores do mundo até a consumação do seu Amado. Una-se a Ela, consagre-se a Ela, derrame suas lágrimas com Ela, segure em suas mãos santas. Ela te sustentará.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.