Meu marido me abandonou; o que faço?

tenteseentender3Embora haja também mulheres que abandonem os seus esposos, no entanto, a grande maioria dos casos é de maridos que abandonam as suas esposas, muitas vezes depois de uma traição consumada e assumida. Quantas e quantas mulheres vivem este drama! Desde recém casadas até aquelas que já passaram dos trinta anos de casados. E este deve ser o primeiro consolo para quem vive esta amarga situação; você não está sozinha nesta dor, há uma multidão à sua frente e do seu lado, derramando as mesmas lágrimas.

Pode haver muitas causas para essas separações, mas estou convencido de que a mais frequente delas é a falta de uma vivência religiosa profunda por parte de muitos homens. Infelizmente para muitos deles, a vida consiste em trabalhar e depois, nas horas vagas se divertir, beber com os amigos e desfrutar dos prazeres da vida. No meio de tudo isso, a falta de espiritualidade permite a entrada da imoralidade sexual, acesso a fitas de vídeo pornográficas, olhares maliciosos para outras mulheres, deleite no convívio de outras… Até que um dia ele é “fisgado” por alguém que não é a sua esposa, mas que lhe mostra mais atração, “mais amor”, menos idade, que lhe dá  “menos aborrecimento”, e mais prazer. E sem o auxílio da graça de Deus, ele começa a descer a ladeira da permissividade moral, até deixar a verdadeira esposa. Sem Deus não há castidade, não há paciência, não há tolerância… não há verdadeiro amor como S. Paulo pediu aos homens: “maridos, amai as vossas esposas, como Cristo amou a  Igreja, e se entregou por ela.” (Ef 5,25). “E se entregou por ela…”cpa_mulheres_sofridas

Eu penso que as mulheres deveriam desencadear uma guerra contra os filmes pornográficos, os sites pornográficos da Internet, as roupas provocantes da moda feminina, etc., porque a primeira vitima disso tudo pode ser o casamento delas mesmas.

É verdade que em certos casos a esposa traída ou abandonada também possa ter cooperado com a separação: pode ter faltado mais atenção a ele, mais cuidado com o lar e com os filhos, pode ter faltado mais zelo consigo mesmo, pode ter havido muita reclamação e lamúria da parte dela, pode ter faltado mais esforço para uma vida sexual mais harmoniosa, etc., mas nada disso justifica uma traição e a destruição de um lar.

Mas, e agora, o que fazer?

Em primeiro lugar há que se ter o desejo de restaurar o próprio casamento; esse homem que se foi é seu marido, você tem direito moral sobre ele; e então, deve lutar para reconquistá-lo com todos os meios legítimos. Nem sempre é fácil, mas sabemos que para Deus nada é impossível (Lc1,37) disse o Anjo a Maria. Então, é começar a rezar e a agir. Antes de tudo confiar na misericórdia de Deus, e não ter pressa, e não marcar hora para ele voltar; há que se dar tempo para à graça de Deus agir. Ela precisa de tempo porque respeita a liberdade dele; mas age.

Quantos maridos já voltaram para o seu lar, depois de uma aventura de “filho pródigo”! Às vezes é preciso esperar anos para que ele volte; assim como o filho pródigo, pode ser que ele comece a pensar a voltar quando a saudade do verdadeiro lar começar a pesar, ou quando uma doença fizer o mundo dos encantos desabar diante dele, ou a ruína financeira o atingir… não sei, mas sei que Deus é o maior especialista em tirar o bem do mal.

Por isso, você mulher abandonada, não pode tirar os seus joelhos do chão. “Orar sem cessar sem jamais deixar de faze-lo” (Lc 18,1) é a ordem de Jesus. “Pedi e receberei, buscai e achareis, batei e abrir-se-vos-á” (Lc 11,9). Deus estabeleceu uma lei: ninguém recebe a sua graça sem lhe pedir. Então peça, derrame suas lágrimas diante dele no Santíssimo Sacramento. Não foi assim que a perseverante Mônica conseguiu depois de vinte anos a conversão do seu querido Agostinho. Ele disse nas suas “Confissões”, que as lágrimas que sua mãe derramava diante de Deus era o sangue do seu coração destilado em seus olhos.

sereisumascarneLeia também: Casados para sempre

Por que morre a planta do amor?

Um perigo da internet para os relacionamentos

Como superar as dores e consequências do adultério?

O verdadeiro sentido do casamento

Mas, e se ele não voltar? Continue a rezar por ele, porque talvez você possa ser a única pessoa neste mundo que possa fazer algo junto de Deus pela sua salvação. Você mulher, ao menos tem a consciência tranquila diante de Deus; se você se apresentar diante dele hoje, estará em paz, mas ele não. Isto deve ser o mais importante para você.

Enquanto ele não volta, viva a sua vida intensamente para Deus e para os outros. “Só o egoísta desperdiça a vida”, disse Michel Quoist. Viva para o bem dos seus filhos, de sua família e de todos que precisarem de você. Não coloque toda a felicidade sobre um homem de carne e ossos. Deus é mais importante.

Se você chegou à conclusão que, quando do seu casamento, houve algum motivo que possa te-lo tornado inválido, então, consulte o Tribunal da Igreja, e se for o caso dê inicio ao Processo de solicitação de declaração de nulidade. Se oriente com alguém sábio. Se a declaração foi concedida, então, você estará livre para se casar com as bênçãos de Deus. Mas não comece outro relacionamento, sobretudo sexual, com outro homem, pois isto não é da vontade de Deus, e ninguém é verdadeiramente feliz se não vive conforme a Lei santa de Deus.

Se por acaso o seu Processo de nulidade, vai andando bem, e você conheceu alguém que lhe agrada, não se precipite num namoro, mantenha com esta pessoa apenas um bom relacionamento de amigos, até que a Igreja se pronuncie.

Mulher traída e abandonada, eu sei que a sua dor é grande; eu sei que o seu coração sangra, porque eu já ouvi muitas de vocês no relato de suas dores, mas eu quero lhe dizer algo importante, a você que tem fé: não desperdice nenhuma dessas lágrimas; ofereça-as todas ao Senhor; una-as ao cálice da Santa Missa, e elas serão sagradas; esta será a sua melhor oração, não só pelo seu esposo que se foi, mas também pela redenção do mundo e sua própria santificação. Não é da cruz que vem a ressurreição? Não é da cruz que vem a salvação?problemascasamento

Se de um lado a cruz é drama, de outro lado é uma oportunidade de sangue de fazer comunhão com o Senhor que padeceu muito mais do que isto por nós, e que nos convida a, voluntariamente, “completar o que falta à sua paixão” (Cl 1, 24). Todo sofrimento é uma chance de santificação depois que Jesus fez dela a matéria prima da salvação. Não perca essa dolorosa chance.

Enfim, mulher, houve outra Mulher, que desde o nascimento do seu Filho, experimentou as dores do mundo até a consumação do seu Amado. Una-se a Ela, consagre-se a Ela, derrame suas lágrimas com Ela, segure em suas mãos santas. Ela te sustentará.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.