Meditando sobre o amor…

care for your heartDesprender nosso coração da terra e voltá-lo para o céu; carregar valorosamente a cruz de cada dia e aceitar, com júbilo, os sacrifícios que se nos deparam no decorrer da existência são coisas penosas a que a natureza humana dificilmente se afaz. Só o auxílio de uma coisa cuja força e amabilidade nos sejam atrativos contínuos e uma alegria que compense as agruras da vida é que nos poderão facilitar o cumprimento dessa rude tarefa.

Pois bem, esse tesouro, nós o temos: é o amor.

O amor é a inclinação da vontade para um bem que contenta o coração, satisfaz sua aspiração à felicidade e cuja posse lhe dá paz e alegria. Essa tranquilidade, esse contentamento, inseparáveis do amor, são os efeitos naturais que dimanam da posse do bem anelado e por isso, o amor tem a primazia sobre tudo o mais. Deus é amor; e entre os dons por ele outorgados ao homem, nenhum sobreleva e este.

Mas para que o amor possa dar ventura duradoura e satisfazer a todas as faculdades, cumpre não somente que o bem, fonte de alegria e paz, constitua um ideal de verdade, de bondade e beleza, mas também que esse ideal exista realmente e não seja apenas uma possibilidade.

Além disso, importa que, de um lado, ele nos supre, a fim de elevar-nos acima de nós mesmos atraindo-nos para si; de outro, que se assemelhe a nós para que possamos compreendê-lo e dele nos achegar confiadamente. É preciso que seja imutável e eterno porquanto, se não nos sobrevivesse, seria inferior a nós. Finalmente, deve constituir o Bem infinito, incomensurável, para que lhe seja possível satisfazer plenamente os desejos eliminados de nosso coração.

Onde, porém; encontrar esse ideal neste mundo, em que tudo é finito e perecedouro? Cumpre, pois, subir ao céu para fazê-lo e lá descer (cf. Dt 30,12). Deus conhece nossa instante necessidade de amar e encontrar a ventura no amor. Foi ele que gravou essa aspiração em nossa alma e sua solicitude não se descurou e satisfazê-la. Existe Alguém que habita simultaneamente o Céu e a Terra e que, sendo, ao mesmo tempo, Deus e homem, reúne em si toda a formosura, toda a excelência da natureza humana e da divina. No Céu e na Terra, tudo vive da vida desse ideal, haurindo a alegria no reflexo de sua beleza.Vida_espiritual_menor

Nunca poderemos compreender toda a sua magnificência não bastando, para isso, a própria eternidade. Caia sobre nós um raio de sua glória e de sua formosura e isso basta para constituir a felicidade da vida inteira, para compensar a perda de todos os bens e consolar das maiores tribulações. É o antegozo da eterna bem aventurança.

Esse Alguém é Nosso Senhor Jesus Cristo, Deus infinitamente bendito nos séculos dos séculos. Alguns traços de sua adorável fisionomia, e uns tantos pormenores acerca de sua vida nos proporcionarão sobejos motivos de amá-lo, motivos suficientes para arraigar esse amor em nosso coração, aumentá-lo incessantemente e nos fazer encontrar nele a força que anima e ampara a vida.

Texto retirado do livro: A vida espiritual reduzida a três princípios, R.P. Maurícios Meschler, S.J.- Ed. Cléofas e Ed. Cultor de livros

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.