Marana tha!

Revista: “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”
D. Estevão Bettencourt, osb
Nº 307 – Ano 1987 – p. 529

(1Cor 16,22)

A grande novidade do Cristianismo consiste na Boa-Nova de que Deus  vem ao homem antes que o homem tente ir a Deus. Esta  notícia marca toda  a Revelação bíblica, que fala frequentemente da visita de Deus, a fim de atender aos anseios  de vida que o próprio Criador  colocou no coração do homem. Os escritos do Novo Testamento assinalam com alegria  a vinda do Senhor na pessoa do Messias: “Bendito seja o Senhor, o Deus de Israel, porque visitou o seu povo e o libertou”  (Lc 1, 68). Todavia o evangelista verifica em tom de tristeza: “Veio para o que era seu, e  os seus não o receberam” (Jo 1,11). Apesar de tudo, o Senhor continua a oferecer a sua presença a todo homem que tenha a delicadeza de ouvir a sua voz: “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa, e cearei com ele” (Ap 3,20). O pulsar do Senhor é suave e não se impõe. Daí a exortação à vigilância, repetidamente formulada por Jesus: “Vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor” (Mt 24,42; 25, 1-13).

Vigiar significa renunciar  ao sono da noite ou, metaforicamente, lutar contra o torpor espiritual e a negligência, estar em alerta como se cada dia fosse o último da vida do indivíduo na Terra. O Senhor pode demorar – o que suscita cansaço no cristão, como o suscitou nas dez virgens da parábola (Mt 25, 1-13); mas o discípulo de Cristo não se deixa vencer  pelo desânimo; ele crê que a história é regida por um sábio desígnio do Senhor e, por isto, reaviva constantemente a chama da sua fé e da sua esperança. “Aquele que dá testemunho destas coisas, diz: “Sim, eu venho em breve!” – “Amém. Vem, Senhor Jesus (Marana tha)!” (Ap 22,20; cf. 1Cor 16,22).

São estas algumas  ideias que ocorrem à mente  do cristão no fim de mais um ano, quando a Igreja celebra o Advento e o Natal de Jesus. O presépio é um ponto de chegada  e um ponto de partida; sim, pôs termo à expectativa dos Patriarcas e Profetas, e veio aguçar nos cristãos o desejo  da plenitude. Aliás, desta  já temos um penhor seguro nos sacramentos, sinais  que se podem tornar cada vez mais transparentes para os valores eternos presentes no tempo. É hoje e  aqui que o cristão começa a desfrutar a graça de Deus, ciente de que a cada momento podem cair os véus que lhe encobrem a Face da beleza Infinita!

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.