Mais sobrenomes chineses que italianos em Milão

Sabemos que nenhum país da Europa hoje é capaz de manter a sua população, isto é, os nascimentos já não repõem os falecimentos, porque o índice de natalidade está abaixo de 2,1 filhos por mulher, o mínimo necessário para manter a população. No Brasil, infelizmente, este índice já está em 1,8.  O Brasil também em breve não mais reporá a população. Isto é um absurdo porque enquanto o Japão tem 310 pessoas por quilometro quadrado, e faz campanha para aumentar a natalidade, o Brasil que tem apenas 20 pessoas/km2, controla a natalidade; um tiro no pé. Amanhã irá chorar; por ora não entendeu isso ainda.

Milão é uma grande cidade italiana que foi capital do Império romano com o imperador Valentin ano III (23-455) até  a queda nas mãos dos bárbaros em 476. Em Milão, hoje, a crescente imigração chinesa legal e ilegal vai ocupando os vazios abertos pela limitação da natalidade. Os registros da prefeitura de Milão mostram que o sobrenome italiano Rossi ainda ocupa o primeiro lugar, mas é logo seguido por Hu, chinês.

Uma análise da lista dos quinze sobrenomes mais registrados, segundo o grande diário milanês “Il Giornale” é chocannte: Rossi, Hu, Chen, Brambilla, Zhou, Wang, Wu, Lin, Zhang, Fumagalli, Liu, Zhao, Li, Zhu e Zheng. São 12 chineses e apenas 3 italianos entre os primeiros 15. A conclusão é fácil de ser tirada. Esses dados falam tudo. Para o Jornal, trata-se de uma “revolução demográfica impensável há 25 anos”. Mas não são os únicos nomes estrangeiros. Mohamed, Ahmed e Ibrahim estão entre os que crescem, refletindo a imigração de países islâmicos.

Os chineses dominam os camelôs ilegais, as lojas sem registro, e as fábricas clandestinas, tendo se tornado também um fator de degradação de bairros antigos. Chinatown é uma realidade chocante em Milão, uma das capitais da moda e do luxo ocidental – comentou o Jornal milanês. [1]

Não só Milão, mas a Europa, de modo geral está “morrendo”, como morreu o Império Romano do Ocidente, numa longa agonia, por falta de filhos. O Dr. Piérre Chaunu, professor de História, PhD da universidade Sorbonne de Paris, afirma que o grande Império desabou por conta do controle da natalidade. A Nova Europa hoje experimenta o mesmo efeito. Relegou as leis de Deus, eliminou a vida, paga um preço vital.

Não se trata aqui de impedir a imigração de estrangeiros, que a Igreja defende como caridade para os que não conseguem viver em seus países. A imigração é um ato de caridade nacional. Não é preciso impedir a imigração para defender a nação. O Papa tem dito que os imigrantes podem e devem cooperar com o desenvolvimento da terra para onde migram e se tornarem bons cidadãos.

Mas, por outro lado, não se pode deixar perecer a nação em sua originalidade, em sua rica cultura e seus valores. E sem filhos uma nação não tem futuro. Por saber disso os governantes estão fazendo campanha para o aumento da natalidade; até no Japão. Mas a resposta da população é pífia. Qual a razão profunda de tudo isso? Os papas respondem:

O Papa João Paulo II disse que “quando o homem, em vez de desempenhar a sua função de colaborador de Deus, se coloca no lugar de Deus, acaba por provocar a rebelião da natureza”. [Carta enc. Centesimus annus, 37]

O Papa Bento XVI reclamava há pouco: “O patrimônio espiritual e moral no qual o Ocidente aprofunda suas raízes e que constitui sua força vital, hoje não mais é mais um valor profundo, a ponto que não está mais contido na instância da verdade. Também uma terra fecunda corre o risco de se tornar um deserto inóspito e a boa semente está sendo sufocada, pisoteada e perdida”.

“Infelizmente, o próprio Deus foi excluído do horizonte de muitas pessoas; e quando não encontramos indiferenças, fechamento ou recusa, o discurso sobre Deus ainda está relegado no âmbito subjetivo, reduzido a um fato íntimo e privado, marginalizado pela consciência pública. Passa por este abandono, por esta falta de abertura ao Transcendente, o coração da crise que atinge a Europa, que é uma crise espiritual e moral: o homem pretende ter uma identidade composta simplesmente de si mesmo”. Vivemos “num tempo no qual Deus se tornou para muitos o grande Desconhecido e Jesus simplesmente uma grande personagem do passado”. [2]

Prof. Felipe Aquino

1- www.comshalom.org/blog/carmadelio/30192-em-milao-italia-sao-registrados-mais-sobrenomes-chineses-que-italianos

2- www.zenit.org/article-30413?l=portuguese

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.