“Liberdade” sexual

maos-dadasA biologia ensina que o ser humano é um animal sexuado, ou seja, se reproduz através do ato sexual, fato que fundamenta a comparação com outros animais que também se reproduzem da mesma forma. Há quem compare o comportamento sexual humano com o comportamento sexual de um cachorro e fundamenta-se exatamente no fato deste também ser sexuado. Embora pareça óbvio que a comparação com outros animais diminua o valor do ser humano, muito se defende hoje a ideia do sexo livre em detrimento do compromisso, promove-se a vivência de uma sexualidade fundamentada no instinto e na busca pelo prazer. Há que se lembrar, ainda que pareça insensato ser necessário, que o ser humano além de sexuado é um animal racional e além de racional é um ser espiritual.

Sendo o ser humano um ser de dimensões bio-psico-espiritual, sua sexualidade não está dependente apenas de seus instintos de procriação ou de preservação da espécie, à medida que evolui, o homem encontra novos sentidos para a vivência de sua sexualidade. Diferentemente dos animais, o ser humano é um ser totalmente dependente. Ao nascer, um bebê necessita ser cuidado, alimentado e, à medida que vai crescendo, necessita ser educado e protegido. Embora hoje se fale de diferentes formas de família, as ciências humanas e em especial a psicologia ensinam que os vínculos afetivos que ligam o filho à mãe e ao pai, e também os pais entre eles, são de vital importância para o desenvolvimento saudável de uma criança. Esta interdependência que se dá entre os seres humanos determina um novo sentido à sexualidade, a necessidade de um compromisso. O ato sexual, embora seja prazeroso e possível de ser realizado com diferentes e diversos parceiros, requer um caráter de compromisso de fidelidade, pois para que um filho cresça de forma saudável faz-se necessária a presença do pai e da mãe e, mais que isso, a união harmoniosa de ambos selada em um vínculo de amor.

A castidade é um valor, pois representa a possibilidade de vivência de uma sexualidade segura. O jovem que aprende a importância da castidade é capaz de educar-se, harmonizando as forças hormonais que se estruturam em seu corpo viril e cheio de potência de vida. A vivência da castidade educa o corpo e revela aos instintos que estes não são capazes de comandar as atitudes, embora sejam presentes, quando harmonizados aprendem a obedecer à razão e ao espírito.

Hoje, em todo o mundo, há diferentes teorias sobre a educação sexual, fala-se de uma liberdade sexual fundamentada na resposta aos instintos em detrimento da razão e da importância dos vínculos afetivos. Em países do terceiro mundo os governos optam por promover o sexo livre desde o início da adolescência. No Brasil o governo segue o mesmo caminho, distribuindo preservativos, anticoncepcionais e até a pílula do dia seguinte gratuitamente para toda a população, sem oferecer uma educação sexual e sem falar sobre o valor dos vínculos afetivos e da castidade.

Se por um lado uma sociedade evoluída é aquela onde as pessoas aprenderam a primar pela razão e o espírito acima dos instintos, uma sociedade que busca primar pelos instintos em detrimento da razão e do espírito é facilmente manipulável, jamais livre, ao contrário, escrava de seus próprios condicionamentos.

Élison Santos- Psicólogo Clínico

Fonte: http://www.aleteia.org/pt/saude/noticias/liberdade-sexual-1470001

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.