Jovens, vamos a Madrid?

Aproxima-se a Jornada Mundial da Juventude de Madrid, de 16 a 21 de agosto próximo. Nos dias precedentes, haverá a Pré-Jornada, durante a qual jovens de todas as partes do mundo serão acolhidos nas dioceses da Espanha e, ali, terão seus encontros e missões com os jovens da própria Espanha.

Prevê-se uma grande movimentação de jovens, que seguirão para Madrid, onde também terão o encontro com o Papa Bento XVI. A organização desse grande evento está na responsabilidade do Pontifício Conselho para os Leigos, mas contará muito com o apoio da Conferência Episcopal espanhola e com as organizações dos jovens espanhóis. Mais de 10 mil jovens do Brasil já estão com o passaporte pronto para viajar para a Espanha; e também mais de 60 bispos!

As Jornadas, iniciadas pelo Papa João Paulo II, têm o objetivo de estabelecer uma nova interação da Igreja com a Juventude; certamente, isso tem sido alcançado em boa parte, mas ainda há muito por fazer, quer porque os jovens evoluem e os protagonistas são sempre novos, quer porque a grande massa dos jovens ainda não está envolvida nas iniciativas pastorais da Igreja.

Ninguém duvida da importância fundamental da evangelização da juventude para que as novas gerações possam ser iniciadas na experiência do encontro com Cristo e na vivência da fé cristã e eclesial. As Jornadas criam boas oportunidades para verdadeiros “mutirões” de evangelização da juventude e seria pena não tirar todo o proveito dessa ocasião ímpar para o envolvimento dos jovens com a Igreja.

O Papa Bento XVI escolheu um belo tema para a próxima Jornada: “Arraigados e edificados em Cristo, firmes na fé” (cf Cl 2,7). O tema faz referência a uma passagem da Carta de S.Paulo aos Colossenses, na qual o Apóstolo, depois de falar das suas lutas e fadigas, como missionário do Evangelho, encoraja a comunidade, que recebe a carta para, a ficar firme naquilo que aprendeu do Evangelho: “Todos sejam encorajados, unidos no amor, para alcançar a riqueza do pleno entendimento e o conhecimento do mistério de Deus, que é Cristo. Nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento”. E exorta, que ninguém se deixe levar “por discursos enganadores”.

A advertência de Paulo aos Colossenses tinha um motivo: Naquela comunidade cristã tinham se infiltrado falsos “pregadores” e “mestres”, que apresentavam teorias esotéricas e da mitologia e cosmologia grega sobre diversas divindades e forças cósmicas a governar a vida dos homens… Pretendiam também apresentar novas “revelações” e novos “conhecimentos” sobre Deus, ainda não manifestados… E os cristãos começavam a vacilar na fé. A toda hora, esses “mestres” aparecem também em nossos dias e levam consigo pouco firmes na fé. Ainda há poucos dias, fora do Brasil, alguém anunciava o dia e a hora exatas do “fim do mundo”… Errou de novo! Já o próprio Jesus ensinou que “ninguém sabe o dia e a hora, mas somente Deus”; e advertiu contra os enganadores e falsos profetas (cf Mt 24,3-8). A lição ainda não foi aprendida!

O texto de São Paulo continua e pede que os cristãos, “tendo acolhido Cristo, continuem caminhando com ele”. De fato, não basta ter tido um encontro fugaz com ele e, depois, ir atrás de outros mestres, ou continuar pela vida afora como se Cristo nada significasse. “Continuem caminhando com ele”, exorta Paulo, indicando que a vida cristã se expressa como “discipulado”, com Cristo, nos eu caminho, atrás dele. A CNBB destaca isso nas novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora (2011-2015). São Paulo usa ainda outras expressões semelhantes para dizer a mesma coisa: Viver “com” Cristo, “por” Cristo, “em” Cristo. Tudo isso coloca em evidência mais uma vez que a fé cristã, antes de ser adesão a um ensino e doutrina, é adesão firme a uma pessoa: a Jesus Cristo, Filho de Deus.

No texto proposto pelo Papa para a Jornada Mundial da Juventude toma como referência estas indicações muito expressivas de São Paulo: “Continuai enraizados nele, edificados sobre ele, firmes na fé, tal qual vos foi ensinada, transbordando em ação de graças. Que ninguém vos faça prisioneiros de teorias e conversas sem fundamento” (Cl 2,7-8). Quantos se deixam desviar da fé cristã, com tanta facilidade, “por qualquer vento de doutrina”, como folhas levadas pelo vento, planta sem raiz, casa construída sobre a areia…

A feliz escolha do tema da Jornada vai proporcionar uma reflexão importante para jovens e não-jovens sobre a nossa ligação e relação constante com Cristo (“enraizados” nele”); sobre o fundamento da nossa fé e vida cristã (“edificados” sobre ele); e sobre a necessária firmeza na fé, para não vacilar diante das mil dificuldades do caminho (“firmes na fé, como vos foi ensinada”).

***
Card. D. Odilo P. Scherer
Arcebispo de São Paulo – SP

Publicado em O SÃO PAULO, ed de 17.05.2011

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.