João Paulo II e Bento XVI fazem história: Em 10 séculos nenhum Papa beatificou o seu predecessor

ROMA, 18
Jan. 11 / 09:46 am (ACI).- A beatificação do servo de Deus João Paulo II que o
Papa Bento XVI
presidirá no próximo 1º de maio será histórica porque nos últimos dez séculos
nenhum pontífice tinha elevado aos altares a seu predecessor imediato.

O diretor do jornal vaticano L’Osservatore Romano, Giovanni Maria Vian,
assinala na edição de 16 de janeiro que “é necessário voltar até o coração
da idade Média para encontrar uma situação análoga, mas em contexto não se pode
comparar com a decisão de Bento XVI: nos últimos
dez séculos nenhum Papa elevou às honras dos altares a seu imediato
predecessor”.

Vian explica que “Pietro del Morrone (Celestino V) foi canonizado em 1313
-menos de vinte anos após a sua morte- por seu terceiro sucessor, e mais de
dois séculos antes havia sido reconhecida a santidade de Leão IX e de Gregório
VI, falecidos em 1054 e 1085 respectivamente”.

Depois de recordar que o último Papa canonizado foi São Pio X, o diretor do LOR
recorda que o fundamental em toda causa de beatificação e canonização “é
exclusivamente a exemplaridade de vida de quem, com
expressão escriturística, está definido para o serviço de Deus”.

Como disse Paulo VI ao anunciar a abertura da causa de seus dois predecessores
imediatos, João XXIII e Pio XII, isto assegura que se mantenha “o
patrimônio de sua herança espiritual” à margem de “qualquer outro
motivo, que não seja o culto da verdadeira santidade, quer dizer, a glória de
Deus e a edificação de sua Igreja“.

“E um autêntico servidor de Deus foi Karol Wojtyla, apaixonado testemunho
de Cristo para a juventude até o último suspiro. Disto, muitíssimos, inclusive
não-católicos e não-cristãos, puderam perceber durante sua vida exemplar”.

Por tudo isto e muito mais, conclui Vian, Bento XVI decidiu presidir a
beatificação do Papa peregrino “para apresentar ao mundo o modelo de
santidade pessoal de João Paulo II”.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.