JMJ apresenta filme-documental sobre menina espanhola em processo de beatificação

MADRI, 09 Mai. 11 / 03:20 pm (ACI) “Alexia: A adolescente que viu a Deus cara a cara” é o título do filme-documentário que apresentará o próximo 13 de maio no ciclo de pré-estréias da Jornada Mundial da Juventude.

O filme-documentário fala sobre Alexia González-Barros, uma menina espanhola quem viveu sua enfermidade -um tumor na coluna vertebral- com uma grande alegria, fé e integridade. Alexia faleceu em 1985 quando tinha apenas 14 anos e em 1993 se abriu seu processo de beatificação.

O longa-metragem segue o estilo de “A Última Cima”, outro filme-documentário sobre a vida do sacerdote Pablo Domínguez, êxito de bilheteria dentro e fora da Espanha. Está produzido também pela European Dreams Factory.

“Alexia” é dirigida pelo cineasta Pedro Eugenio Magro Cavilla, membro da Academia do Cinema e está narrada em primeira pessoa pela própria Alexia -interpretada por Miriam Fernández- e seu anjo da guarda, ao que chama Hugo- interpretado por Richard del Olmo-. Tudo isto misturado com vídeos que foram gravados por seus familiares em sua infância e testemunhos de pessoas que a conheceram.

Também se contam os últimos meses de sua vida, em que foi exemplar a forma que teve de viver a enfermidade.

A história da Alexia

Alexia González-Barros e González nasceu em Madrid nos dia 7 de março de 1971. Era a filha menor de sete irmãos. Seus pais, Francisco e Moncha, educaram-na desde pequena em um clima de liberdade, carinho e alegria.

Foi uma menina normal e divertida. Fez sua Primeira Comunhão em 8 de maio de 1979 em Roma, junto ao lugar onde repousam os restos de São Josemaría Escrivá de Balaguer, a quem tinha muito carinho e devoção.

Ao dia seguinte de sua Primeira Comunhão, em 9 de maio de 1979, aproximou-se de João Paulo II durante uma audiência pública no Vaticano. O Papa a abençoou e deu-lhe um beijo na cabeça.
Levou uma vida normal, estudava, fazia planos com suas amigas, veraneava com sua família e seus avós. Teve a oportunidade de peregrinar com seus pais e seus irmãos a Terra Santa. Esteve em Belém, onde cumpriu um de seus grandes sonhos: beijar o lugar onde nasceu Jesus.

Em fevereiro de 1985, foi diagnosticada com um tumor maligno que a deixou paralítica em muito pouco tempo. Tinha apenas 13 anos de idade. Foi submetida a dolorosos tratamentos e quatro intervenções cirúrgicas em só dez meses.

Tudo foi enfrentado com paz e alegria. Aceitou sua enfermidade do início e ofereceu seu sofrimento pela Igreja, o Papa e outros.

Faleceu em Pamplona, rodeada por sua família, dia 5 de dezembro de 1985.

Sua causa de beatificação foi introduzida na arquidiocese em 1993 e atualmente se encontra em Roma.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.